O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Apr
27
2009

A execução

Escritor: Pandion Haliaetus

a-execussao

Alexander Martinez, mexicano erradicado nos Estados Unidos, fruto de uma relação doentia e uma criação desleixada, sempre procurou algo para se ater e justificar seu motivo de estar vivo. Até sua adolescência descobriu que o respeito poderia ser alcançado, se não pela admiração, então seria imposto através do medo. Aos nove já matará aqueles que ousaram afrontar sua moral, mesmo que os afrontadores fossem mais velhos. Uma obra de arte. Premeditou a morte de ambos. Em um final de semana ensolarado, enquanto banhavam-se em uma pequena piscina no quintal, Martinez prometeu à irmã mais nova de um deles que se ela corresse para dentro da piscina segurando um ferro de passar elétrico ligado, na volta ela poderia pedir o presente que quisesse. Em verdade, o único que ganhará um presente fora Martinez, que neste momento descobriu a felicidade e o prazer, uma sensação indescritível que palpitava em seu peito enquanto sorrateiramente observava os três morrendo eletrocutados. Era como se o céu se abrisse em um raio de luz reconfortante, lhe fornecendo o sentimento de que nada e ninguém poderiam lhe tirar este momento. Fascinado, Martinez passou a maquinar desde então como expressar essa felicidade, e mais, como compartilha-la com quem lhe era de apreço.

Porém, uma dúvida voraz lhe foi arremetida. “Quem são as pessoas que eu gosto?”. Tendo experimentado a felicidade ao infligir à dor, ele pode compreender o ponto de vista de seus pais. Entendendo perfeitamente por que tanto o agrediam e humilhavam. Palavras são ferramentas dadas aos seres humanos, para descrever suas idéias da melhor maneira que conseguirem. O que a maioria chama de dor, para ele tem o significado de prazer, o que chamam de medo, pra ele significa excitação, e o que chamam de ódio, bem, Martinez descobrira o amor.

Percebendo a tudo isso, Martinez se sentira imensamente culpado. Principalmente por sua ingratidão, nove longos anos de ingratidão. Era chegada a hora de retribuir todo o carinho, atenção e afeto desprendido por seus pais para com ele. E assim ele o fez, em uma tenra noite de verão, enquanto ambos dormiam, Martinez forneceu-lhes uma festa surpresa cheia de excitação, prazer e amor. Junto com uma faca, ele deu o maior presente que ele pudera conceber, mostrou a cada um deles, como as pessoas são por dentro. Para a polícia, este fora mais um caso de pais irresponsáveis que se odiaram até a morte, assassinato seguido de suicídio, e no meio de tudo isso, uma pobre criança que não podia entender o que estava acontecendo.

Levado para um orfanato de estrangeiros, logo descobriu que o Mundo, ao contrário do que pensava, é um lugar maravilhoso, pois assim como ele, outros também compartilhavam de uma parte de sua visão, outros o entendiam, e agora o respeitavam, não pelo medo, mas por admiração. Finalmente Martinez se sentia aceito no Mundo. Se envolvendo cada vez mais com pessoas de idéais parecidas, Martinez foi crescendo, e descobriu que as leis do Mundo de nada valem pra ele, agora ele era seu próprio Deus, ele fazia suas regras, punia e recompensava quem as seguissem. Afinal, nunca houve nenhuma prova de que a lei dos outros fosse melhor do que a dele. Contudo Martinez envelhecia, e isto era algo que o atormentava constantemente, ele sabia que toda aquela juventude e força se esvairiam com o tempo. Foi então que Martinez mais uma vez transcendeu, agora ele estava decidido a deixar sua marca no Mundo.

Começou a traçar um plano, que se estenderia inicialmente por toda América do Norte, logo chegaria à América do Sul, e dali iria planejar todo o resto. Guiado por uma sede insaciável do prazer e felicidade que sente ao ver suas vítimas se contorcendo em agonia e morte, Martinez iria criar uma imensa família, unidas por um só sentimento, o pavor. Fazendo mais do que uma promessa a si mesmo, era criara um objetivo. Mostrar a todos aqueles que causam a dor, a beleza da dor. Com isso, decerto que estas pessoas alcançariam a iluminação. Eis então que começou a por seu plano em prática, andando de cidade em cidade, ele observa e escuta atentamente os casos de agressões, julgando os mais veneráveis e então trazendo a eles a melhor noite de suas vidas, à noite em que eles rezam pela morte, que teima em levá-los, e apenas se delicia observando cada um, até o momento em que a agonia e os sentidos chegam ao limite, fazendo com ela os leve, não por pena, mas por que é seu dever. Uma dama vestida em trajes negros, com uma pele alva e fria, ela é a companheira mais adorável de todas, e sempre lhe fornece o maior dos prazeres, ao seu lado ele encontrou a felicidade, e também levou a centenas, talvez milhares.

Certo dia, Martinez vagava pelo Texas, seguindo a trilha de medo e ódio deixada no ar. Desta vez, algo inusitado aconteceria, mas ele nem poderia imaginar. Ao emboscar sua presa, logo o incapacitou severamente, e agora, lentamente iria mostrar-lhe sua amada senhora. Quando derrepente ele parou, algo estava errado, não é desta forma que acontece. “Aonde está excitação, o prazer e o amor?”, ele pensou. Sua vítima não expressava qualquer sentimento, e ainda mais, desdenhava de suas atitudes descaradamente. Sua senhora esta noite apenas observava, e não sorria, apenas se afastou, para não ouvir a conversa que se seguiria:

– Vejo que meu afeto não é apreciado por sua pessoa. O que se passa em sua mente? Acreditas que sua bondade para com os outros não seria retribuída? Amoleça seu coração, e receba de boa vontade o amor que estou disposto a lhe dar. A vida pode ter-lhe talhado estas experiências, mas não mais. Aqui estou, admire minha senhora e peça a ela para seu trabalho seja feito o mais breve possível!

– Homem tolo e ignorante. Seu erro é julgar as pessoas com as leis que criastes. Eu diferente de você sou um homem da lei, eu criei várias das quais as pessoas desta região seguem fielmente! Nem uma de minhas ações transgrediram as leis, estou amparado pelo consenso geral. Aqueles que prejudico irão me defender até com suas vidas se for necessário. Pensas que tenho medo de sua justiça? A minha justiça é muito superior a sua, e em breve verás que todos aqueles que julgas inocente, são tão culpados quanto eu e você.

– Falas como se detivesse o poder de anular minhas leis. O que penso é feito, e nada que disseres poderá mudar isto. Se vives agora é por que permito, e se existe alguma lei acima da minha, é a lei que me permite fazer o que minha vontade demanda, sem remorso ou culpa. Os papéis que criastes, agora não tem poder algum, veja bem sua situação, sua vida pende entre minha lâmina e minha vontade.

Apesar de o medo começar a crescer dentro dos olhos do homem ao chão, e do sorriso finalmente brotar no rosto de Martinez, o homem mesmo que receoso e gaguejando recita:

– Logo… Logo entenderás… O significado de poder…

Não obstante à continuação do ritual que estava a proceder, o homem houvera se precavido, e neste momento, policiais que sorrateiramente se aproximavam, em uma tenaz emboscada capturam Martinez, o qual com lágrimas nos olhos e tristeza em seu peito, observa sua dama, sua musa, sua senhora caminhando lentamente para longe, até se esvair em uma tênue miragem, que as portas da viatura se encarregam de encerrar definitivamente. Martinez agora enfrentaria a justiça dos homens.

Levado à prisão, Martinez sente-se acolhido, devido à atenção desprendida para com ele, principalmente depois que ele altruisticamente conta cada um de seus atos, toda a mídia e imprensa do país volta seus olhares e atenção para ele. Sentindo-se como um Deus, que dera o melhor dos presentes para seus eleitos, ele não entende o veredicto final em seu julgamento, no qual sua quase vítima estava na primeira fila, silenciosamente aprovando ou reprovando cada ação das pessoas envolvidas, porém, para o júri popular e todos aqueles que acompanhavam o caso, a opinião era unânime. A cadeira elétrica.

Martinez não compreendia como aqueles que estavam o admirando, agora queriam que ele fosse acorrentado, amordaçado, vendado e ficasse sendo observado por alguns dentro de uma sala. “Este é o meu trono?”, ele chega a pensar. Logo, um homem começa a recitar palavras sem sentido, de lógica e razão distorcidas, repentinamente todos aplaudem, e em um clarão divino, a luz se irrompe em seu ser. Então ele vê sua senhora, com um gesto delicado, pega em sua mão, e o conduz rapidamente por um espaço, até que em meio a sensações indescritíveis, Martinez se vê caindo em um lago de fogo, queimando continuamente. Lanças o perfuram, sendo seguradas por aqueles que ele uma vez trouxe o amor. Ardendo em um rio de fogo, agora ele solta a mão de sua amada, a qual foi guia para um lugar repleto de excitação, prazer e amor. Martinez sempre ouvirá falar deste lugar, mas enfim ele agora se encontra definitivamente lá, junto com a família que criou, finalmente, o paraíso.


Categorias: Contos | Tags: , ,

8 Comments»

  • Pedro Torres says:

    Muito bom mesmo!
    adorei mesmo.
    =D

  • Estou gripado… acho que vou me recolher… não to conseguindo pensar em nada agora.. depois leio e comento.

  • Pedro Torres says:

    ah, vi um erro!
    você falou que ele foi “erradicado” nos EUA.
    você não quis dizer “Radicado” no EUA?
    =D

  • Pandion says:

    Tens razão em relação ao erro, porém eu queria que o termo erradicado tivesse um contexto de destruição pessoal, mas ele em realidade tem o sentido de eliminar uma doença, quando na verdade minha intenção foi a de sugerir a criação de uma doença.

  • Pandion says:

    Contudo, o termo felizmente se aplica ao conto, pois ele foi morto nos EUA, sendo erradicado(eliminado) lá, meu erro rendeu uma boa emenda, pois logo no começo do conto já é contado o final.

  • Eu quero erradicar a gripe que me afronta.

    Como não sou uma pessoa que acompanha as noticias, não me preocupei em estar com a gripe suina.

    E porque não é mesmo… ja estou praticamente.. curado.

    Hoje os contos voltos… ontem a falta de internet e a gripe me derrubaram cedo e não permitiram atualizações… mas chega de papo!

  • Craaaudio says:

    …e como dizem, todo vilão é o herói da sua própria história.

  • Jessica Paloma says:

    Quero desejar lhe sorte, prosperidade.E que um dia você seja reconhecido pelo belo talento que tens!!!
    Abraços…

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério