O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Oct
23
2009

O Fã – Parte 1

Escritor: Jones Viana Gonçalves

o-fa

Tiago acordou com o celular tocando. Como sempre aos chamados urgentes, eles são tarde da noite.

– Tiago, ele atacou de novo!

– Boa noite pra você também Marlon.

Houve silêncio do outro lado da linha por alguns instantes.

– Cara sem sacanagem! Este é o quinto assassinato do cara, daqui a pouco os federais vão querer o caso.

– Certo, então o tal predador atacou de novo?

– Sim, o cara fez novamente igual aos filmes. Eliminou a presa e a pendurou esfolada.

– Levou algum troféu?

– Não. Você sabe que ele nunca leva nada, mas desta vez ele perdeu algo aqui.

– O cara ta ficando descuidado então. – Um pequeno sorriso brotou no rosto de Tiago.

– Vem pra cá, fica no parquinho da Bom Sucesso.

– Na praça nova?

– Sim.

– Ok, em alguns minutos estarei ai.

Ainda com sono Tiago levantou e foi tomar banho para tentar acordar. Colocou as roupas de costume, juntou a pistola e o distintivo e saiu. Tiago morava no centro da cidade e a Bom Sucesso ficava um tanto longe de sua casa, mas na madrugada o transito sempre era tranqüilo.

Quinze minutos depois o detetive estava estacionando entre as viaturas da brigada. Alguns policiais cuidavam do perímetro tentando deixar qualquer curioso longe da cena do crime. Alguns repórteres já estavam ali fazendo perguntas a Marlon que escapava das investidas desconversando por vezes e entregando detalhes já conhecidos do caso. Tiago observou a sua volta tentando reconhecer o local, a nova praça do bairro Bom Sucesso. Dois half-pipes para esqueitistas e uma bacia também para a pratica deste esporte. Do outro lado uma cancha de areia repleta de brinquedos como gangorras, balanços, escorregadores e outros. No fundo um barranco com uma escada de acesso que subia cinco metros acima do nível da praça e chegava a um terreno arborizado.

Ao chegar o detetive fez sinal para seu parceiro que logo se desvencilhou dos repórteres e foi transferir as informações para Tiago.

– Então, aonde esta o corpo?

– No alto do barranco, dependurado em uma arvore.

– Quem o viu?

– Um casalzinho, pelo que parece estiveram perto do assassino. Os gritos da menina afugentaram o cara e ele deixou algumas coisas para traz.

– Pior que lidar com um assassino é lidar com isso! – Os dois já subiam as escadas para alcançar o cadáver. Tiago já podia vê-lo pendurado pelos pés dali.

– Isto o que Tiago? – Perguntou Marlon.

– Um fanboy assassino! Como um cara pode gostar tanto de um filme a ponto de fazer algo assim?

– Quem vai entender a mente humana?

– Certo. O que ele deixou para trás?

– Uma espécie de lança com duas pontas. Ela é igual a dos filmes, mas não tem nada de tecnológico.

– Nada? Fiquei desapontado agora. – Na voz de Tiago era evidente o descaso pela informação, mas mesmo assim Marlon continuou.

– Um mecanismo de molas que fazem a lança abrir e fechar ao click de um botão ao estilo de um guarda-chuva.

– Putz!

– Pois, o cara é esperto.

– Algo mais?

– Um óculos de visão thermal. Tipo um aparato militar para ver calor no escuro.

– Não é intensificador de luz? – Tiago parecia mais animado. – Apenas Thermal?

– Isso mesmo.

– To ficando cada vez mais frustrado com esse cara. Ele imita da maneira que dá.

Tiago já havia chegado ao corpo e examinava o local a sua volta.

– Como sempre temos as pegadas dele pela volta do corpo. – Disse Marlon enquanto apontava para as marcas. – Já mandei fazerem um molde.

– Antes de ser esfolado ele sofreu uma perfuração transversal no dorso. – O detetive pareceu nem dar bola para o que Marlon havia dito. – Acho que foi essa a causa da morte. Quem será que era esse?

– Bom pelos perfis das últimas vítimas este cara deve ser algum tipo fortão das ruas.

– Defina fortão? – Tiago não olhava para o outro detetive enquanto conversavam, ele apenas olhava para o cadáver e o chão a sua volta.

– Tivemos dois traficantes, um professor de artes marciais e uma garota. Ele começou pela garota e foi crescendo em desafio até agora.

– Não esqueça que a garota era faixa preta.

– Tudo bem, mas pelo meu raciocínio todos foram pegos de surpresa. – Marlon chegou mais perto de Tiago que averiguava algo no chão. – Mortos com diversos tipos de armas e no tempo de uma semana entre as mortes.

– O que destoa dos filmes, nos quais o predador matava dia a dia.

– Tudo bem, mas nosso maníaco não é um predador.

– Sim, mas um fã que acha divertido caçar igual um predador dos filmes.

– O que isso quer dizer? Esse intervalo.

– Ele deve procurar seu alvo durante a semana e ataca-lo no final de semana. – Tiago voltava a circundar o corpo.

– Dia de caçada?

– Pode ser. Leva isso tudo pro laboratório, pede a autopsia e prepara o resto da papelada. Vou ver um pessoal.

– Certo!


Categorias: Contos,O Fã | Tags: , ,

9 Comments»

  • Caraca, o conto é gigante, vai ter mais duas partes … pelo menos! =D

    Jones.. isso é do pessoal do D.E.I.S. ?? É que não fala D.E.I.S. em nenhum lugar… =/

  • Vitor Vitali says:

    Uh, adorei a idéia do predador. Mas eu achei os diálogos meio artificiais :(, fora isso, bem legal 🙂

  • Cara.. é complicado fazer diálogos.. mas geralmente quando os dialogos sao longos e rapidos.. ficam assim mesmo.

    Dialogo só nao é artificial.. quando é bem curto.. ou monólogo .. com o pensamento
    =)

  • RenanMacSan says:

    Espero a continuação. Chamem o Governator!!!

  • Awoke says:

    Até o momento está legal, mas chegou em alguns momentos em que eu fiquei confuso sobre quem pertencia as falas.
    E também não compreendi o que está escrito aqui:
    “- O que destoa dos filmes, nos quais o predador matava dia a dia.”

  • Renan Barcellos says:

    Eu gostei do desenvolver da história. Mas, é como disseram, ficou um pouco confuso tantos diálogos seguidos. talvez algumas narrações entre tire essa “estranheza”

  • Jones says:

    Opa e ai pessoas, tranquilo, o conto é um teste, tipo meu primeiro conto fora da fantasia, mais policial mesmo, e tambem a parte dos dialogos, eu queria ver como ficava, e não, este conto nõa é do D.E.I.S., abraços a todos e obrigado pelas palavras.

  • Andrey Ximenez says:

    Kmmm curti bastante.. não sei… ao contrário do pessoal pra mim não houve nenhuma dificuldade em relação as falas… inclusive acredito q em termos de escrita seja um dos melhores txts seus q ja li

    =D

  • Bom eu também não tive problemas com a fala. =)

    Só comentei sobre os diálogos, porque geralmente eles são assim mesmo! =)

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério