O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Aug
11
2009

A Semana Dele

Escritor: Eduardo Lima de Paula

a-semana-dele

A semana começava com um dia nublado, meio frio e além do mais, ele estava só. Seus compromissos profissionais o obrigavam a se levantar da cama, quando a coisa que mais desejava era permanecer ali deitado, o dia todo.

Tomou um café-da-manhã pobre, que condizia com toda a situação em contexto.

Já pronto para sair, dirigiu-se ao hall do seu andar. Na porta do elevador, outro rapaz, seu vizinho, também aguardava sua chegada. Ambos se olharam frustrados, por terem que dividir o elevador, quando desejavam estarem sós.

Pega seu carro e dirige em direção ao trabalho. Pessoas aguardavam no ponto de ônibus, algumas também iriam para o mesmo local, mas ele nem notou, descumprindo mais uma vez, a promessa que havia feito a si mesmo, enquanto ex-passageiro de ônibus, de sempre dar carona para conhecidos.

Ultrapassa alguns carros mais lentos, o que lhe dava uma sensação leve de satisfação, logo perdida quando não pode ultrapassar dois carros lentos que andavam paralelos, despreocupados.

No trabalho, se preocupou em terminar aquilo que lhe era esperado, dentro do prazo estipulado. Como servidor público que era, sabia que a eficiência seria premiada com uma maior quantidade de encargos. Fizera muito bem ao decidir manter-se despercebido.

Final de expediente, já era a hora do jantar. Vai até uma lanchonete no centro. Novamente sozinho, pede um lanche médio, que acabaria com sua fome média e custaria o preço normal de uma refeição.

Enquanto ele se aborrece pelos oito minutos de demora da chegada do lanche, na calçada, uma mãe pede esmolas com uma criança no colo e acompanhada de outra, de uns cinco anos, que olha fixamente, e apesar da fome latente, se limita a imaginar que gosto teria a Coca-Cola tomada por ele.

O lanche já se acabara e agora se limitava a beber, forçadamente, metade da garrafa de 600 mL que havia sobrado. Cinco minutos depois, sai, sem notar nada, nem ninguém.

Em casa, pragueja contra o provedor de internet, que, pela quinta vez no mês, falhava e o deixava sem acesso ao mundo exterior. Ainda existia a televisão, mas os três principais canais disputavam a audiência através de novelas fúteis, que propunham a discutir temas polêmicos em um segundo plano, para se limitar a problemas amorosos imaginários de um casal que, na vida real, nunca daria certo.

Mesmo na ficção, somente nas cabeças deturpadas e sombrias dos novelistas é que certas coisas acontecem.

Neste momento, ele se lembra da existência de pessoas que acreditavam serem reais os fatos ocorridos nas novelas. Por um momento, teve pena daquelas pobres pessoas, para logo em seguida, se sentir um ser superior, distante de uma realidade tão superficial. Logo ele, que ainda acreditava em política e democracia.

Os demais dias úteis daquela semana foram cópias, vezes mais, vezes menos, perfeitas daquela segunda-feira.

O sábado foi marcado por um dia inteiro só, em seu apartamento, sem nenhum grande feito.

No domingo, foi à missa e ouviu um sermão que convidava todos a olhar os menos favorecidos e a repartir algo com eles, nem que fosse apenas um sorriso ou uma palavra amiga.

O sermão o comoveu profundamente, tanto que prometeu, um dia desses, encontrar uma pessoa necessitada, pelas ruas e dar-lhe um marmitex para comer. Claro que seria um dos mais baratos, afinal, não queria ser um incentivador da mendicância, “Não dê esmolas, dê futuro!”.

Após mais um domingo, diante da televisão, foi dormir tranqüilo depois de ver o Cansástico. Pronto para recomeçar uma nova semana, com força total… ou não.


Categorias: Contos |

5 Comments»

  • Mais um conto e mais um escritor no ONE =)
    – Eduardo, seu conto éééé.. chato. Pois fala da vida chata de uma pessoal normal. Hehehehe, estou brincando. Sei que é uma crítica.
    – Seja bem vindo ao Nerd Escritor. =)
    – SSDD

  • Fernanda says:

    Legal!
    Terminar com “ou não” rulez.
    o/ Escreva mais, vou ficar esperando!

  • Cade o autor que não aparecer para dar oi! =)

  • Eduardo says:

    Amigo Gunslinger, e demais leitores do blog!

    Obrigado pela oportunidade de expor este conto e espero que tenham gostado!

    Quem quiser ler um pouco mais do que escrevo, podem visitar meu blog pessoal também.

    Desculpem a demora para aparecer por aqui, estive alguns dias ‘away’ da internet…

    Um abração a todos!

  • Olha só.. apareceu. 🙂
    – Seus contos sempre serão bem vindos por aqui. E galera, acessem o blog do Eduardo. Depois eu apareço por la… agora tenho que continuar com os comentários por ai. =)

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério