O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Aug
21
2009

O Caso Cantareira

Escritor: Felipe Ferraz

o-caso-cantareira

– Para onde vamos agora? – Fabio insistia em tentar tirar seus colegas do sério.

Hans sequer se importou com o comentário do colega. Estava aprendendo aos poucos a ignorar as idiotices que Fabio pronunciava, ora para descontrair o ambiente, ora para extravasar sua agonia. O ex-delegado anti-sequestro, mesmo trabalhando no D.E.I.S., que investiga acontecimentos fora do comum, era incrédulo quando o assunto era paranormal. Na primeira missão, quando confrontaram um lobisomem em um condomínio de luxo, havia passado boa parte do confronto com a criatura desacordado, cabendo a seus colegas resolver a situação.

Raquel estava em silêncio. Após dois dias de folga para entender o caso anterior, sentia-se mais preparada para os desafios que, tinha certeza, viriam em seu novo cargo. Já aceitava o fato que sua vida talvez sofresse mais riscos do que antes, quando era “apenas” uma policial civil. Hans a havia orientado para não duvidar mais, não pensar no impossível, e nem de buscar o porquê dos acontecimentos – eles aparecem e ponto. O objetivo do grupo não seria limitar ou censurar o que não é de conhecimento da população, e sim evitar que machuquem as pessoas. Desta forma, somente chegaram ao caso do lobisomem pelas vítimas, e não pela sua causa.

Já Fabio ainda não se sentia à vontade naquela situação. Contava os casos que havia resolvido em seus detalhes, para ganhar confiança, mas só importunava seus colegas. Tanto que Hans decidiu antecipar a apresentação do caso, mesmo ainda estando no carro em movimento.

– Estamos indo para Guarulhos. Há relatos de que um objeto caiu em uma das casas ao pé da Serra da Cantareira. Nós vamos investigar isso.

– Cantareira, não foi lá que os Mamonas Assassinas morreram? Talvez os fantasmas deles estejam assustando os moradores de la…

Com um grito, Raquel pos fim à piada. Ao pararem em um posto na estrada, Hans teve uma conversa a sós com Fabio.

– Você não é obrigado a estar aqui. Pouco ajuda nas investigações, faz comentários fora de hora. Se não quer nos auxiliar, não nos atrapalhe, shit.

Fabio ficou em silêncio ouvindo o sermão do irlandês. No fundo, acreditava que seus colegas não podiam ser levados a sério, que as coisas que estavam investigando não existiam. Devia ser algum teste do Governador para um novo cargo, afinal, sua atuação na divisão anti-sequestro o credenciava a uma promoção.

– Neste caso, não atrapalharei. Vou pegar um táxi. Estarei na base, caso precise.

XXX

Hans e Raquel chegaram à casa para fotos e questionário com os donos. Foram recepcionados pelo casal dono da propriedade, que se parecia com uma chácara, de estrutura simples. A casa era pequena, com dois quartos, um banheiro, sala e cozinha. O quintal era muito grande, tinha um pomar, uma horta e um casebre, onde o dono alegou guardar ferramentas para agricultura. Hans insistiu para verificar o local, mas foi impedido com certa rispidez. Desta forma, concluíram o trabalho naquele local, e deixaram a chácara, sob olhares pouco amigáveis.

Já no carro, Hans percebeu ser seguido por um outro carro, mas ficou em silêncio para não deixar Raquel em alerta. Ela havia reclamado de uma dor de cabeça muito forte enquanto estavam na chácara, especialmente quando foram perto do casebre misterioso, por isso estava em silêncio e com os olhos fechados.

Quando o carro que seguia os agentes deu sinal, Hans encostou em uma calçada. O outro parou bem atrás, de onde desceu um homem de terno e gravata.

– Bom dia, vocês são da polícia? – o homem perguntou.

– Sim, o que deseja?

– Sou filho do casal que vocês acabaram de visitar. Gostaria de conversar um pouco.

Por conta da simpatia do rapaz, fazendo um contraponto à rispidez dos donos da chácara, Hans aceitou conversar alguns minutos. O papo foi produtivo, o engravatado revelou que viu uma luz descer na propriedade do casal quando estava nas redondezas e, desde então, eles mudaram radicalmente de comportamento. Eram alegres e solícitos, e se tornaram frios e grosseiros. Os vizinhos cortaram os contatos, a família não os visitava mais. Por fim, o garoto se mostrou à disposição para futuras conversas, queria ver o caso solucionado.

Hans queria voltar imediatamente à chácara, para ver exatamente o que estava acontecendo. Vasculharia cada canto, entrevistaria os donos com mais profundidade e invadiria o casebre, se necessário. Mas Raquel não quis, alegando estar com a dor de cabeça em um estágio insuportável. Desta forma, ela talvez atrapalhasse a investigação e não auxiliaria em um possível confronto físico. O estrangeiro concordou, e foram a um hotel na região central da cidade.

Após chegar ao quarto, Hans deixou um recado no celular de Fabio. Dizia para o agente ficar atento a uma possível emergência, e que talvez precisasse de ajuda. O ex-delegado riu quando ouviu a mensagem.

XXX

No dia seguinte, Raquel estava completamente curada da dor de cabeça. Hans fez questão que a moça tivesse alimentação e descanso adequados, pois voltariam naquele dia mesmo para a chácara. Alertou-a também sobre o aviso que deixou no celular do Fabio, para que ela entrasse em contato com o colega caso necessário. Feito isso, carregaram suas respectivas armas, e rumaram ao pé da serra.

Ao se aproximarem do local, Raquel já sentia sua cabeça latejar novamente, mas preferiu esconder isto de seu companheiro. Hans estava concentrado em desvendar aquele mistério, desmascarar o casal e dar um parecer a seus superiores sobre as atividades do D.E.I.S. de São Paulo naquela região.

Os dois agentes foram recebidos com gritos e ameaças do casal de idosos. Sem se importar, Hans andou em direção ao casebre, mas foi empurrado pelo dono da propriedade. Neste momento, Raquel sacou a arma e deu voz de prisão a ambos que, desolados, se ajoelharam a começaram a chorar, implorando para que a porte não fosse aberta. Hans, já de pé, limpou sua camisa com alguns tapas e abriu a porta de madeira do local misterioso. Ao abrir, Raquel caiu com as mãos na cabeça, gritando de dor.

Sem se importar com a colega, Hans ficou paralisado com o que viu. Uma fuselagem de cor prateada, um tanto amassada, em forma de disco. Ao fundo da barraca, uma cama de hospital, com um lençol cobrindo uma figura que, ao olhar rápido, parece de uma criança. Aproveitando a distração do irlandês, o casal de idosos atacou-o, mas levaram desvantagem no confronto. Novamente em pé, Hans correu para a maca, e tirou o lençol. Viu a figura de uma menina ruiva, com algumas sardas no nariz, de olhos fechados, como se dormisse tranquilamente.

– Não pode ser – Hans levou as mãos ao rosto. É a minha filha!

O investigador afastou-se a passos lentos, incrédulo com a situação. Raquel, mesmo ainda com muita dor, começava a levantar. Viu o casal de idosos desmaiado no chão e olhou ao redor, além de seu superior chorando muito. Sua cabeça parou de doer repentinamente, quando ouviu um grito de um homem. Era o filho do casal, que se aproximava com as mãos na cabeça, da mesma forma que ela estava há dois segundos. Mas os gritos se acalmaram, o que viu foi um olhar estranho vindo do rapaz.

– Hans, cuidado!

Mesmo com o alerta de Raquel, o irlandês não conseguiu desviar do ataque do filho do casal. Derrubado, levou alguns socos até que seu agressor fosse imobilizado por Raquel, que o tirou de cima de seu colega, e iniciou uma troca de socos. Hans só teve tempo de pegar seu celular e ligar para Fabio. Após uma chamada, foi a vez de o experiente agente ser domado por uma dor forte em seu cérebro. Neste mesmo momento, o rapaz que lutava com Raquel ficou imóvel, de repente, o que permitiu a ela derrubá-lo.

Agora Hans chorava de dor na cabeça e pela imagem da filha. Estava praticamente fora de combate, agachado e com as mãos na cabeça. Restava a Raquel enfrentar a criatura. Ela não havia entendido como o estrangeiro vira sua filha na cama, pois o que via era uma figura marrom, com olhos vermelhos, sem pelos, e totalmente imóvel. A agente sacou a arma e apontou para o ser estranho. “Deixe Hans em paz”. Nada aconteceu, o irlandês continuava a gritar de dor. “Deixe ele agora!” e disparou. O tiro pegou de raspão na criatura, que soltou um grito em um tom jamais ouvido por ela. No mesmo instante, a fuselagem ao lado da criatura teve suas luzes acesas, e novamente um barulho estranho, de baixo volume, mas de incômodo enorme, pôde ser ouvido. Isso fez com que Raquel tivesse forças apenas para tirar Hans da barraca, e cair com as mãos nos ouvidos.

A nave, já com a criatura em seu interior, saiu da barraca e começou a ganhar altitude. Mas apagou as luzes, ficando totalmente invisível, quando sirenes começaram a ser ouvidas. Como um vulto silencioso, sumiu dos arredores da chácara. As sirenes eram dos carros da polícia de Guarulhos, acompanhada por Fabio.

– Ora, ora, o que temos aqui? Parece que o gringo andou se desentendendo com o pessoal mais velho.

No caminho de volta a São Paulo, Raquel perguntava a todo instante o que havia acontecido. Hans limitou-se a dizer que era uma “criatura com poderes psíquicos incríveis”. Como Fabio estava com o MP3 no ouvido, não participou da conversa. Mas ficou a viagem inteira se vangloriando por ter salvo o dia.


Categorias: Contos,D.E.I.S. | Tags: , ,

21 Comments»

  • Gostei bastante do conto, meio MIB. 😀
    – Deixa eu criar o pdf aqui.
    – Aaa e quem acertar da onde tirei aquele OVNI la em cima da imagem.. ganha uma mariola. =)

  • molusco says:

    I Want to Believe? ganhei? ganhei?

  • Hehehe.. ganhou!! =D

  • jonesvg says:

    Mariola neles hauhauhauhauhauhauha, vou ler agora o conto.

  • molusco says:

    Juro que só pesquisei pra mostrar pra isa que eu tinha ganho 😛

  • Ela não sabia que era do poster I Want to Believe? Tsc tsc tsc…
    🙂

  • jonesvg says:

    He he he he No inicio pensei em MIB depois em Superman e ai no fim vi que não se parecia com nenhum, Muito bom Felipe, ficou ótimo o conto, o D.E.I.S. deu um passo a frente e saiu do ambito de apenas seres sobrenaturais para investigações de coisas do outro mundo hauhauhauahuhaha muito bom mesmo. Abraços pessoal devo voltar pra aula de antropo e ÉTICA!!

  • Hehehe, o cara lê O Nerd Escritor entre os intervalos da aula!! Que legal. =)

    – Quando alguém matar aula para acessar o ONE… ai vou ficar orgulhoso. hehehe…

  • Isa says:

    Poxa, claro que eu sabia! ahhahaahah Eu sou a pessoa que chorou no último (e cretino) episódio de arquivo X! hahaah Ele veio me mostrar a postagem (que não tinha visto) e confirmar o palpite. Mas tava fácil! 😛

  • Olha só, arrumei as imagens dos avatares!
    – Estão bonitinhas, não mais todas distorcidas! =)

  • Gostei da proposta do conto e da trama em si. Só acho que uma revisão ajudaria a tornar o texto melhor. Abraço!

  • Olha, algumas pessoas ja me falaram de revisão dos textos, mas eu não tenho o “know how” para fazer isso ainda. Quem sabe em breve, ou vai que entra um revisor aqui no blog e resolve colaborar. =)
    – Até la, entendam… somos amadores! =)

  • Felipe Ferraz says:

    Bom dia a todos. Nossa, fiquei surpreso com a boa receptividade do conto, hehehe. Só estou comentando hoje porque em casa a internet é meio concorrida, e aqui no trablho eu tenho um pc só para mim 😀

  • JonesVG says:

    Somos dois a termos este problema Felipe huahuahuahuahuah em casa tenho de dividir a rede com mulher e filho aqui no trampo não tenho este problema he he he he

  • Eu tinha este problema.. até resolver me endividar e adquirir duas grandes invenções da humanidade… o notebook e a internet wireless!! Meu problemas acabaram. Agora eu edito o blog deitado na cama. 😀

  • JonesVG says:

    Bom se não estivesse endividado até o pescoço com construção iria fazer o mesmo he he he he

  • Felipe Ferraz says:

    Qual parte está precisando de revisão? pergunto pois estou com preguiça de reler, hehehhehe.

  • Òtimo. O gênero fantástico se renova e ganha novo alento pelaspublicações de excelente qualidade q se vê na net

  • Opa! Elogios ao escritores… vou considerar que é ao blog como um todo. … .. obrigado =)

  • anonimo says:

    minha´piscina esta cheio de historias e vcs precisam saber disso

  • Vitor Vitali says:

    Medo desse anônimo, mas o conto foi maneiro 🙂

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério