O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Oct
15
2009

Andamento nº1 – Parado

Escritor: E.U Atmard

hipopotamo

Hipopótamo parado. Mundo parado. Tempo parado. Tudo parado. Tudo parado. Nada parado. Frases mui curtas. Mas parado. E se não há personagem. Pois não há personagem. Mas parado. Tudo parado. E assim acabou. Tudo parado. Como um poema. Fragmentado. Mas parado. E parado. Hipopótamo Popadopalus. Parado. Hipopótamo. Parado. Mas morto. Parado. Tempo andante. E logo volta a estar parado. Frases mais fluidas que já dão para ler. Paradas. Morto. Parado. Impossível de descrever a beleza. Parado. Parada alguém. Perdido. Morto. Parado. Entre frases. Ocorre parado. Uma história de encantar, uma vida despertar, nada disso importa, pois ela está toda torta. Parado. Tudo parado. Parado. Parágrafo.

Universo parado. Mundo parado. Tempo parado. Tudo parado. Nada parado. Brilhando com su força. Parado. Como um drama destroçado. Frases nuas, céu estrelado. Parado. Gelado. Está frio lá fora, na demora. Parado. Avança. E assim acabou. Parado. Avante, pra assim terminou. Tudo parado. Tudo parado. Universo. Fala, Hipopótamo. Popadopalus. Parado. Mas morto. Levanta-se, levanta-te. Parado. Doce hegemonia, atrofia. Parado. Meta-ficção, falta razão. Parado. Dor, Amor, fraqueza de carácter. Lixo Parado. Morto. Levanta-se e o Universo, disperso. Parado. Descendo a rua, ele continua. Parado. Crítica construtiva, mal expressiva, ambígua, caligúla. Parado. Morto matado. Universo fala, nunca se cala. Universo fala, mas ninguém ouve. Parado. Muito parado. Tudo parado. Parágrafo.

Tempo parado. Tempo em movimento, marcha-atrás Hipopótamo e amiga. Mais Lixo parado. Amor parado. Separação. Falta tino, falta razão, à Meta-ficção. Computador. Limpa o Amor. Parado. Núbia. Noiva. Morto. Parado. Parágrafo. Erro. Continuação. Não sou computador, e nada de má interpretação, razão, eu não qué amor. Parado. Continua e insistentemente. Hipopótamo, procura Universo. Tempo em andamento, marcha-atrás. Parado. Parado. Parado. Parado. Popadopalus. Invoca luz. Luz seduz. Sedução, razão. Parado. Hula. Hula. Hula hula. Hula hula. Hula hula hula hula hula hula hula. Não Parado. Tudo o que disse. Foi dito. Por hula. E hula. Parado. Popadopalus. Hipopotamus. São, não, as flores bonitas tão, como o sol não, mas como a lua? Livre associação. Fim. Final. Parado. Pensamento. De. Parado. Viveu. Morto. Purgatório. Parado. Parágrafo correcto

Hoje parado. Amanhã parado. Sempre parado. Eternamente parado. Morte parada. Hipopótamo Popadopalus. Mau. Parado. Vau. Parado. Rau. Parado. Candeeiro. Subir. Subir. Cair. Parado. Morrer, não. Tiro. Extraviado. Parado. Parado. Hipo. Hiper. Hiper parado. Mundo parado. E pois parado. Pois a morte parada. E o mundo parado. Dão que pensar. Este foi com muito prazer uma história escrita pelo Dr.Valord. Sejam bem vindos ao mundo onde eu vivo.

45 Comments»

  • Galera, olha a loucura do Atmard! hehehe…

    Ele esta treinando aqui um novo tipo de literatura que ele criou! Ele pode explicar melhor.. Atmard, explique sua loucura! =D

  • Gostou da imagem?! =)

  • Andrey Ximenez says:

    Juro q qnd li o comentário acima eu dei uma gargalhada, Guns.

    Poizeh… q loucura hein Atmard… esse teu conto parece ter mais do q aparenta… acho q vou deixar pra rele-lo na proxima vez q eu brigar com a minha guria, assim ja vou entrando na vibe…
    =D
    Brinks…
    Volto mais tarde pra reler!

  • Vitor Vitali says:

    Bem… Bem… É… Juro que eu não tenho idéia da minha opinião sobre esse conto. Assim… Bem… Eu adorei, mas eu odiei. Vou reler.

  • Vitor Vitali says:

    Bem… é… não tenho idéia do que falar… seu… seu maluco.

  • Tabata Scorpioni says:

    Faço das palavras do Vitor, as minhas.

  • Pedro Torres says:

    Atmard seu insano!
    que tipo de drogas você consumiu?
    vamos! fale!

  • E.U Atmard says:

    A reacção foi muito o que eu esperava. Este faz parte de um tipo de literatura que eu chamo de bizarra (ou algo que se pareça) que faz uso de expressões chave e desorganização para desorientar o leitor, e o obrigar a estruturar a história de um modo que ela faça sentido. As pequenas expressões criam a história.
    @Gunslinger, gostei muito do desenho, ilustra bem a história
    @Vitor, @Pedro, não sei bem o que me passou pela cabeça, mas pela reacção do pessoal…

  • Caio César says:

    Eu acredito que o texto do E. U Atmard tem uma essência maior para o lado artístico. Daí, eu fico em dúvida se devo, particularmente, classificá-lo como uma história ou não. Mas não deixa de ser um óptimo trabalho. No geral, todos nós sabemos que escrever é uma arte.

    De zero a dez, se assim me permite: 7.9

  • Também acho que esse texto é como apreciar uma obra de arte. Não se entende nada, mas a gente bate palmas para a loucura do artista. =)

  • RenanMacSan says:

    Atmard… Olha a mariola!!!

    Diferente. Gosto quando obriga o leitor a interpretar.

  • E.U Atmard says:

    Caio César, vejo que mudou o seu nome de utilizador. Tem razão, é talvez uma obra de cariz mais arttístico que outra coisa. Muito obrigado pela sua classificação.

  • Parabéns Atmard, este conto atraiu um bom público. =D

  • Jones says:

    Estou, estou, estou PARADO na frente do computador raciocinando o que poderia dizer!!!! Acho que o Atmard contraiu a doença dos vampirinhos de outro tópico. Como disse o Renan, Vai uma mariola ai? Tipo gostei de ter o cérebro enrolado e tido um nó feito no meio dos cordões do pensamento, mas enfim a pergunta pungente é: Tem continuação de toda essa nóia ai?????? Muito bom Atmard, depois de ver pintura abstrata acabo de ler um conto abstrato he he he he unica classificação possivel em minha mente enrolada neste momento! Gostei mesmo.

  • Caio César says:

    E.U Atmard, não precisa me agradecer, pois disponha sempre quando for preciso, rapaz.

    – x –

    Guns, sobre o seu segundo comentário, eu acredito que milagres o obras de arte não têm explicações. Tudo independente de qualquer coisa. 😉

  • Caio César says:

    Correção: Milagres E obras de arte.

  • E.U Atmard says:

    Bem não tem nada de vampiro. É uma espécie de crítica às histórias de amor, nas quais uma das personagens se mata por amor. Parado, é uma cripta, ora tem sentido e valor para o texto, ora é simplesmente decorativo. Quando no fim Valords escreve “Mundo Parado. Morte Parada. Dão que pensar.”, quer dizer algo como e se tudo parasse, se a morte parasse e voltasse atrás?…é uma espécie de código. Pelo menos acho que sim. Tem uma continuação, mas uma que não é escrita no mesmo género. É uma parte que explica o enredo de toda a história.

  • E.U Atmard says:

    Vou enviar dentro em breve. Esperem que vão ver como o caos ganha forma (ou não)…

  • Vitor Vitali says:

    Preferia que não ganhasse.

  • E.U Atmard says:

    Porque não Vitór?

  • Seria por que o caos é legal?! =)

    Todo caos é organizado, só depende de onde você esta observando =)

  • Vitor Vitali says:

    Prefiro que não se explique nada. Do jeito que tá tem seu mérito, se explicar perde o “mojo”.

  • Awoke says:

    Eu pessoalmente acho que não tem sentido.
    Ou é um sentido muito secreto…

  • Bom, ai vai da sua interpretação do que é sentido. =)

  • Pedro Torres says:

    ahh…
    eu estava lendo e comecei a montar as palavras…
    é complicado….
    vou ter que me concentrar mais

  • Lipz says:

    Achei legal que as vezes o texto dá algum sinal de movimento, mas ele volta e continua parado. Não seja egoísta e posta a segunda parte =D

  • vinicius machado says:

    Minha nossa Atmard, eu estou parado e boquiaberto, eu não sei o que deu em mim, mas eu passa duas vezes mau lendo seu texto de tanto rir.
    eu não sei mas principalmente nesta parte:
    Parado. Morto matado. Universo fala, nunca se cala. Universo fala, mas ninguém ouve. Parado. Muito parado. Tudo parado. Parágrafo.

    eu soluçava de tanto rir tive de sair da frente do computador para tomar um ar. que loucura cara nunca havia lido nada igual. Parabéns. xD

  • Andrey XImenez says:

    Bah Atmard… li mais duas vezes… minha opinião não é nada positiva… então deixa pra lá… ainda prefiro seus outros textos

    =D

  • Andrey XImenez says:

    Atmard…

    Eu recortei td esse teu texto… cortei tanto parado pra ver se fazia sentido, q qse encontrei algum… tlvz vc não seja tão loko… =D… o resultado eu enviei pro vinicius machado… quero ver o q ele diz…
    =D

  • vinicius machado says:

    Minha resposta com os recortes do andrey no seu texto xD:

    cara, com essa estruturação que o andrey fez ali, do texto do Atmard, deu para entender mais ou meno a lógica que você queria passar, ou não, mas ainda ta meio nublado pra mim.
    lendo ali eu não sei se ela é a metáfora do hipopótamo, ou é alguém de quem ela reclama(digo ela por que imaginei uma mulher falando xD).
    tipo a primeira vista parece alguém preguiço com problemas de se expressar, mas mesmo assim critica o mundo que não a deixa fazer isso.
    AAHHHHH… deu nó na cabeça!!!!!!!!!!!! sei lá parece alguém preso num universo que oprime a livre pensar, e tenta robotizar ela, mas também tenta empurrar emoções como amor para que ela se sinta completa…. meu deus que confusão do cacete… não sei cara, só sei que não vou dormir pensando nisso agora!!!!

  • vinicius machado says:

    Andrey pensando agora, isso tudo pode ser uma tramóia do Atmard. vai ver ele escreveu o texto para não ter sentido nenhum, só para ver o que a galera iria especular, ou ver em toda essa maluquice xDDDD

  • Hehehe.. eu acho que esse non-sense tem mais a ver!! =)

  • Andrey Ximenez says:

    Vinicius… realmente continua sem noção… porém antes do recorte de mts termos eu definiria como uma sem-noçãozisse sem classe alguma… perda de tempo e definitivamente longe da arte… cortando as palavras repetidas e td o mais… da pra achar um poko de poesia no texto… não sei se foi essa a idéia do Atmard… vai saber neh?

  • E.U Atmard says:

    O texto tem sentido. E eu vou passar a explicar. É uma espécie de crírica às histórias onde a personagem se mata por amor. Escolhi chamar ao personagem hipópotamo, por que tem quase tantos p’s como Popadopalus, e isso dava uma sonoridade engraçada. Por entre algumas das linhas estão escondidas informações para o que se vai de facto passar nas partes seguintes. Mas em parte, e subconscientemente, acho que o Andrey tem razão, posso de facto ter querido dizer isso. Muito obrigado, já facilitou um pouco o meu trabalho! =D

  • cat manhosa says:

    Que doidera não entendi nada, comecei a pirar fui substituindo as letras do nome parado por números e acabei transformando seu texto numa enorme equação matemática que o resultado foi zero.
    Mas eu gostei.

  • Samila says:

    eu adorei, embora eu seja suspeita para faler, já que o meu poema favorito é o Jabberwocky….
    Não existe criação sem sentindo;
    Para quem o criou, pelo menos, ele terá que ter sentindo, e se terá sentido para os demais, depende da interpretação dada… ou nesse caso, da capacidade interpretativa do leitor… esse texto não pode ser interpretado como um texto ‘normal’ seria…
    Como disseram lá em cima, eu acreito que se trate de um conto abstrato, do qual as ideias e sentimentos se desprendem aos poucos, dependendo sempre da sensibilidade de quem o vê…

    Adorei, Atmard

    • E.U Atmard says:

      Muito obrigado Samila, folgo muito. Tem razão, a criação tem sentido, às vezes é apenas difícil para quem lê de entender de uma forma ou de outra…

  • Atreus says:

    andamento number 2 – andado?
    _

    Nao achei louco nem desorientador. Só sei que gostei e entendi o que deveria entender. Para mim. Autmard deu corda e a imaginacao correu solta.

  • HIOTO says:

    Ora o universo, ora o hipopótamo. Ambos deuses da própria mente (insana) que pausa o tempo, despausa e volta a pausar pra esconder o medo. Um poema que ia falar de amor e sentimento, corrompido pelo vil medo. Resta saber se fala do autor ou de algo que ele apenas imaginou.
    .
    A escrita é cansativa.

  • Franz Lima says:

    Todo e qualquer trabalho literário com características incomuns terá esta recepção, Atmard. Organizar a leitura e o pensamento diante de um escrito tão complexo é algo difícil. Mas vale relembrar que as obras da Semana de Arte Moderna também causaram esta impressão e, nem por isso, deixaram de ser arte. Inovar para criar…

  • Asami says:

    Eu li este conto uma vez… li duas vezes, três vezes. Eu peguei um lápis e papel, tentei ligar os pontinhos e não consegui muita coisa. A única coisa que consegui deduzir a partir do que está escrito é que este texto representa o que se passa na mente de uma pessoa, eu acho, mas não há certeza. 😛

  • Sara says:

    Cara, a primeira coisa que eu pensei quando li esse conto é que ele tem um estilo idêntico aos que tem no livro do Fernando Bonassi “Entre Vida e Morte: Casos de Polícia”.
    ——-
    Mesmo não tendo entendido (quase) nada eu gostei! XD Gosto de histórias assim, com sentidos tão ocultos que você precisa ler e reler pra ver se consegue ter a sorte de pescá-lo no meio de uma epifania…

  • Rainier Morilla says:

    Palavras jogadas ao vento.

    O que dizer de uma obra que trás tantas pessoas para discorrer sobre a mesma. Independente do conteúdo, do sentido e da razão que o autor quis passar, o que eu consigo abstrair deste conto é polêmica.

    Ele me lembrou muito algumas obras do concretismo. Eu acho muito boa essa construção em um emaranhado de fonemas iguais em palavras similares. Esse nó que fica em nossas mentes, o desejo de se aprofundar na obra para absorver um conteúdo é maravilhoso.

    Entretanto acho que repetiu parado demais. Prolixo pro lixo! rsrsrs…

    • E.U Atmard says:

      Honestamente, não é directamente para ti Rainier, mas eu acho que as pessoas estão a sobre pensar o texto. Ele está ali, mas é apenas um texto simples, calmo, sem razão. Eu apenas queria escrevê-lo, e não estava directamente a pensar no seu significado filosófico…

      • Rainier Morilla says:

        Isso é admirável, Atmard.

        É exatamente o que acho. Palavras jogadas ao vento. Não vi nenhuma coisa a mais. O que temos aqui é um conto bem construído no emaranhado de fonemas, que o deixa interessante e foge do normal.

        Embora seja interessante a polêmica, acho essa vontade de entender o oculto cega o entendimento simples que traz a beleza do texto.

        Idêntico ao que fazem com a Bíblia e Alcorão.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério