O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Aug
25
2009

Criaturas da Noite – Parte 2

Escritor: Jones Viana Gonçalves

criaturas-da-noite

De volta ao departamento Fábio fazia as investigações apropriadas no material coletado na cena do crime. O rapaz morto era João, amigo de Fernando e não foi ele quem ligou para o investigador naquela noite. O detetive também juntou evidencias coletadas pela policia no caso de Fernando. Sabia que os crimes estavam ligados e que alguém ligado aos dois havia invocado alguma coisa, agora precisava apenas quem e o que. Para tanto analisava cuidadosamente tudo o que coletara na casa de João.

Eram quase dez horas da manhã quando Fábio saiu do laboratório, todos os funcionários diurnos do D.E.I.S. já haviam chegado e o primeiro a falar com o investigador fora o capitão Marco.

– E então Fábio, já tem algo pra mim?

– Sim senhor. – Respondeu o detetive com um ar cansado.

– Desembucha então garoto.

– Os testes que fiz e os estudos do Doutor Jorge em demonologia nos levam a crer que é um demônio do tipo carniceiro quem cometeu estes crimes.

– Pare de falar cheio de nós garoto e responde direito a pergunta!

– Certo, certo capitão. Tudo indica que seja um carniceiro.

– Ta essa parte eu já entendi, o que mais?

– Nada senhor. Tive de fazer pesquisas e testes sobre o material encontrado e comparar com os diversos tipos de demônios conhecidos e ainda consultar o doutor pra ter certeza.

– Isso só nos diz como enfrentar a coisa rapaz. Precisamos descobrir quem é que traz a coisa pra cá.

– Por isso senhor é que estou de saída. Vou agora pro serviço de campo.

– Certo, mas precisamos de respostas urgentemente Fábio e se estamos lidando com um carniceiro mesmo ele ainda pode estar no corpo do invocador.

– Sim eu sei senhor.

– Leva o Cassiano e o Guilherme contigo.

Fábio apenas fez um gesto afirmativo para Marco e saiu. O garoto era novato e inexperiente, com certeza aquela ajuda seria muito bem vinda. Durante todo aquele dia interrogou pessoas ligadas as duas vitimas até chegar em um nome, porem já estava tarde e os três exaustos demais para continuar, aquilo teria de esperar pelo próximo dia.

XXX

Marlon …… Aquele nome repetia na mente do investigador enquanto tentava dormir. Ele rolava na cama de um lado para o outro e por mais cansado que estivesse não conseguia pregar os olhos. Repentinamente uma luz brilhou no escuro do quarto. O display do celular em um tom avermelhado acendeu e iluminou uma boa parte do recinto.

– “Recaling, Retreating. Returning, Retreaving. A small talk……”- Neste momento Fábio atendeu, havia colocado a música Rebirth do grupo Angra como toque do celular.

– Hoje será você! – A voz já conhecida do rapaz despertou ainda mais o detetive. – Teria sido melhor deixar tudo como estava Fábio.

Repentinamente o nome se juntou a voz e ele formou um rosto conhecido. O agente morou muito tempo na Bom Sucesso, praticamente passara toda a infância lá. Lembrou-se dos tempos de escola, lembrou-se de Fernando e de João,, não eram amigos seus, mas estudavam no Tuiuti também junto a ele e Marlon. Sim Fábio lembrou de Marlon, aquele rapaz esmilingüido que trazia todos os clichês dos nerds. Óculos, falta de tato social, feio pra caramba e sem muito auto-estima. Já João e Fernando traziam os clichês dos esportistas. Burros, bem apessoados e com bastante confiança. Lembrou-se de um dia presenciar os maus tratos que os dois faziam contra o nerdizinho, lembrou-se de ter rido junto a tantos outros quando os dois apagaram o quadro negro da sala de aula com o corpo do rapazinho. Coisa digna de pena que o fez rir naquela época. Agora parecia que Marlon tinha dado um jeito de vingar-se de todos que o maltrataram no passado e o nome de Fábio estava na lista.

XXX

Com muito esforço Fábio conseguiu ligar para o departamento, o plantão esta noite era feito pelo capitão.

– Chefe preciso de ajuda. – Disse ele com a voz embargada.

– O que aconteceu Fábio?

– Ele está aqui na minha casa. – Fábio fez uma pausa. – Eu estou fraco capitão, ,tem muito sangue aqui.

– Calma garoto, agüenta firme nós estamos indo!

O rosto de Marco estava branco, pegou um fuzil e um colete atirou dentro do carro e partiu para o centro. Enquanto dirigia chamou Cassiano e Guilherme, mesmo sabendo que nenhum dos dois chegaria antes dele.

XXX

Fábio não conseguiu dormir, estava alarmado. Levantou-se da cama e procurou pelo .38, sabia que logo, logo teria visitas. Só não esperava que a visita já estivesse ali. Quando saiu de seu quarto foi surpreendido pelo par de olhos vermelhos e o rosto conhecido do nerd. O detetive não teve tempo de defender-se. A lâmina afiada do facão caiu sobre ele com força e velocidade espantosas. Fábio fez apenas um movimento para traz antes de gritar pela dor imposta por seu agressor. O sangue jorrava do braço decepado, com muito custo o investigador jogou-se para dentro do quarto e fez a porta fechar-se. Os estouros da arma batendo contra a porta e as lascas de madeira sendo arrancadas a cada pancada. Fábio antes de apagar fez uma ultima ligação.

XXX

Marco entrou arrombando a porta da frente da casa de Fábio, ele teria de ser rápido. Algo aconteceu e não podia dar-se o luxo de esperar pelos reforços. Cobriu a área rapidamente inspecionando cada ponto até que ouviu a risada vinda de mais a frente e o tilintar de algo metálico batendo contra a madeira. Com cautela avançou até o corredor que dava acesso aos quartos e lá viu o homem franzino bater violentamente com um facão contra uma das portas, cada batida era um pedaço da porta que voava alargando cada vez mais o rombo já existente.

O capitão disparou duas vezes contra a coisa a sua frente, as balas vararam o corpo do bicho e a porta, mas aquilo pareceu não ter efeito. Marlon virou-se, seus olhos vermelhos e o sorriso maligno em seu rosto mostravam a Marco que a porta deixara de ser seu alvo. Mais cinco disparos e Marlon não parou, nem o soco dos projeteis o fizeram recuar. Calmamente ele andou com o facão erguido.

– Este corpo não pode ser ferido por suas balas mortal ignorante. – Dizia entre dentes enquanto avançava.

Marco voltou a disparar e recuar lavando o demônio e seu possuído para fora da casa. Neste momento Guilherme chegava e pode ver o franzino ser erguer o carro do capitão com as duas mãos enquanto Marco corria para longe da coisa. Um demônio fora o que Fábio teria dito a Guilherme então a melhor arma ele trouxera, água benta. O soldado pegou a pistola e três frascos com água antes de sair do próprio carro. Um dos frascos ele arremessou na direção de Marlon que ao sentir a água sobre o corpo berrou de dor. Os olhos de um brilho intenso vermelho quase se apagaram, os músculos dos braços fraquejaram, mas logo tudo voltou, o brilho, a força. Guilherme sabia que aquilo não seria o suficiente então jogou os outros dois. O arremesso preciso fez o demônio berrar novamente e então desta vez os braços cederam e o carro caiu sobre o rapaz.

– Guilherme, o Fábio ta lá dentro! – Gritou o capitão que voltava a se aproximar do carro.

– Certo capitão! – Respondeu o soldado enquanto entrava na casa do detetive.

Debaixo do carro Marlon ainda esperneava, os olhos vermelhos voltaram com toda a força, mas os membros não respondiam mais aos comandos, certos graus de ferimentos nem mesmo os demônios podem regenerar.

– Vocês estão mortos criaturinhas. – Falava o demônio através dos lábios do garoto alquebrado. O mestre está aqui, ele vai fazer vocês pagarem!

Marco apenas escutava aquelas palavras, ele sabia que o demônio falava sobre o diabo que fora trazido para o mundo dos vivos.

– Os Fahir estão com o mestre. – Continuou ele. – Eles vão dar um jeito em vocês mortais.

Neste momento os olhos voltaram a cor natural, o rapaz não soube o que acontecera, apenas com um olhar assustado deu seu ultimo suspiro. As ambulâncias do SAMU já chegavam com suas sirenes ligadas e a toda a velocidade.

14 Comments»

  • !!!!!

    – E a continuação??

    o.o

    – O próximo conto continua a história? O que vai acontecer agora?

    “Diablo Walks the Earth”

  • Felipe Ferraz says:

    Nossa, show de bola o conto. Muito bom Jones 😀

    Só para constar, o Fábio do Jones não é o mesmo Fabio do DEIS de São Paulo hein, hehehhee. Seria interessante eu colocar o sobrenome do meu personagem, para diferenciar?

  • Acho que não precisa… ficar chamando por dois nomes vai parecer novela mexicana =)

  • JonesVG says:

    Ei Felipe nem precisa, o Fabio ai acho que vai pra gaveta, esta bem mal de vida sem um braço, se não ficar atrás da mesa quando se recuperar. Ei Guns espera, fiz uma continuação da história, mas tipo ainda tenho de digitar e o tempo tá escasso he he he he.

  • Eu tenho mais um D.E.I.S. seu.. não lembro o nome agora, esta no note. Seria continuação?

  • JonesVG says:

    Não este que você tem ai é apenas um Spin-off que trás um novo personagem, tenho outros dois destes, um diretamente ligado a trama aqui, mas sem envolver diretamente o D.E.I.S. e outro que traz mais um investigador pro grupo fazendo uma interação entre D.E.I.S. e outra história de vampiros.

  • Gostei do conto
    quero saber o que vai acontecer
    espero contuniação
    Do jeito que vai indo o D.E.I.S vai virar um livro
    eu compraria

  • JonesVG says:

    Obrigado Raynara, não é uma má ideia, reunir histórias aleatórias do D.E.I.S. junto como essa parte mais linear. he he hehe A cabeça já foi pras nuvens.

  • Felipe Ferraz says:

    Teria que registrar os textos. Ou será que a publicação aqui no blog já vale como registro??

  • JonesVG says:

    Cara nem sei, mas tipo o que pensei foi cada celula do D.E.I.S. montar uma antologia própria tipo Sampa separado do RS e de Brasilia.

  • Vinicius Machado says:

    Po, cade a continuação xD?

  • Jones says:

    Continuação??

  • Vinicius Machado says:

    acabo!! u.u

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério