O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Sep
25
2009

Olive: Siga a Borboleta – Parte 1

Escritora: Wanessa Maciel

olive-siga-a-borboleta

Era na varanda da casa que Olive e sua irmã Anna descansavam e passavam o tempo, principalmente nos dias em que ficavam sem luz. Era horrível para Olive não assistir televisão, mas era obrigada a agüentar horas e horas de agonia, já que não sabia de que outro jeito poderia divertir-se.

E culpava, sempre, as ventanias desavisadas que assolavam seu país.

Anna, a irmã mais velha, não se importava quando a luz faltava. Ela era mais calma que Olive, e quando não podia assistir televisão, sabia divertir-se com outra coisa: os livros.

— Venha Olive, sente aqui do meu lado. — dizia Anna — Venha, que eu vou contar uma história que você vai adorar.

— Não quero saber das suas histórias! — Olive reclamava, e sempre fazia birra, como se ouvir as histórias que Anna lia foi um castigo — Elas são muito chatas!

E mesmo criando caso, cruzando os braços e enchendo as bochechas de ar, sentava ao lado da irmã e ouvia um pouco, mesmo sem gostar.

Sua atenção ia e voltava, e sempre parava na cesta de frutas sobre o murinho perto da janela. As maçãs eram tão vermelhas! Saborosas e suculentas. Não se conteve em pegar uma e mordê-la. E só porque virou para o resto do jardim, apreciando a linda vista e o sabor da preciosa fruta, enxergou, um tanto longe, um coelho branco de costas saindo de um buraco de terra.

Nunca tinha visto coelho tão branquinho. Somente na frente da televisão. E foi por isso que achou tão maravilhoso o fato e largou logo a maçã para apressar-se em sua direção. Pensou que, talvez, conseguisse tocá-lo, sem que ele a visse, mas logo parou quando uma maçã caiu da árvore ao lado. E o coelho a cheirou, a cheirou mais um pouco. E só depois a agarrou. Pulou de volta para o buraco e a levou.

— Ei, espere! — Olive gritou.

Tentou seguir o coelho em sua toca, mas dela saíram tantas borboletas coloridas e alvoroçadas que a confundiram.

Abanou até cansar, mas nada espantava as borboletas. Se confundiu mais ainda, e caiu na toca do coelho. Não era mais um simples buraco de terra. Era um largo, largo poço agora, que se abriu aos passos de Olive. Ela gritou muito, mas Anna não pode ouvi-la.

Não lembrou-se muito da queda. Quando abriu os olhos, já estava no chão. Nenhum machucado, nenhum arranhão. Viu três das borboletas de cores diferentes voando a sua frente, a esperando levantar. Uma era verde, outra azul, e a terceira, vermelha. Tinham vindo lá de cima, do poço em que Olive caiu, e seguiram adiante num longo caminho escuro.

— Anna! Anna! — Olive gritava, mas por mais que gritasse com toda força, sua irmã não a respondia.

Ao redor era apenas escuridão o que via. E somente as cores das três borboletas iluminavam À frente. Foi assim que Olive notou uma estrada. Era a única estrada em meio a toda escuridão, feita de tijolos antigos, tão velhos e gastos que se tornaram amarelados. O resto era escuro demais para Olive tentar enxergar.

“Siga a borboleta. Siga a borboleta.”

Era isso o que escutava ecoando, vindo de outras direções. E para não arriscar adentrando no desconhecido, na medonha ausência de luz, seguiu as borboletas como o eco aconselhava, através do velho caminho de tijolos amarelos.

9 Comments»

  • Follow the White Rabbit!
    =D

    Bem legal, bem fantasioso e com certeza me lembra Alice!

    Na espera da continuação. Deixa eu gerar o pdf agora. =)

  • Vitor Vitali says:

    Me peguei sorrindo durante o conto. Me lembrou muito a felicidade que eu senti ao ler Alice quando era criança e a reler nesse mesmo ano. Bem nostálgico o conto, pelo menos para mim. Adorei.

  • Artur says:

    É muito parecido com Alice, até demais, sugiro mudar um pouco, ou melhor, bastante a historia de direção. Se continuar tão parecido com a inspiração (pois assim foi), vai ficar uma copia reescrita.
    Você escreve bem, mas o inicio dessa historia já foi contado. Você tem um vocabulario bonito e leve, useo com sabedoria e principalmente criatividade.

  • Olá pessoal. Fico muito feliz que gostaram do texto e reconheceram de cara uma das minhas inspirações. Porém, já vou avisando, já que Artur tocou no assunto: não se trata de uma cópia, nem uma inspiração similar a obra verdadeira (até pq n me baseei em apenas um conto super conhecido, c vcs prestarem bem atenção acharão sinais de outros contos infantis…) mas sim a reestruturação do(s) conto(s) infantil(is) num conto só, mostrando de uma forma diferente, nada mais infantil, e sim um pouco sombrio, adulto..

    -Não se preocupem, qd as outras partes forem postadas, vcs irão entender melhor 😉

  • Gostei do conto também, além de Alice me fez lembrar outra história a parte do “siga as borboletas” mas não lembro qual… vou aguardar a continuação.

  • Andrey Ximenez says:

    Mt bom Wanessa.

    É bom escrever inspirada em outras histórias, =D

    É legal tb qnd juntamos inumeras em uma unica e ainda assim damos nosso tok especial.

    Vale lembrar tb q mts histórias ótimas são contos recontados =D

    Aguardo a continuação!

    o/

  • Sidnei says:

    Alice, devolve meu chipeeeeeeeeeeeeee!!!!!

  • Fernanda Lima says:

    Fiquei com uma sensação de Alice misturada com O Mágico de Oz… Gostei!

  • Hamilton Saraiva says:

    Legal o conto. Evoca sentimentos há muito “enterrados” na memória das pessoas. Ansioso pela segunda parte.

    OBS: GUNS pela graça de deus publique meu conto e olha na nos já publicados pra tu ver uma coisa nos comentários!

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério