O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jun
29
2009

O Duelo

Escritor: Felipe Ferraz

o-duelo

O público ovacionava Simão a cada acelerada, a cada gesto, a cada vitória. Eu me contentava com o fato de ele ter me desafiado, pois seria de motivação tanto para mim, um mero iniciante nestas corridas clandestinas, quanto para ele, necessitando de novas motivações. A graça no esporte é que ele se renova constantemente. No futebol, jogadores cada vez mais novos integram os elencos profissionais. Os mais velhos têm que usar de sua experiência para sobressair, e ganhar as disputas com inteligência, pois na correm mais do que os garotos. Assim, ao invés de correr mais, eles correm certo, e nisso há semelhança com as corridas. Creio que a pessoa mais velha dos circuitos era justamente… o Simão. Ele deve ter mais de 35 anos, apesar de se vestir e agir como um moleque. Mas ele não corre mais, ele corre melhor. Ele usa as marchas certas, no momento certo. Ele acelera de maneira mais contida, enquanto seus adversários vivem cantando os pneus. Na linha de chegada, a diferença é brutal.

Até entendo a juventude presente no desafio. Os mais velhos ganham seu dinheiro, encontram uma boa mulher, casam-se e vão morar em cidades mais calmas. Os jovens não têm este dinheiro, e precisam de uma afirmação para justificar sua existência. Bom, filosofias à parte, perdi o duelo. Talvez não estivesse buscando uma razão para ter começado a correr se não fosse por essa derrota. O que leva alguém a gastar seu tempo, por em risco sua vida para correr? Será que é o certo a se fazer?

Como já disse anteriormente, não bebia em dias de corrida. Ou seja, não são delírios alcoólicos. Entrei pelo dinheiro e pela fama, esta menos importante, agora que a tenho. Consegui juntar um bom dinheiro, num tempo recorde. Se trabalhasse, talvez levaria anos para conseguir poupar tanto. Conheci muitas pessoas, muitas pelo apelido. Lá, as identidades são secretas. Nunca as encontrei em parques, restaurantes, onde quer que seja. Devem ser gerentes, empresários, escritores. Mas lá, são apenas apostadores e corredores. Fiquei com muitas mulheres. As mais belas que jamais sonhei em ter. No mundo lá fora, devem ser modelos, atrizes, garotas de programa. É como se fosse um mundo paralelo.

Assim que percebeu que eu ia perder a corrida, o Boné fugiu. Com o dinheiro da aposta, que não era lá uma quantia muito alta, mas sobrou para eu pagar a dívida. O pior, não tinha um centavo no bolso, então tive que dar as roupas. Com a grana das corridas, comprava roupas, tênis e acessórios em lojas caras, sem me preocupar. Assim, o Simão fez uma avaliação, supondo os preços do que eu vestia. Tênis, 500 reais. Calça, 300. Corrente, 150. Casaco, 300 (era um dos mais baratos, mas eu o adorava). Relógio, 400. Soma total: 1650 reais. Só não levou a cueca porque… bem, eu não sei o motivo. Não fiquei seminu por conta de uma bermuda surrada que havia usado num churrasco, no dia anterior. Ela cheirava a cloro e cerveja, e não sei por que havia deixado no carro. Mas aposta era aposta, nem cogitei não entregar meus pertences ao Simão. Até porque, assim, ele não pensaria em pegar algo do carro, e isso eu não iria permitir.

Foi constrangedor. Todos (e principalmente, todas) me olhavam. Alguns com cara de espanto e pena. Outros por sarro. Ninguém se aproximou e ofereceu ajuda. A fama que eu havia conquistado já havia sido jogada pelo ralo. O dinheiro não era mais importante, até porque o valor daquela aposta era irrisório, e não faria falta para mim aqueles pertences materiais. O Boné sumiu com cerca de 1600 reais a troco de nada. Com certeza ele tinha mais, de outras apostas da noite. Eu só entenderia se ele tivesse dívidas com traficantes, ou algo parecido. O Simão comemorou a vitória com champanhe e a companhia de duas loiras. A minha derrota significou uma certa antipatia por todos. Não por mim, mas pelo Boné. Ali ele não voltaria mais. Talvez fosse o momento de eu fazer o mesmo.


Categorias: Contos,Corridas de Carro | Tags: , ,

3 Comments»

  • Gosto da maneira como voce nao chega a descrever a corrida, apenas os pensamentos do corredor.. da para entender tudo o que aconteceu sem precisar ligar os carros e poluir a atmosfera =)

  • Lucas Salustiano says:

    Ótimo conto sobre a realidade dos rachas. Tem gente que tenta narrar a corrida e fica “podre” mas você se concentrou na mente do pilo. Soube conduzir a história com maestria, sem ficar uma coisa “falsa”. Parabéns cara.

  • Samila says:

    Adoro essa temática (sou uma apaixonada pela velocidade automotiva noturna)
    MAS o contos ficou muito confuso, desconexo. Num momento ele fala da vida boa, nada ele fala que tava semi nu.
    sei lá, se explicasse mais, narrasse mais, ficava melhor.
    (não, não quero que narre a corrida, mas talvez descreva melhor como se deu o acordo, a aposta, o pagamento, essas coisas)

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério