O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Nov
23
2009

Perseguição nos túneis

Escritor: Felipe Ferraz

perseguicao-nos-tuneis

– Eles mataram minha mãe. – essa frase era repetida, tanto em pensamento, quanto em voz, por Fabio, repetidas vezes.

Os três dias legais de descanso após a morte de um parente em primeiro grau, garantidos na CLT, haviam passado. Fabio voltou ao escritório com o rosto inchado, desanimado e sem qualquer condição de executar as tarefas de sua responsabilidade. Raquel e Hans tentavam puxar conversa, buscavam animar o agora órfão colega, mas as respostas monossilábicas e pouco animadas fizeram com que desistissem da ideia.

– Ele não está bem. Vamos marcar um psicólogo a ele. Quem sabe ele não tira uma licença e melhora? – Raquel sugeriu ao chefe.
– Não, somente o tempo irá curar o coitado. Precisamos dar algo para ele ocupar a cabeça. Só não sei o quê…

Hans buscava sugerir algo diferente para Fabio. Algo da cultura irlandesa. Críquete? Noites nos pubs paulistanos? Rúgbi, corrida de cavalos? O homem ruivo ria silenciosamente ao imaginar o colega em qualquer das situações. Contudo sabia que era inútil tentar, forçadamente, livrá-lo daquela angústia. Já estava quase desistindo quando o telefone do escritório tocou. Era o governador, em pessoa. Conversaram durante vinte minutos.

Raquel voltava do almoço quando encontrou Hans preenchendo papéis. Curiosa, viu que eram formulários de requerimento de armamentos pesados, como lança-chamas, e metralhadoras com tripé. “Qual exército vai usar isto?” O ruivo apenas sorriu, e apontou o dedo para Fabio que, perdido em pensamentos e olhando pela janela, não ouviu a conversa dos colegas. “É hora da vingança”.

XXX

A madrugada chegava, e o carro do DEIS São Paulo cruzava a capital estadual até uma das estações do metrô. “Temos relatos, com uma vítima fatal, de que seres estranhos têm atacado pessoas nos túneis subterrâneos. O governador em pessoa me autorizou a usar a força necessária para achar os culpados. Disse também que imagens das tais criaturas, capturadas pelas câmeras de segurança, já estão circulando nos departamentos de polícia”. Ao abrir o porta-malas, mostrou as granadas, caixas de munição e óculos de visão noturna, além das já citadas metralhadoras e lança-chamas. Fabio, sem dizer uma palavra, se apoderou do arsenal, já consumido pelo ódio e desejo de exterminar aquelas que ceifaram a vida de sua mãe. A Hans e Raquel restou guardar a entrada do túnel, para que ninguém atrapalhasse a operação.

Quem visse o agente carregando aquela quantidade de armas presumia uma guerra. E era, sem dúvida, uma guerra particular. Só não trazia mais coisas porque seria impossível carregar tanto peso. Por isso, montou os equipamentos de forma que teria uma visão de 180 graus, com a parede às suas costas. Desta forma, o elemento surpresa estaria descartado. Nada atrapalharia sua operação.

Para chamar a atenção dos zumbis, Fabio cortou sua mão e espalhou sangue em diversos lugares da estação. Nos trilhos, no saguão de embarque (até na faixa amarela) e nas escadas rolantes. A dor do corte não foi sentida. Como em um jogo de primeira pessoa, só precisaria mover sua arma, mirar e exterminar qualquer ser branco e sem pelos, sedento de sangue a carne humanos.

Não demorou para os uivos começarem a ser ouvidos. Os mesmos uivos que sua mãe um dia ouvia e rezava para que os zumbis não chegassem à sua casa. Pelo barulho, pareciam muitos. Mas três apenas apareceram, para cheirar o sangue. “Maldito eco” pensou. Como em um exercício de tiro ao alvo com pistola, Fabio acertou a cabeça de dois, matando-os na hora. O terceiro poderia ter desaparecido da mesma forma, mas o rapaz quis brincar um pouco com sua presa, atirando na perna. Riu alto, com controle da situação. O ser branco e assustado se arrastava para o túnel, onde durante o dia o metrô circula. Fabio impedia seu progresso chutando a cabeça, pregando sua mão no chão com uma faca, e apagando o cigarro nas costas.

Já fraca, a criatura ainda tentava se mexer, mas era logo contido pelas agressões do ex-delegado. Estava prestes a morrer, e seu último suspiro foi um grito extremamente agudo e potente, em direção às escadas. Era um pedido de socorro. Em resposta, diversos uivos e gritos estridentes começaram a surgir, tanto do túnel quanto das escadas. E desta vez não era o eco, eram sim dúzias de seres como aquele que acabava de ser torturado.

Fabio correu para detrás da metralhadora com tripé, e atirou em direção a seus oponentes. Cada bala exterminava dois ou três zumbis, e os tiros vinham em uma sequência extremamente rápida. Isso conteve o avanço dos mesmos. Com uma granada, fechou a passagem das escadas, pois a labareda que se formou impedia o acesso à estação. Mas a munição começou a terminar, e as criaturas apareciam como formigas.

Resolveu correr para o outro lado do túnel. Colocou os óculos com visão noturna, pegou o lança-chamas e correu. As criaturas tinham uma velocidade incrível, e alcançaram Fabio com certa tranquilidade. Foi aí que começaram a ser, literalmente, fritadas. Cada rajada de fogo culminava em um zumbi desesperado, exclamando sua dor e buscando, com as mãos apagar o fogo. Em vão, poucos segundos depois caía, com a pele preta.

Porém, mais uma vez, a quantidade de zumbis era maior que a capacidade do armamento. Fabio, para esgotar o combustível, fez uma parede de fogo, e jogou três granadas ao outro lado. Por alguns segundos, ficou protegido, enquanto ouvia as explosões e os lamentos de seus inimigos. Mas quando um deles atravessou a cortina de chamas, só restou uma luta corporal. Ele sabia que perderia esta luta, então sacou a pistola no primeiro momento em que conseguiu uma distância segura. Atirou no braço, o que não conteve seu oponente. Atirou na perna, arrancando risos do zumbi, que caiu de joelhos, se levantando em seguida. Só restava a faca, e foi isso que Fabio usou para encerrar a luta, ao cortar a garganta do zumbi.

Caído nos trilhos, o ex-delegado notou o silêncio do local. Ao caminhar de volta, via, com os óculos especiais, corpos carbonizados, com marcas de bala, expressões de dor. A cada cadáver daqueles que mataram sua mãe, uma sensação de dever cumprido tomava conta de seu peito. A quietude corroborava a tese de que os que não morreram, fugiram. Havia vencido-os, com a ajuda de Hans e Raquel, que não se intrometeram na luta. Sua mãe estava vingada. Podia, agora, dormir em paz.


Categorias: Contos,D.E.I.S. | Tags: ,

28 Comments»

  • A imagem utilizada para o post é o plano de fundo do Guns =P

  • Adorei!
    Uma verdadeira matança no subsolo! =)

    Achei bem legal a narração de início, mostrando um momento do dia-a-dia dos agentes e logo em seguida partindo para a ação. Foi curto, mas mostrou tudo que deveria mostrar.

    Consegui imaginar bem o pessoal dirigindo por São Paulo, até chegar no metro. Texto bem escrito. =)

  • É .. hehehe.. a imagem ali de cima eu uso como papel de parede no meu notebook. =) … mas claro que em proporções maiores =)

  • ErykCruz says:

    Realmente muito bom! Adoro as historias do D.E.I.S., tanto do RS quanto os de SP, mas é claro que os de brasilia tambem estão otimos.
    Quando estava lendo a parte da tortura com o zumbi cheguei a ficar com pena, mas me toquei que era um zumbi então que se foda. Bem escrito

  • Achei a história bem legal, mas assim… Alguem me diz o que é DEIS? Procurei no google e não achei nd. huahuuahhua

    Departamento Estadual de Inspeção Sanitária? Acho que não matariam zumbis, apenas baratas. huauhauhuha

  • ErykCruz says:

    D.E.I.S.
    Departamento Especial de Investigação Sobrenatural
    É um departamento criado pelo Jones, que está se espalhando pelo Brasil. Se bem que agora há também em Portugal.

  • Vitor Vitali says:

    Uh, gostei. 🙂 Adoro Zumbis.

  • D.E.I.S. se espalhando!! O mundo de aventura do Jones esta ganhando pernas. =)

  • Vinicius Machado says:

    Put@@#$ m@#$da adorei! Parabéns!!!

  • Dig Gil says:

    [Revisão] O titulo e imagem pareciam atractivos, mas depois… vidas de pessoas (blá, blá)… Então li «(…)eram formulários de requerimento de armamentos pesados, como lança-chamas, e metralhadoras com tripé. “Qual exército vai usar isto?”»
    e lembrei-me logo do Burt Gummer. [Critica] Eheh essa foi boa!
    Depois parecia o relato de um ida ao ‘laboratório X18’ no videojogo “S.T.A.L.K.E.R. Shadow of Chernobyl”. Nada mau.
    Apartir daí… 3 em 5 que tal?

    [Comentários] Ah! Um lança-chamas a ser usado enquanto tinha a visão nocturna ligada! Deve ser por isso que faltavam munições: imagino as vezes falhava os tiros por não ver no brilho intenso (anacronismo à parte 😛 ).
    Ainda não li nada do DEIS sem ser este texto, mas ei de experimentar.

  • ErykCruz says:

    não entendi muito bem o comentario ai em cima

  • Hehe.. acho que ele não gostou muito =)

  • E.U Atmard says:

    O comentário em cima, trocado por miúdos, seria que está um pouco incoerente, e que as armas parecem que vão para arrebentar um país.

  • Jones says:

    Tipo, ainda não li, vou ver se leio por agora, fugi da aula de matemática, tava um saco he he he he. Mas tipo, não poderia de deixar de comentar (que surra pra falar isso) sobre D.E.I.S. se espalhando, parece uma doença he he he he.

  • cat manhosa says:

    Eu gostei, deu ate pra sentir um medinho…

  • Jones says:

    “O ser branco e assustado”,”Cada rajada de fogo culminava em um zumbi desesperado, exclamando sua dor e buscando, com as mãos apagar o fogo.”, isso me faz pensar que estes zumbis tem inteligência e sentem dor! Uma nova versão de Zumbis, como já disse antes, nos relatos do D.E.I.S. existem diverss tipos de Zumbis, vampiros, lobisomens e tudo o mais, só não façam Vampiros que brilham na luz huahauhauhauhaua. Gostei destes Zumbis.
    Todo óculos de visão noturna se dá pela intensificação de luz?????? Não sei se é assim, mas tipo, pde-se dizer que estes são especiais e tem outro meio para gerar tal visão noturna. Novas técnologias.
    Apanhado geral sobre conto: Felipe vc esta melhorando a cada história, gostei de ver Fábio massacrando os zumbis e ver a escala evolutiva de cada personagem dando uma certa profundidade a eles. Gostei do texto!

  • Felipe Ferraz says:

    Olá pessoal, desculpa estar comentando meu próprio texto só agora, é que achei que ia ser publicado dia 26, devo ter confundido, hehe.

    Fabio sempre foi um incrédulo quanto ao DEIS, e agora que as criaturas mataram sua mãe, ele entrou pra valer na equipe.

    Jones, fico contente que vc esteja gostando, afinal a ideia original é sua. É como se eu recebesse um elogio do Stan Lee sobre um texto hipotético do Homem-Aranha.

    A questão das reações doz zumbis, na minha visão parecem instintivas, e não racionais, como se alguem pegase fogo iria tentar apagar com as mãos, quando na realidade o correto seria rolar no chão.

    Guns, a imagem casou perfeitamente com o texto! >:D onde vc a conseguiu?

  • Na internet.. onde mais?! =)
    Te mandei ela pro seu e-mail.. inteira. 🙂

  • RenanMacSan says:

    Gostei, boa história de zumbis.
    Só faltou uma coisa pra ser uma história normal… ele morrer no final e virar zumbi tbm. hehehe

  • Carlos Geovanni says:

    ‘Desculpe pessoal, mas o que é D.E.I.S.?

  • Jones says:

    Vamos nós, he he he he, Departamento Especial de Investigação Sobrenatural. Um departamento da policia civil que tem até agora quatro quarteis, o RS, o SP, o Brasilia e o Portugal, sim eles estão em Portugal, e tem uma boa explicação para isso he he he. Ah sim, e esperam para o inicio do ano que vem algumas novidades sobre o D.E.I.S. RS!

  • Bruno Vox says:

    Bom conto, gostei muito, e o Spams(pessoas loucas fazendo comentários loucos) saíram dos contos dos vampiros e estão invadindo todo o One.

  • Felipe Ferraz says:

    Mas o Deis Portugal já está ativo????

  • Felipe Ferraz says:

    uhuuu, entre os mais lidos, heheheh

  • Ledark says:

    Adoro contos com zumbis, e esse é só mais um motivo por eu ter gostado desse conto. A narrativa flui com consistência té o final, e o bando de sangue pelo texto está bem justificado. Parabéns!

  • Arjan says:

    – Eles mataram minha mãe. – essa frase era repetida, tanto em pensamento, quanto em voz, por Fabio, repetidas vezes.

    Essa frase me fez querer parar de ler o texto já no começo. Detesto repetições repetidas de palavras, se é que você me entende.

    Mas, no geral, bom conto. Prende a atenção e tem ação bem-descrita!

  • Shado Mador says:

    É muito bom o clima de vingança e a matança dos zumbis.Só achei algumas coisas incoerentes , tipo zumbis megaq rapidos , que semtm dor, que chaman por socorro , que são ajudados, que pensam , e tipo quando o zumbi atravessa , e ele tem duas balas de pistola , pra q atirar no braço e na perna se podi atirar na cabeça e nem usar a faca?Foi tipo sadismo?Ele errou os tiros?

  • Nossa, que achado aqui!! Estou seguindo seu blog diariamente a 1 mês e estou impressionado. Por favor continue com o bom trabalho e artigos, eles são muito bons! Isso está cada vez mais raro!! brigado!!

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério