O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Nov
10
2009

O Último Feliz Aniversário

Escritor: Raphael Albuquerque

o-ultimo-feliz-aniversario

De que vale viver para sempre quando o seu verdadeiro amor é mortal?

Eu sabia que isso aconteceria que este dia chegaria! Mas eu não imaginava que seria bem no dia do meu aniversário. Fico imaginado o quão amaldiçoado a lembrança deste dia será daqui para frente.

Caminho pelos cômodos da casa na esperança de encontrá-la, mas não a encontro. Dou passos curtos na escuridão infinita. Lembro-me das noites felizes e maravilhosas que passamos juntos, bem ali na sala, depois no quarto e até mesmo na cozinha.

Eu ficava apreciando sua habilidade gastronômica adquirida com o tempo e a experiência, e mesmo impossibilitado de poder comer os mais variados tipos de pratos, eu sempre a elogiava, eu sabia que deveria estar divinamente saboroso.

Mas hoje e nos dias subseqüentes eu sei que essas pequenas coisas mortais não acontecerão novamente.
Dos meus cento e oitenta anos de idade, os últimos oitenta e seis anos, foram os melhores que já passei em toda a minha vida, disso eu não tenho dúvida.

Mais uma vez caminho até a sala, olho para o lado e vejo aquela estante de madeira, de cor bem escura, onde ficam os portas retratos. Não sou forte o bastante, e fracasso na tentativa de engolir o choro. Lágrimas rubras escorrem sobre minha face. Com as costas das mãos enxugo-as, borrando meu rosto de vermelho.

Pego o retrato. Viajo em meus pensamentos centenários, relembrando aqueles momentos congelados no tempo. Mesmo com meus poderes, sou incapaz de voltar no tempo, ou mudá-lo de alguma forma.
Margareth, minha preciosa Margareth! Como eu a amava.

Mas agora ela se foi, para sempre. O que farei? Ainda não sei. Acho que vou me enterrar nesta casa para sempre, pois outro amor igual ao dela nunca mais terei.

Sempre nos conhecemos, desde quando fingi ser um mortal. E quando revelei minha verdadeira natureza, ela não me tratou com diferença. Ela não me recusou me aceitou como eu era, aceitou o que eu tinha me tornado.

Abandonei todos os meus ensinamentos, e fugi de meu mestre. Margareth fugiu comigo, fomos para a Grécia e moramos lá por alguns anos. Tive uma vida ótima apesar da maldição que passei a carregar. Minha linda amada sempre me ajudava, me escondia durante o dia, e foi assim até os dias de sua morte.
Vivemos um para o outro. Ela queria tornar-se igual a mim, mas eu não permiti. Margareth era pura de alma e coração, eu não poderia manchá-la com está terrível maldição, ela certamente perderia o encanto mortal que sempre admirei. Não há nada mais precioso do que a humanidade que vive dentro de cada pessoa. A forma de viver a vida tão intensamente, como se fosse o último dia. Essa virtude é que mais chama a atenção nos mortais.

Com toda essa felicidade, os anos passaram-se tão rapidamente que não percebi. E mesmo ela estando velha, com mais de oitenta anos, meu amor não mudou em nada, e ela era ainda a mesma pessoa que eu havia conhecido há muitos anos atrás.

Mas hoje ela se foi, para onde eu não sei. Mas espero que para o céu, porque uma mulher mais bondosa que ela eu não conheci até hoje. E nem pretendo conhecer, pois minha vida acabou junto com a dela.
Ela foi enterrada pela manhã, eu nem ao menos pude ir ao velório. Mas está noite eu irei, sem falta. Ficaremos um tempo às sós.

Caminhei o mais rápido que pude para o quarto, abri o guarda-roupa e decidi escolher o melhor terno que tivesse.

Quando o retirei notei que no armário havia uma caixinha, bem perto das minhas coisas. Achei estranho, nunca havia visto uma parecida.

Peguei o objeto e sentei-me a cama para abri-lo.

Um relógio. Mais um para minha coleção.

Oh, Margareth!

Minhas lágrimas vermelhas rolaram mais uma vez, agora com mais intensidade.

E ao fundo da caixinha vi um envelope. Sem demora abri, era uma carta.

Recompus minhas forças e prontifiquei-me a ler a carta. Eram as letras de Margareth, lindas como sempre.
Sorri e comecei a ler:

Mike…

Meu amor quero lhe desejar um ótimo aniversário, e que este dia se prolongue por vários outros anos.
Pois quanto mais envelhecemos, mais indispensáveis parecem às pequenas coisas da vida, compreendemos que há diferentes pessoas no mundo, e que devemos aprender a conviver com as diferenças que às vezes são insuportáveis, e isto se chama paciência que às vezes parece acabar, mas quando amamos, conseguimos nos superar e entender que nem sempre podemos levar tudo a ferro e fogo.

Sei que temos grandes diferenças, mas não podemos deixar um minuto estragar vinte e quatro horas da nossa vida.

Eu te amo e espero que me ame também, pois desejo muito ficar ao seu lado por longos anos, mas se isso não acontecer, quero que seja feliz, muito feliz.

Margareth.

Eu poderia dizer que neste momento chorei mais que todos os outros dias da minha vida. A dor da perda é insuportável. Eu havia acabado de perceber que não conseguiria viver com aquela dor atroz, invadindo meu peito como uma lança.

Coloquei o relógio no punho esquerdo e a carta no bolso interno do casaco. Saí em disparada para fora da casa, nem sequer fiz questão de trancar as portas.

Com minha velocidade vampírica corri o máximo que minhas pernas poderiam suportar.

Rapidamente eu me encontrava na frente dos portões do cemitério. Olhei para os lados e nenhum movimento, as ruas estavam desertas, mas logo tornar-se-iam movimentadas, o céu já estava clareando-se.

Com um salto pulei os portões de ferro. Fechei meus olhos e pude sentir minha amada. O senso não apontava para frente, nem para trás, muito menos para os lados. Mas ele mostrava-me outro sentido, para baixo.

Mais alguns minutos e pude ver a grande lápide do túmulo de minha amada. No centro do mármore, repousava sua foto, linda, com olhar distante, como se pudesse ver sua alma. Passei minhas mãos sobre a foto, fechei meus olhos e imaginei que fosse seu rosto. Uma vez mais as lágrimas rolaram.

Suspirei e disse: Tenha calma meu amor, quando o sol nascer, me encontrarei com você.

Ao dizer essas palavras abri os olhos e vi o horizonte, vermelho e onipotente. Em breve o astro rei se levantaria.

Senti medo, mas não perdi a coragem. Ali, agarrei-me as bordas do mármore. A dor seria intensa. Mas seria a última.

Quente! Dor!

Minha pele queima! Mordi os lábios e nem sequer um grunhido saiu de minha boca. Com os olhos fechados só tive tempo de repousar minha fronte na lápide, sorrir e dizer adeus a este mundo.


Categorias: Contos | Tags: ,

17 Comments»

  • Vitor Vitali says:

    Hmm, vampiros Interessante, me lembrou muito Highlander xD Mas não aprecio esse tipo de vampiro “afrescalhado”. Mas o conto está legal para quem curte o estilo ^^

  • Eu gostei do conto.

    Talvez por eu estar lendo recentemente sobre Aragorn, o enredo me fez lembrar do amor de um Elfo imortal por um Homem mortal. =)

    O desfecho seria o mesmo.

  • Que bom que gostaram!
    Realmente o conto lembra esses personagens!
    Acho que na minha opinião, podem existir diversos tipo de vampiros, assim como os mortais, nunca haverá uma personalidade igual!

  • DANI DARK says:

    ÓTIMO CONTO ,AMEI ,ME EMOCIONEI .MUITO LINDO

  • Luis says:

    Eu gostei, muito bem feito, hehe

    Parabens !!

  • sola says:

    ‘rimas rubras escorrem sobre minha face.’

    Mto bom… Deamatico, exelente…

    Ps.: Qria mais tempo para ler tds os contos daq, o numero ta aumentano mto rapido e a qalidade tb.

    xD

    Parabens Raphael…

  • sola says:

    *Lágrimas…

    Ali emcima era pra ser Lágrimas…
    rsrrs

  • Eu estava procurando, onde no conto tinha Rimas… =)

  • Também nao lembro de ter escrito isso, deve ter sido um termo dele mesmo! rsrsrs
    Valeu os elogios pessoal, é pra vocês! rssrs
    E Vamos Bardear!!!

  • Olha, acho que é a versão narrada por Edward se a Bella não tivesse se transformado em vampiro, a única diferença é que ele morreu com o sol =P
    Mesmo assim, o conto é bom.

  • Olha a fã de Crepúsculo ai…

    É a Laize que entra no Teste do Vampiro e cria aquelas histórias la nos comments… só troca de nome 😛

  • Jones says:

    hauhauhauhauhauhauhauhauh só pra curtir a bagunça!!

  • Andrey Ximenez says:

    Curti a escrita, mas concordo com o Vitor em relação a personalidade do amigo vampiro.

    Resalto o q disse Sola tb, ultimamente tem sido dificil de acompanhar os contos, principalmente em epoca de provas =/ , mas vamos la, retomar o tempo perdido!
    o/

  • Báthory says:

    vem cá, todo mundo nesse blog escreve sobre vampiro? ninguém tem um assunto melhor não?

    Gostei do texto, bem escrito, parabéns!

  • Olá Báthory.
    Sim, neste blog vc encontrará varios contos diferentes, eu mesmo já escrevi aqui outros temas de contos que não sejam vampiros!!!

  • Não, não… tem muito mais coisa aqui além de vampiros. =)

  • CARMILLA says:

    Não me canso de ler esse conto,não tem nada a ver com Crepuscúlo,nesse o amor é de verdade e o vampiro ama a sua companheira como ela realmente é , e não tem nada de afrescalhado …Parabêns …

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério