O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
11
2009

Os Republicanos – O apartamento

Escritor: J. G. Valério

os-republicanos

Lembrando o final do último conto. Roger e Jaime se despediram, sendo que Jaime saiu andando rapidamente em passos largos e ligeiros e Roger por sua vez andou rumo a seu apartamento, onde deveria avisar aos moradores da república que no dia seguinte viria um possível hóspede para habitar o local.

A noite passou, o dia amanheceu e todos acordaram cedo para ir trabalhar. Como sempre Jaime foi um dos primeiros a chegar na empresa, não demorando muito chegou outros colegas de trabalho.

– Jaime, bom dia! Você sempre cedo aqui hein?

– Claro que sim Renata. Deus ajuda quem cedo madruga. – Jaime deu um risinho, não acreditando na puxada de saco que deu.

– É isso mesmo pessoal, todos deveriam ser como o Jaime. E por falar em chegar cedo, onde esta o André?

– Olha, não sei onde ele esta, mas o Motorhead ja chegou. – Jaime apontou para o casaco que estava pendurado sob a cadeira de seu colega de trabalho. Aquele casaco sempre esta ali. – O Motorhead ja deve saber vir sózinho, pena que não carrega o André nas costas junto.

Não demora cinco minutos, André entra pela porta. O rosto todo amassado, de quem acabou de acordar. Esfregando a mão nos olhos ele cumprimenta todos.

– Bom dia pessoal, bom dia Renata.

Renata olha para o recém chegado e com um certo cinismo na voz tenta reprender André.

– Bom dia senhor André. Isso la é hora de chegar? Qual é a desculpa de hoje?

– É, é… não tem desculpa nenhuma. Foi o trânsito, o onibus fica preso nesse transito caótico e me atraso.

– Sei. Você deveria se espelhar no Jaime, que vem todo dia a pé e chega aqui cedo.

– Você esta certa Renata. Todos aqui deveriam ser como o Jaime.

André senta e o dia de trabalho de todos continua, ligações, problemas e usuários estúpidos. E quando o relógio marca algo próximo do meio dia Roger aparece entrando pela porta da empresa. André vendo seu amigo entrar da uma pressionada em Renata.

– Ai Renata, olha só, poderia ser pior, eu poderia chegar no mesmo horário que o Roger. – André solta uma risada. Renata olha para Roger, que ja esta indo ao setor de desenvolvimento da empresa.

– Não, esse Roger, vou te falar viu. Você que não se atreva a chegar nesse horário. Nenhum de vocês!

– Por falar no Roger e ai Jaime foi ver a república ontem?

– Não, falei com o Roger mas ele disse que era melhor eu passar hoje la. Ai combinei de ir depois do trabalho.

Então, acelerando o tempo, o dia de trabalho de todos acaba. O pessoal vai para casa, ou para a faculdade, ou para o bar mais próximo. Roger e Jaime se dirigem para a república.

Chegando em frente ao prédio, Roger aponta para o segundo andar.

– É ali. Segundo andar. – Jaime olha para cima, é um prédio baixo, de apenas dois andares, bem normal.

– Legal, tem sacada.

Ambos entram e começam a subir a escada.

– Aqui no primeiro andar mora o dono do prédio. – Explica Roger. – É um cara legal, nós podemos escutar um rock la em cima que ele nem se importa pois ele também gosta deste estilo de som. As vezes ele até faz mais barulho que a gente.

Subindo mais um pouco, chegam a porta da república.

– É aqui. Vamos entrar, acho que o Cláudio ja esta em casa. Ô de casa! – Entra gritando Roger.

A entrada da república da pra um corredor, que se estende pelo apartamento, com portas a esquerda e portas a direita. Logo na primeira porta a direita Roger para.

– Chega aqui Jaime, esse é o quarto do Cláudio, e aquele ali é o Cláudio. Você ja deve conhecer ele da empresa. – Jaime para em frente a porta do quarto e olha para dentro. Cláudio esta sentado na cama e cumprimenta o visitante.

– Opa! Então você esta interessado em vir morar aqui? – Jaime demora um pouco para responder. Apesar de trabalharem na mesma empresa, nunca havia prestado muita atenção no Cláudio, e fica espantado com tamanha figura nerd.

– Bem… é. Vim dar uma olhada no lugar.

– O Roger pode mostrar o apartamento para você. – Roger prontamente aceita a tarefa e mostra os comodos da casa.

No total são três quartos, uma cosinha, uma lavanderia, um quarto de empregada e uma sala com varanda.

– Os três quartos estão ocupados, você ficaria aqui. – Roger aponta para um cubículo minúsculo. – Antes o Anderson dormia aqui, mas como um dos quartos vagou, ele foi se hospedar la.

– Anderson… ele é um anão? – Roger não levando a piada com o tamanho do quarto em consideração, resolve mostrar a sala para Jaime.

– Mas se você achar aquele quarto muito pequeno, você pode montar seu quarto na sala, ja que ela não é muito usada mesmo.

A sala era ampla. Jaime abre um sorriso

– Aqui é legal.

– Então, gostou do apartamento? – pergunta Roger.

– Sim, claro, bem grande, o pessoal que mora aqui parece ser gente boa. O apartamento é bem limpo, tirando o quarto do Anderson que esta um pouco bagunçado. A e por falar em quarto do Anderson, seu qaurto é esse que esta com a porta trancada?

– Sim, é esse sim.

– Abre ai, deixa eu dar uma olhada. – Roger fica com um pouco de receio, não queria que ninguém entrasse em seu quarto, na verdade ninguém deveria entrar em seu quarto. Ele coloa o ouvido na porta, tenta escutar algum barulho la dentro, mas nãoo escuta nada.

– Tudo bem, uma olhada rapida não vai fazer mal. – Roger solta uma risadinha amarela e Jaime não entende porque o nervosismo do amigo.

A porta se abre. Jaime olha o interior do quarto por um instante. E cai na gargalhada.

– Você ta de sacanagem comigo. Muito boa essa, aposto que você fez isso só para rir da minha reação. – Jaime continua rindo. Roger olha para o quarto e fica sem entender a graça.

– O que foi?

– O que foi? Olha essa bagunça, parece que que explodiu uma bomba aqui dentro. Olha ali, em cima da escrivaninha, aquilo é uma caixa de leita virada? E no chão? Uma garrafa de vinho? Tem roupa jogada pra todo lado, sem falar na comida espalhada. Muito boa Roger. Quero ver você limpar tudo isso depois.

Roger da de ombros e fecha a porta.

– Vamos ali falar com o Cláudio. Você deve preencher um questionário antes de ser aceito aqui na república.

– Um questionário? – Jaime ficou meio confuso, mas não viu problema.

Ambos vão até o quarto do Cláudio, la uma folha de papel com várias perguntas de multipla escolha o aguarda.


Categorias: Contos,Os Republicanos | Tags: , ,

4 Comments»

  • Foi um bom relato. Mas me senti batendo em carne dura com uma espada sem fio enquanto escrevia. Foram apenas palavras jogadas em uma folha.

    Faltou algo nesse conto. Vou tentar melhorar no próximo.

  • Tem uma coisa que estou fazendo muito errado.
    Coloco ali no lado a data em que vou postar o conto, mas só publico no blog a noite.

    Acho que vou ter começar a colocar logo cedo. Vamos ver se consigo fazer isso na sexta, com A Fantastica Vida de Albert.

  • E.U Atmard says:

    está muito bom. Mas olhe, se não quiser publicar logo naquele dia, não há problema nenhum. E acho que ninguém se importa em que seja publicado à noite…

  • Pedro Torres says:

    cade a proxima parte?
    você aprou ai.
    ta ficando legal.
    =D

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério