O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jul
23
2009

Amor(to)

Escritor: Andrei Valentim

amorto

Eu já tive um amor, um grande amor, mas hoje ele está morto. Hoje em dia caminho pela casa procurando algo que me console, em vão. Meu peito ainda dói. Olho nossas fotos, lembro-me dos momentos felizes que tivemos, tão breves, porém tão intensos. Assim, como um amor de verão, ele veio tempestuoso, fugaz , destrutivo e deixando marcas profundas dentro de mim.

Lembro-me de um dia antes de ele partir, quando eu segurei suas mãos e perguntei olhando no fundo dos seus olhos se ele nunca me deixaria e ele prometeu que não. Ele mentiu, morreu assassinado alguns dias depois.

Sua morte não foi tão dolorosa para mim quanto no dia em que Davi voltou do médico desanimado com exames nas mãos, mostrando que tinha uma doença grave e que era previsto poucos meses de vida. Oh, antes ele morresse disso… Então, poderíamos ter mais algum tempo juntos…

Eu sei, pode parecer loucura, ou algo mal-intencionado, mas tudo o que eu queria era apenas poder ainda estar ao seu lado. Nós tínhamos tantos planos, iríamos casar. Iríamos ter uma vida juntos, com tudo o que teríamos direito.

Não! Está tocando no rádio agora a música que ele mais gostava… Asleep, do The smiths… Ele cantava estes versos para mim: “Cante para eu dormir, cante para eu dormir, e depois me deixe sozinho. De manhã eu já terei ido embora…” Creio que ele já previa o que viria a acontecer, estava me avisando, mas eu não escutei. A melodia agora me arrefece.

Mesmo com isso tudo, eu sei que, quando ele chorou, eu dei meu ombro e quando ele precisou de mim, eu estava lá. Fiz o que pude para vê-lo feliz. Troquei meus dias por ele, planejei meu futuro para ficar junto dele…E agora, ele não está mais aqui…

Depois de ficarmos três dias juntos , andando pela cidade e comemorando também a passagem de ano ( na qual eu pedi para que aquele beijo que ele me dera, fosse eterno ), fui para casa. No entanto, eu não conseguia mais ficar longe, meu corpo chamava o dele.

Assim que cheguei em meu quarto, corri para o telefone para ouvir sua voz, mas o telefone não dava sinal algum. Assim, passou-se uma semana sem contato. Eu já estava entrando em desespero, alguma coisa tinha acontecido!

Uma semana depois, resolvi tentar uma última vez a ligação e ele atendeu. Ele estava com uma voz ruborizada e falava baixo. Disse que tinha duas coisas para me contar que tinham acontecido: uma delas tinha sido um erro no exame médico, avisado no primeiro dia de janeiro, em uma ligação do seu médico; e a segunda, que ele havia reencontrado uma pessoa do seu passado e que eles tinham voltado a ficar juntos.

Foi então que eu o matei. Matei-o tão cruelmente que nenhum pedaço dele sobrou vivo. E é por isso que hoje ele é o meu amor morto: invariavelmente continuo o amando mesmo sabendo que nunca mais o terei.

Pena que só fiz isso aqui dentro do meu peito.


Categorias: Contos | Tags: , ,

16 Comments»

  • Bom… um conto para provar que independente da opção sexual, essa parada de coração partido esta sempre ai.
    – Vai aqui um momento recadinho amoroso – LAIZE, eu te amo S2 !! 😀

  • Vitor Vitali says:

    Vou dizer que eu acho contos de amor um saco mesmo estando apaixonado, mas esse final foi muito legal, adorei, escreva mais.

  • Andrei says:

    Que figura emo=/

  • Aaa.. mas não tem nem franjinha para ser emo!!
    – E cara, coração partido, amor despedaçado é tudo emotivo mesmo. Pode até achar que não seja. Que na verdade é a raiva que domina, mas não é…
    – E fala sério.. o bonequinho ali é legal pra caramba. To bonitinho, bem desenhado. =)

  • Hehehe gostei, só fica uma intriga… Como é feito em primeira pessoa e não cita nenhuma vez se o personagem é mulher… eu encarei a história como um amor gay.. hahahaha

  • Laize, eu acho que é para ser mesmo isso ai… hehehe. Canelada!

  • Felipe Ferraz says:

    cara, achei legal para caramba

  • Andrei says:

    Laize, eu não coloquei em terceira pessoa justamente para ficar essa neutralidade. Mas, a maioria de vocês está ligando o conto ao meu nome. hahahahaa. Não é?

  • Ah imagina… até parece que estaríamos imaginando que fosse você na história rsrs… nada contra tbm =P

  • Aaa mas foi na hora Andrei. Não te conheço mas te vi ali no conto. 😀

  • Andrei says:

    hahahahaah. tá bom, tá bom. rss

  • Asami says:

    Ah! Que conto legal… um enredo tão bonito e simples e que no fim nos surpreende não uma, mas duas vezes. Duplamente legal 😀

  • Franz Lima says:

    Muito bom conto. O final me pegou de surpresa, mas não consegui ver este lado “gay” do texto.
    De qualquer forma, parabéns pelo ótimo conto. As palavras ficaram muito bem arranjadas.
    🙂

  • Rainier Morilla says:

    Gostei muito. Também fui surpreendido duas vezes.
    Entretanto não vi nada de homossexual. Não me coloquei no lugar do personagem em momento algum! (_8(|)

  • Thainá Gomes says:

    A eu fiqei surpresa por duas vezes!Nossa muito bom!Eu não sei se rio ou se choro.E tbm aproveitando o momento love eu queria dar um recadinho “humanidade eu e amo mesmo vc me decepcionando por muitas vezes”.tá eu não resisti.bj

  • Lucas M. de Freitas says:

    Comecei a ler achando que seria um saco, mas me surpreendeu. Muito bom, parabéns.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério