O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jan
28
2009

A Fantástica Vida de Albert – Apresentando-se

Escritor: J. G. Valério

vida_de_albert

Meu nome é Albert e tenho uma vida normal.

Ter uma vida normal significa que ela é chata, muito chata. Tenho que acordar cedo todos os dias, fazer o café da manhã para o meu filho Lalbert, tirar ele da cama, fazer ele tomar o café da manhã, me arrumar para o trabalho, levar Lalbert para a escola, pegar um engarrafamento fazendo isso, deixar Lalbert na escola, pegar outro engarrafamento, ir trabalhar.

Antes que vocês perguntem, eu não escrevi errado, o nome do meu filho é Lalbert. Quando Lalbert veio ao mundo, minha esposa Sophia e eu decidimos dar o meu nome para ele e colocar algum complemento, mas Albert Júnior não soava muito original e dei a sugestão de Little Albert, tirando o Little e deixando apenas o L, ficava Lalbert. Minha esposa odiou, e como ela tinha mais juízo que eu, claro que não aprovou. Porém, por infortúnio ela morreu dando a luz a Lalbert e como ela não estava mais ali para vetar, dei o nome que queria a nosso filho. E foi assim que ele veio a se chamar Lalbert.

Vocês devem estar pensando, “Nossa, como esse homem é ruim. Deveria ter acatado o último desejo da mulher, e não dado este nome a criança”, na verdade muitas pessoas ja me falaram isso quando conto o motivo do nome do meu filho. Mas não tenho resposta para isso, minha vida com Sophia sempre foi de provocações e um querendo disputar algo com o outro, éramos muito felizes e nos amávamos, e posso dizer que o último round foi meu, ganhei por knock out, sendo o Lalbert quem derrubou a fera. Meu prêmio foi escolher o nome da criança. Esteja Sophia onde ela estiver, no cemitério da cidade presumo, ela entende isso e aceita minha vitória.

Sinto falta de Sophia, não a um dia que passe que eu não pense nela. As vezes também penso em arrumar uma outra esposa, não por mim, depois que inventaram a banda larga as mulheres podem ser dispensáveis, na verdade penso em arranjar uma nova esposa para poder dar uma mãe a Lalbert. Ele deve sentir falta de uma mãe.

Só que até hoje estamos nos virando bem, e Sophie ainda vive em minhas lembranças.

Lalbert tem apenas 7 anos, não é muito esperto, mas eu o amo por ser assim. A cada pequena coisa que lhe mostro, ele reage com uma fascinação incrível, sei que toda criança é assim, mas Lalbert é mais, ele é diferente. Sei que as outras crianças na escola são melhores que ele nas tarefas, sei disso porque a sua professora vive me chamando para conversar, eu sempre desconverso. Para mim Lalbert pode ficar assim para sempre, não existe melhor visão do mundo do que a vista pelos olhos de uma criança, e sei que Lalbert consegue ver nosso mundo como ninguém.

Mas eu tenho que parar de falar sobre Lalbert, afinal esta história se chama “A Fantástica Vida de Albert” e não de Lalbert. Deixe-me falar de mim então. Falar de nós mesmos é complicado, ainda mais tendo uma vida chata como a minha. Acredito que muitos tem uma vida chata, muitos acordam pela manhã, pegam seus carros e no caminho para o trabalho ficam repetindo incessantemente, SSDD… SSDD. Eu faço isso todos os dias, minha vida é uma rotina tão bem planejada que nem utilizo mais calendário ou qualquer tipo de agenda, os dias passam tão rápido que não vejo motivo para conta-los. Contar os dias para que? Todo o dia é a mesma coisa.

10 Comments»

  • Todo conto deve ter uma imagem, porém a imagem do conto “A Fantástica Vida de Albert” não é para ser essa.

    Vou tentar fazer outra, mas caso eu não consiga, vai ficar essa mesma.

  • LameDuck says:

    estou com a cabeça meio cheia para ler agora, devido as atualizações no meu blog.
    Mas lerei em breve.

    Para não ter perigo de esquecer, adicionei o banner do blog.
    Desejo sucesso para esse blog também 😀

  • Valeu Lame Duck!

    Este é um blog de literatura, mas adicionei seu link aqui pois você tem seu Yuri.

    Se você quiser, assim que você publicar a próxima parte da história de Yuri, eu possa fazer um post aqui no blog falando do conto e levando um link para sua página.

    Não que este post vai lhe dar muitos leitores, mas como esse blog é para divulgar contos, não publicarei apenas os meus, farei citação de outros contos e espero incentivar a leitura nos frequentadores do blog. 🙂

  • A sim. Eu não coloquei o banner do seu blog no link, pois não vou utilizar nenhum banner de imagem na lateral.

    Como esse blog é para leitura, quanto menos imagens, quanto menos distrações da tela principal, melhor para o leitor.

    Por isso vou deixar ali apenas links de texto.

  • Lucas says:

    “ganhei por knock out” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk’ raxei…

  • 😀

    O que foi que você rachou Lucas?

    hehehe…

  • Satoshi says:

    hahaha, muito bom o conto, ri muito. a parte do Lalbert foi muito boa.

  • Ana Bourg says:

    Curti o estilo levemente sarcástico do texto, me pareceu um pouco o começo de um filme narrado pelo protagonista. Bem carismático. Vou continuar lendo para saber o destino de Albert e Lalbert. \o/

  • Lord Jesse says:

    Termina ai???

    Não sei ao certo mas, acho que eu queria saber mais sobre a vida de Albert.

    Teves umas partes que foram otimas ” Esteja Sophia onde ela estiver, no cemitério da cidade presumo, ela entende isso e aceita minha vitória”, e coisas do tipo.

    • Ana Bourg says:

      Ele tem mais capítulos. Clica na pizza (ou torta?) à esquerda do cabeçalho do texto que aparece. 😛

      (Realmente essa da Sophia foi muito boa)

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério