O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jul
06
2009

100

Escritor: Caioccino

100

Não sabia onde estava e nem como tinha parado naquele lugar. Parecia que tinha acabado de acordar, sabe-se lá e de um sono profundo ou de uma noitada de sexo, drogas e heavy metal. Essas 3, 4 palavras eram as únicas coisas que tinha na cabeça. Três palavras (uma composta) e uma fome canina.

A barriga doía, a boca estava tão seca que os lábios grudavam um no outro.

Precisava de um sanduíche e uma Coca, viu uma lanchonete do outro lado da rua. Levantou do banco em que estava sentado e enquanto esperava os carros pararem no sinal vermelho, passou a mão automaticamente nos bolsos de trás da calça. Achou uma carteira, abriu rápido, sem saber se procurava dinheiro ou documentos.

Achou uma nota de 100, nova. Não achou carteira de identidade ou algo que o ajudasse a lembrar do próprio nome, mas pelo menos não morreria de fome.

Pediu, pagou, troco na carteira, comeu, bebeu.

Saiu andando, para ver se reconhecia a cidade, se lembrava de onde morava. Entrou numa loja de conveniência, precisava de chocolate e cigarros. Abriu a carteira, achou uma nota de 100, nova. O troco da lanchonete tinha sumido. Achou estranho, mas não o suficiente para deixar de comprar o que queria. Aproveitou inclusive para comprar mais um de cada.

Guardou o troco da carteira de novo.

Resolveu fazer um teste. Passou num bar, pediu uma cerveja, tomou, pediu a conta. Abriu a carteira, mais uma nota de 100. Pagou, pegou o troco, dessa vez enfiou as notas no bolso.

Abriu a carteira, vazia. Colocou o troco de volta, com o dinheiro organizado por valor. Abriu a carteira de novo: 100.

Decidiu abusar.


Categorias: Contos | Tags: , ,

14 Comments»

  • Esta ai, primeiro conto do Caio…ccino =)
    Será que vai escrever mais ou vai ficar apenas neste?

    Desculpa ai Caio pela demora, mas semana passa meu notebook explodiu e fiquei meio perdido.

    Gostei do conto, breve e tem uma história diferente. Adoraria ter um nota de cem dessas.

    Se o conto tem alguma mensagem subliminar… não repara, que eu nunca entendo essas mensagens… =/

    Mas, bem legal! 😀

  • Laka says:

    Vou tentar a tática hehe.

  • Vitor Vitali says:

    Gostei da idéia e do jeito simples de escrever, espero a continuação. *-*

  • Legal né, também gostei da simplicidade. Caio você escreve bem. =)

  • Caioccino says:

    Gente, obrigado pelos comentários, é a primeira vez que publico n’O Nerd e já gostei.
    Não tinha pensado em continuação, a intenção era deixar no ar mesmo como o personagem iria “abusar”.
    Aceito sugestões!

    PS. Sigam @caioccino e leiam outras coisas minhas no http://caioccino.wordpress.com/

  • Olha o Caio fazendo um jabazão! =D
    – Bom sobre continuação, eu diria que essa é uma história meio dark, afinal dinheiro fácil desse jeito nunca é coisa boa. Deve ter alguma maldição por trás desta história. =o

  • Vitor Vitali says:

    O cara acordou sem memória… Talvez tenha sido estuprado por um Leprechaun. =O

  • Leprechaun HAHAHAHA… boa.

  • Caioccino says:

    Bom, aí o começo seria diferente: Não sabia onde estava e nem como tinha parado naquele lugar. E ainda por cima sentia uma dor estranha em uma parte do corpo ainda mais estranha…

  • – Hehehe… a idéia do estupro do Leprechaun não é muito boa, mas é engraçada. =)
    – Mas e o dinheiro ser amaldiçoado? Dinheiro fácil é sempre dúbio.

  • JonesVG says:

    Boa historia, só achei que ficou no ar demais, sei lá, o plot é muito bom, mas ficou muita coisa no ar, tipo o que aconteceu a seguir?, quem era o cara?, ele conseguiu descobrir quem era? entre outras questões, isso é que nos faz querer mais respostas, ou seja cade a continuação hauhauhauahahuahuauahuha Muito bom mesmo cara, brincadeiras a parte.

  • Vonta de ler o “resto” que não existe. Mas também gosto dessa coisa assim no meio.

  • Samila says:

    eu adorei!
    bem diferente, plot inovador, simples, e que te deixa morrendo de inveja do personagem XD

  • Gabriel Mont'Serrat says:

    Gostei muito do texto, simples, criativo e bem escrito.
    A única coisa que achei estranho, é que no ínicio fica meio confuso se o texto é em 3 ou 1 pessoa, tive que ler o 1 parágrafo duas vezes para entender.

    O engraçado é que o cara nem sabe quem é, mas sabe que existe Coca-Cola… AKJSAKOSKÇASKÇOAS

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério