O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Nov
12
2009

Wulfgaard ‘Bjorn’: A saga de um guerreiro – Parte 6

Escritor: Gabriel Cunha

a-saga-de-um-guerreiro

Capitulo 1 – Um Novo Começo

Haviam se passado algumas semanas desde aquela noite. Ailith já arriscava algumas palavras em Dinamarquês e nós conhecíamos um ao outro a cada dia que passava. Assim como a maioria dos saxões, ela rezava para o deus cristão, mas isso nunca causou uma briga entre nós.

A aldeia estava mudando, crescendo. Casas estavam sendo construídas, a velha igreja de pedra estava sendo reformada, um grande salão quase pronto tomava lugar no ponto mais alto da aldeia, que ficava junto ao paredão de pedra que terminava no rio. A paliçada também estava sendo feita com agilidade, pois seria a nossa única defesa contra um ataque saxão.

Agora, Ailith e eu, tínhamos a nossa própria casa, que dividíamos com mais duas famílias. Não era o melhor conforte que eu queria dar a ela, mas foi o que eu consegui de melhor. A casa possuía apenas um cômodo. Tinha o chão de junco, uma lareira no centro dele, que servia para fazer a comida e iluminá-lo. Havia uma abertura no teto de turfa para a fumaça sair, mesmo assim a maior parte da fumaça ficava dentro da casa e os incêndios eram constantes. O cômodo possuía também um pequeno tablado de madeira nas laterais e no fundo, onde ficava a cama-caixote para Ailith e eu, e também uma cadeira entalhada onde somente o chefe da casa poderia se sentar. E o chefe da casa era eu, porque agora eu tinha uma família.

Haviam chegado pelo rio pelo rio Crouch, há uns dias atrás, dois knorrs – que era a embarcação utilizada para transporte. – com as esposas, irmãs, irmãos e filhos dos homens que agora moravam na aldeia. Nem todo homem possuía esposa e filhos na Dinamarca, e esses, assim como eu, logo formaram família com as mulheres saxãs encontradas lá mesmo, ou em vilarejos próximos onde fazíamos saque. Esses homens, por amor ou influência das esposas, acabavam se tornando cristãos. E assim a população cristã foi crescendo junto a nós, os pagãos.

À pedido dos cristãos a igreja estava sendo reformada para que os novos e antigos tivessem aonde falar com o seu deus, e também foi pedido que um padre fosse mandado à aldeia para realizar as missas.

Wulfgaard não questionou o pedido dos cristãos, afinal, queria agradar saxões e dinamarqueses. Quando tomávamos uma cidade, matávamos apenas os homens que a defendiam. Os outros continuavam lá, com a mesma vida de antes. Até mesmo os governantes eram mantidos, mas quem dava as ordens, éramos nós. Por conta disso, Wulfgaard me incumbiu de apanhar um padre que se encontrava na cidade de Thundersley, que ficava a meio dia de cavalgada. Meu senhor não queria que eu fosse sozinho e falou para que eu levasse alguns homens comigo, mas preferi ir sozinho, assim iria mais rápido. Me despedi de Ailith nas primeiras horas da manhã daquele dia e disse que voltaria logo. Ela estava apreensiva, não queria que eu fosse sozinho. Ainda havia saxões escondidos em alguns lugares. Pequenos grupos, mas contra apenas um homem poderia significar a morte. Mesmo assim eu tentei tranquilizá-la dizendo que amanhã eu estaria chegando com o tal padre. Ela me abraçou e me deu um beijo demorado. Tentou esconder, mas eu vi que tinha lágrimas em seus olhos quando me afastei da casa indo em direção ao estábulo apanhar Swarta, meu cavalo negro como a escuridão.

– Uuuh… Agora além de cantarolar, também toma conta de velhos.
– Não sei o que sua mãe tinha na cabeça quando pariu a mesma coisa que eu cago, Halfdan.
– Hahaha! Se minha mãe parisse o que você caga, ela o chamaria de Johan!

Os homens riram alto dos insultos amigáveis trocados entre nós. Havia bastante movimento no centro da aldeia. Mulheres carregavam cestos, homens trabalhavam nas casas, na igreja e na paliçada, e crianças corriam ou simulavam combates empunhando pedaços de pau.

– Fiquei sabendo que você vai buscar o padre em outra cidade, e pelo jeito quer se divertir sozinho. – Halfdan estava no centro da aldeia com outros homens.
– É verdade. – respondi. – Quis ir sozinho porque não há motivo para cansar mais cavalos, e também eu não iria cavalgar meio dia de viagem ouvindo sua voz, como se uma cabra velha estivesse balindo ao meu lado.
– Você está muito engraçadinho hoje – Halfdan ria com os outros homens. – tome cuidado para que nenhum saxão enfie uma lança pelo seu rabo e saia pela sua boca.

Eu apenas aquiesci e me dirigi ao estábulo. Selei Swarta, acariciei seu focinho, dei um tapinha em sua barriga e montei. Swarta era um garanhão grande e veio em um dos knorrs que chegaram com as famílias. O céu estava limpo e já não fazia tanto frio, pois a primavera havia chegado. Cavalguei em direção ao que seria o portão da aldeia. Ainda estava sendo construído. E lá estava Ailith com as mãos entrelaçadas, olhos vermelhos, segurando um cordão de couro com uma cruz amarrada na ponta.

– Johan! – Ela gritou. – Volte com o seu cavalo ou sobre ele.

Ela ergueu o cordão e eu me abaixei. Ela o pôs em meu pescoço e a cruz ficou sobre a roupa. Bati o calcanhar em Ailith, saí da aldeia, e assim comecei minha jornada para buscar um padre.

6 Comments»

  • Gabriel, pegando uma pergunta feita em um outro conto… você pesquisou aonde para fazer este conto? Tem bastante detalhes de lugares e culturas. =)

    E esta ficando uma mega história =)

  • Se não fosse o google, o que seria de mim? huahuuhaa

    A maioria das coisas foi por lá mesmo, através de sites em vários idiomas sobre a cultura e língua nórdica. Houve também a pesquisa em livros e professores de Medievalismo.

    Apenas adiantando um pouquinho… Alguns dos nomes e personagens realmente existiram, mas claro que tomei a liberdade de criar uma personalidade para eles, porque documentos falando sobre tais pessoas são muito raros de achar, e difíceis de entender.

    Uma ótima leitura a todos.

    Held i kamp!

  • Antes que alguem fale… Sim. Me confundi com os nomes no final. Ele bateu os calcanhares em Swarta e não em Ailith… huahuuhauha

  • Sayu says:

    eu bem estranhei a coisa dos calcanhares HUAHUEHA

    e se esses são os insultos amigáveis, imagino os que servem pra ofender de verdade XD

  • Thainá Gomes says:

    Valeu muito à pena você pesquisar,está muito bom.

  • Shado Mador says:

    Fiquei pensando se não era romantico bater com o calcanhar na mulher.A história está ótima.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério