O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Oct
29
2009

Olive Siga a Borboleta – parte 3

Escritora: Wanessa Maciel

olive-siga-a-borboleta

Olive ainda estava próxima ao mar e, por isso, a cada passo, seus sapatos se sujavam com o lodo em que pisava. Lembrou-se que sua mãe não perdoava quem chegasse com os sapatos sujos em casa, e preferiu parar ao lado de uma grande e velha árvore para tentar limpá-los.

Enquanto esfregava o calçado numa das grossas raízes expostas, não viu quando um rosto formou-se no topo do caule da árvore, enxergando a menina com olhos disformes e tentando falar com uma boca exageradamente grande.

— Você veio procurar a rainha. — afirmou; mas Olive entendeu como a uma pergunta.
— Não, não vim não. — e respondia ao mesmo tempo em que se afastava da árvore, olhando lá em cima o rosto que a fitava. — Que rainha? Quem é você? Pode me dizer onde estou?
— O espírito da árvore não tem essas respostas para você. — disse ele, com um sorriso cínico enorme, fitando-a como um predador a uma presa — A única resposta que o espírito da árvore tem é onde se encontra a rainha.

Olive começou a sentir-se atraída pela árvore, por mais que não tivesse nenhum interesse na informação que ela tinha para dar. A árvore abriu mais ainda seu sorriso, porque Olive começava a aproximar-se novamente. Mas foi quando as três borboletas chegaram que a árvore parou de sorrir. A menina tinha a impressão de que elas a chamavam, como a uma mãe preocupada, e que todas as vozes ecoantes vinham daqueles três insetos coloridos.

Eram as únicas criaturas que deixavam Olive feliz quando se aproximavam.

“Siga a borboleta. Siga a borboleta.”

E a menina deixou de dar ouvidos à árvore, dando mais importância ao aviso das borboletas. A árvore, é claro, não gostou nem um pouco, e amaldiçoou a presença daqueles três pequenos insetos.

Como não podia virar o tronco para acompanhar o caminhar de Olive, não pode ver quando a mesma chegou perto de uma pequena casinha de madeira, bem humilde, com chaminé. Ficava no meio de um campo cheio de lodo, onde a grama tinha parado de crescer. As borboletas se espalharam e deixaram Olive enxergar a porta. Ela não queria abrir por mais força que fosse feita. E só depois de diversas tentativas, empurrando-a até mesmo com o ombro e com o pé, foi possível desemperrá-la.

Nada valera muito o esforço. Nada havia do lado de dentro da casa. Nada além de uma menina de longos cachos loiros sentada num cantinho, abraçando os próprios joelhos, tremendo de frio — ou de medo. Parecia ter a mesma idade que Olive tinha.

— Oi. — disse Olive ao se aproximar de mansinho; não queria assustá-la — Com licença.

Assim que notou Olive ali, a menina de cachos loiros levantou abruptamente a empurrando de volta até a saída.

— Não! Não! Saia daqui, senão ela virá buscar você!
— O quê? Quem?! — Olive perguntava, e sem resposta nenhuma, logo já estava de volta à porta — Só quero saber onde estou!

De relance foi que Olive viu, num outro canto da casinha, manchas vermelhas vindo doutro cômodo. Não queria imaginar o que poderia ser aquele vermelho. Passou a odiar aquela cor.

Um terror a envolveu quando pode ver que estranhas sombras vinham do céu cinzento para cobrir a casa de madeira. Todas as janelas se quebraram com alguma pressão estranha, e numa delas foi que um vulto vermelho saltou e entrou, envolvendo a menina de cachos loiros. Uma forte ventania começou, e a porta por onde Olive assistia a tudo foi fechada com muita força, assustando-a demais. Não pode mais ver o que aconteceu com a menina loirinha, apenas quando os ventos cessaram nos segundos seguintes, junto com as sombras do céu. A porta, agora com a fechadura quebrada, rangeu enquanto abria sozinha, lentamente. E foi pela sua brecha que Olive pode ver o que permaneceu no lugar da menina: uma maçã vermelha.

Perto das madeiras destruídas, cacos de vidro e terra molhada, o coelho branco saiu, cavando seu caminho entre as partes da casa, sem se machucar. Assim que viu a maçã, a cheirou. A cheirou mais um pouco. Agarrou a fruta e fugiu pelos destroços.

2 Comments»

  • E a saga continua. Tantas referencias, principalmente Alice.

    Ainda não acabou tem mais?!

  • a saga continua! espero q estejam gostando!! ela ja está terminada, na verdade eu só preciso d tempo em casa pra mandar pra vc, Guns.
    Eu poderia mandar logo todas as partes pra vc ir postando qd puder, ou prefere q eu mande pouco a pouco? eu to percebendo q assim, as datas ficam meio distantes, ja q tem muito conto na agenda. o.o
    anyway, ainda tem mais, mas n se preocupem, nao é nada cabeludo. termina logo, hehehe!

    o/

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério