O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Nov
16
2009

O Abraço

Escritor: Vinicius Machado

o-abraco

Minha vida era a arte de todos os tipos. A capacidade do ser humano de expressar o sentimento através da arte mesmo nos dias de hoje me fascina.

A vida é uma dadiva que só e dada apreço quando estamos prestes a perde-la, hoje eu dou valor a um belo pôr-do-sol, a luz batendo no trigo dourado, é de animar qualquer um.

Comecei a dar valor a isso tudo quando conheci Rodjer, um maestro de música erudita. Com ele conheci o melhor da noite, lugares que nunca imaginaria que existisse, com pessoas que nunca ousaria encontrar, que se provaram melhores do que imaginava.

Certa noite ele decidiu levar-me para um bar, o John’s. Quando entramos fomos direto para o elevador onde havia apenas dois andares, que não eram identificados por número e sim pelos nomes:

Heaven(para subir) e Hell(para descer).

Ele apertou o Heaven. Disse que o hell tinha muita anarquia, não oferecia nada para pessoas de classe como nós. Subimos. Quando saímos do elevador entramos naquele lugar, era muito limpo, todas as pessoas bem arrumadas, no fundo tocava uma musíca linda com uma métrica perfeita como eu nunca ouvira antes. Sentados, ele pediu uma bebida na qual não identifiquei o nome, e nem em que idioma ele pediu. Depois de quase duas horas conversando sobre seus concertos e meu trabalho ele disse que havia algo que gostaria de me dar, assim como foi dado a ele. Então o segui até uma das salas onde havia um piano, criado mudo e um sofá. Ele entrou, sentou-se ao piano, fintou uma musica e disse:
– Me diga Peter você quer ouvir uma obra inédita?

Confirmei com a cabeça. Então começou, cada movimento, cada nota, tudo na musica era perfeito, uma sensação me tomou, era como se eu tivesse sentindo cada centímetro da sala. A musica havia terminado e nem havia percebido. Sentado ao meu lado perguntou:
– Sabe quanto tempo demorei para compor esta melodia?- uma breve pausa de silêncio.
– Cinco anos?- ele deu um sorriso e instantaneamente corrigiu:
– Foram trezentos e cinquenta anos para compor o ato que você acabou de ouvir.- Dei uma risada, mas ele tinha uma expressão séria:
– Co..como assim trezentos e cinquenta anos? Ninguém vive tanto tempo.- Com um olhar tão penetrante, quase hipnotizante:
– Você esta certo, ninguém vive por trezentos e cinquenta anos, mas existe.- Ele disse isso expressando um sorriso irônico.
– O quê? Você esta querendo me dizer que existe a mais de trezentos e cinquenta anos?
– Não meu caro Peter, o que estou querendo dizer é que fui liberto da morte a mais de quatrocentos anos, e quero liberta-lo também.

Houve uma grande pausa, fiquei boquiaberto, não sabia o que dizer diante de tanta maluquice.
– O que me diz?- insistiu
– O que te digo? Digo que isso tudo é no minimo efeito dessa sua bebida! Como pode falar algo assim?- levantei e fui em direção ao elevador- Todo gênio é maluco, só pode!- falei sozinho.

Atravessando o salão, ele parou na minha frente:
– Olha em volta – olhei devagar para o lado onde estavam as mesas, haviam pessoas que sugavam pulsos, pessoas com a boca no pescoço das outras.
– Por favor, você não sabe o quanto foi difícil conseguir permissão para isso!- ele segurou meus braços. – Eu quero eternizar você, mas quero ter a sua permissão.- ele olhava para mim, senti o ar pesado, meu coração estava acelerado. Todos no recinto estavam olhando para nós. Olhei para ele durante alguns instantes.

Desde então apenas louvo o sol se por, o brilho do trigo, por fotos.


Categorias: Contos | Tags: ,

13 Comments»

  • Mais vampiros!! =o
    hehehe

    Olha, achei o conto meio vago. Tem um final quase comico, mas não chega a ter um aprofundamento para que laaa no inicio ele fale que hoje ele da o valor ao por do sol ao brilho do trigo. Achou que faltou algo ai.

  • Vitor Vitali says:

    Well, adorei a idéia da melodia composta em tanto tempo. Como sou músico isso me deixou interessado, mas não passou daí, o conto acaba meio “nhem”. Concordo com o Pistoleiro, acho que faltou algo.

  • ErykCruz says:

    “Quero liberta-lo também” – Que aigo este
    Gostei do conto, é “profundo”, muito peculiar

  • ErykCruz says:

    aigo = amigo

  • Eunice says:

    adorei… achei moderno e atual, mesmo que o cenário seja de …trocentos anos atrás… Parabéns.

  • Vinicius Machado says:

    obrigado a todos pelos coments.
    @guns e @ vitor: Concordo eu faltou mesmo um “tchan!” no final, mas estamos ai xD vou continuar tentando para ver se melhor.

  • Opa!! Sempre =)

    E estaremos sempre estaremos ai para falar bem/mal do seu conto hehehehe… brincadeira, esquema é enviar para ca e ver o que o pessoal acha. =)

  • Patrick says:

    Bem, não sei se posso chamar assim, mas tem um “erro” que costumamos fazer ao escrever, de se prender de mais em uma determinada composição e esquecer outras. Seu conto mesmo quando está narrando tem um ‘quê’ de descrição; O que não é errado, mas se usado frequentemente durante o texto o torna monótono. Porém, é algo que precisa de um certo amadurecimento na escrita, em que consegue-se manter o ritmo do jogo de imagem e as idéias.

  • Vinicius Machado says:

    Opá! valeu pela dica Patrick.

  • Andrey Ximenez says:

    Bom.

    Mas se formos falar de maneira teórica existe um problema. Em teoria do conto diz-se que o conflito deve se apresentar de cara, nas primeiras linhas, algo que aconteceu do meio pro fim. O conflito e a ansia de resolução deste é que prendem o leitor, Vinicius. No próximo tente apresentar o conflito no inicio, e sua resolução de uma maneira mais trabalhada

    ^.^

  • Andrey Ximenez says:

    PS: Vale resaltar a melhora crescente do seu primeiro conto postado aqui pra este, o/

  • cat manhosa says:

    Gostei do conto, achei muito profundo.

  • Thainá Gomes says:

    Gostei do conto.E gostei desses vampiros.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério