O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Oct
13
2009

Olive: Siga a Borboleta – Parte 2

Escritora: Wanessa Maciel

olive-siga-a-borboleta

O silêncio era irritante para Olive. Estava acostumada a barulho, estava acostumada a farra, a brincadeiras no sofá e ao som dos carros na rua. Não suportaria mais tanta ausência de som. Por isso, colocou as mãos sobre os ouvidos torcendo para ouvir alguma coisa o mais rápido possível.

E quando começou a ouvir, não entendeu bem o que era.

O som parecia aproximar-se a cada passo que Olive dava. E só um tempo depois viu, lá bem longe, cruzando a estrada de tijolos amarelos, uma figura. Uma figura de vermelho. Uma enorme mancha de sangue quebrando o negro da escuridão. O som eram suas risadas, risadas estas que assustavam Olive. E quando a figura a viu, tratou logo de aproximar-se. Mas Olive parou.

Uma mulher. Uma mulher com um longo vestido vermelho era o que se aproximava, risonha e assustadora ao mesmo tempo. E quando Olive enxergou aquele rosto belo e sinistro, ouviu ecos falando consigo novamente.

“Não se aproxime da mulher de vermelho”

Começou a desesperar-se, sem saber o que fazer. E tudo o que Olive pensou foi em sair da estrada por onde vinha a mulher. E foi no exato instante em que pisou fora dos tijolos amarelados que sentiu a umidade, caindo nas profundezas daquela água escura.

Foi só quando estava afundando no mar que Olive reparou que não sabia nadar. Desde criança, não se preocuparam em ensiná-la. Por isso só afundava. E foi parar no meio de moças ruivas que pareciam viver submersas, balançando caldas de peixe esverdeadas que tinham no lugar das pernas. Seus olhos eram penetrantes, tanto que Olive mal se lembrava em piscar os seus enquanto as admirava. Mas parou de considerá-las belas quando percebeu que afundava por causa delas. Não queriam que Olive voltasse para respirar.

O que salvou Olive foi um enorme peixe dourado. Chegou balançando rápido sua barbatana transparente, deixou que a menina se apoiasse em suas costas, e subiu de volta para a margem a tempo de deixá-la dar um suspiro bem grande. Sentada num pedacinho de terra, Olive não sabia o que deveria sentir pelo peixe. Estava realmente agradecida, mas tudo o que menos esperava era encontrar-se com um peixe gigantesco. E foi por isso que correu e afastou-se.

Se Olive, algum dia, prestasse atenção nas histórias de Anna, lembraria que mulheres com calda de peixe são Esperanças, e peixes dourados gigantes, Sereias. Mas para a infelicidade do peixe, Olive não o reconheceu, e com sua tristeza voltou a mergulhar, soltando um som agudo donde palavras corriam arranhadas.

– Anna! Anna!

E o medo se infiltrou mais ainda em Olive, achando que a criatura mais uma vez a intimidava, imitando-a do jeito que chamava pela irmã.

Lá em cima, onde não era possível ouvir os gritos de Olive, Anna, ainda sentada em sua varanda, vira uma página do livro em seu colo.

6 Comments»

  • Bem curtinha esta parte, rapida e facil de ler. =)

    Aguardando continuação!

  • Vitor Vitali says:

    Uh, legal. Só nessa parte eu descobri que Olive era uma mulher, que engraçado isso.

  • E.U Atmard says:

    Uma mulher! 8[.Só percebi mesmo quando o Vitór disse…
    Gostei muito desta parte, já se notam bastante as diferenças da AQlice.

  • Sempre vi Olive como mulher. o.O

    Me lembra Olivia.. do Popeye

  • -É claro q Olive é uma mulher gente xD uma menina pra ser mais exata… eu sempre gostei do nome “Olive” em meninas, vcs sabem né, com a pronúncia /Ólive/ assim o.o será que não ficou muito legal essa da personagem? 😡 se não, eu peço mil perdões.
    -acabou ficando pequeno mesmo, e o tipo de leitura pratica tentei fazer pra parecer bem com um conto infantil mesmo (por mais q as coisas pareçam bem ‘sinistras’ =d) mandarei a prox parte logo, espero que gostem de acompanhar ^^

  • RenanMacSan says:

    Legal, já tá até misturando Mágico de Oz (tijolos amarelos) além do País das Maravilhas da primeira parte do conto.
    Tbm achava que Olive era homem, só conheço esse nome em homens.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério