O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Oct
14
2009

Minha Conquista

Escritor: Alex Tzimisce

minha-conquista

– Então você teve um namorado? – falou o rapaz.

– Não! – riu a menina ruiva – Ele foi só uma saída minha.

– Qual o nome?

– Raul, mas vamos falar d…

– Por que você ficou triste? Ele te fez algo?

– Ele não me fez nada, é que no dia seguinte que a gente saiu ele me procurou, eu disse que não queria mais nada, e como Raul nunca tinha ficado com ninguém, parece que se apaixonou. Então, pra ele parar, passei na frente dele com outro cara. E já faz 2 semanas que ele me olha de cara feia. Karo, o outro, não vejo faz tempo.

– Mas você o quer ainda?

– Não! Karo já foi. Estou em boa companhia? o rapaz sorriu encabulado.

– Assim você me deixa sem jeito Lea.

Ela riu.

– Por favor, Lea. Os outros estão olhando.

– Então a gente vai pra outro lugar.

Caminharam para longe do campus.

20 minutos. Foi o tempo que levaram até um ponto afastado. Lea no banco do motorista desligou o carro e olhou para Ray com desejo no olhar verde. Ray entendeu e não hesitou quando ela avançou e num rápido instante tudo ficou negro, a luz da lua desapareceu, não se via nada no carro.

Ray continuava ajoelhado de cabeça abaixada, enquanto Lea estava na sua frente em pé, olhando-o, seu rosto era só desespero de estar amarrada numa árvore.

– Levante-se ? ordenou uma voz.

– QUEM ESTÁ AÍ!? – gritou Lea. Ray levantou de sua reverência.

– Lea – continuou a voz – Nem tanto tempo faz que você me viu e já está esquecendo daquele que te amou – Raul apareceu com um grande saco nos ombros.

– Raul…?

– Fique em silêncio, poupe seu fôlego – Raul jogou o saco no chão e olhou para aqueles olhos que tanto admirou por dias – Não é um lance de sorte estarmos os 3 aqui? – sarcasmo? E não estou incluindo Ray nisso, ele não é seu, ele é meu, só meu.

Raul caminhou até a borda do saco e desamarrou a corda, forçando o conteúdo ao chão. Lea tremeu mais quando viu o corpo de Karo ensangüentado e com uma nítida marca no pescoço que ela não fez questão de olhar a fundo.

Ela gritou.

– Vai meu gênio! – gritou – Desejo que dê vida àquele que foi usado para me fazer sofrer! Dê vida para que eu o use para fazer sofrer quem merece! Vamos! Eu ordeno!

– Claro – olhou o gênio com seus olhos brancos encarando o amo ? Seu desejo é uma ordem…

O olhar do gênio fulminou a cabeça do morto, que tremeu. Os olhos do cadáver se abriram e revelaram a vida funesta sendo dada, o sopro sombrio alimentando a carcaça. Lea gritava mais e mais. Tão alto que sua voz falhava. O cadáver ganhava força e seus braços já levantavam a podridão. Era possível ver o canal da faringe cortado e os músculos que ainda prendiam a cabeça.

– Vá! Eu ordeno!

O gênio olhou para o cadáver e só apontou. O cadáver animado enterrou as mãos nas entranhas da menina que gritava enquanto Raul ria. Ria da vingança fria. Ria em ver o zumbi mordendo fundo o rosto.

O gênio sentou-se na lápide mais próxima e pensou:

– Vamos ver o que ele fará quando o zumbi terminar. Amo ingrato.

O gênio olhou para o chão e viu outras mãos furando o solo das covas. Agora era o sombrio gênio que ria.


Categorias: Contos | Tags: , ,

9 Comments»

  • Zumbissss!

    Acho que faltou um pouco de história para chegar até o cemitério. E quem é o Gênio?! =)

  • Verdade, Quem é o Gênio?
    Dava pra aproveitar mais a história!!!

  • Andrey Ximenez says:

    Confusão… @.@

  • Vitor Vitali says:

    Fiquei… bem, sei lá. Achei estranho, mas Zumbis me agradam e a imagem me lembra Night of the Living Dead.

  • Alex Tzimisce says:

    Guns… E todos os amigos leitores… Desculpe… Desculpe sinceramente pelo erro.
    Participei de um concurso e quando enviei o conto ele possuía 9.000 caracteres, pediram para reduzir para 3.000… Refiz e enviei, logo, tinha dois arquivos prontos.
    Mandei aos Guns o conto reduzidíssimo e prometi que mandaria a correção.
    Por problemas profissionais me ausentei por um tempo e esqueci de mandar a parte correta, mais completa…
    Desculpa o erro.
    Prometo que não acontecerá de novo.
    Abraço a todos…

  • Nossa… calma Alex!

    Não precisa pedir desculpas! =)

  • Alex Tzimisce says:

    Sério Guns.
    Ninguém gosta de errar, e se estamos aqui pra colocar nosso hobby/trabalho/arte para apreciação de colegas leitores, perceber que o trabalho está confuso é chato e a culpa foi minha pelo meu esquecimento.
    Foi só isso.
    É uma autocrítica severa para que eu não cometa o erro novamente.

    “Melhor tentar corrigir logo os pequenos erros para não se tornarem imensos amanhã.”

    Mas é isso aí galera! Abração a todos e sucesso para o ONE.

  • hehehe.. ok! Só achei que vc pegou meio pesado com você mesmo! =)

  • cat manhosa says:

    Ahh, que assustador esse conto.
    Não esquece que errar é humano e muito normal.
    Bjosss.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério