O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Dec
15
2009

Contagens – parte 2

Escritor: André Luiz Silva

contagens

Lavou o rosto umas quinze vezes para se certificar que não estava tendo um pesadelo. Voltou para sua sala, ainda chateado por aquilo ser verdade. Xingou o remédio tarja preta que começou a tomar e avisou para a secretária que sairia o dia inteiro (se surpreendeu ao ver os números na cabeça dela também). Desceu o elevador com várias pessoas. Um homem o achou esquisito ao vê-lo olhando tão fixamente para cima de sua cabeça e olhou para o alto para ver se tinha algo errado.

Colocou os óculos escuros ao sair na rua, mesmo estando nublado, e andou com a cabeça baixa tentando ignorar os números nas cabeças das pessoas. Pegou um táxi e disse sem muita simpatia o endereço de destino.

– Algum problema, moço? – perguntou o motorista.
– Não! Dirige e chega ao destino – respondeu rispidamente
– Sai do táxi, agora – gritou o motorista.

Ao olhar para cima, Henrique viu os números na cabeça do motorista:

00:00:01:25

Saiu do carro meio contrariado e viu o motorista arrancar com o carro e bater em cheio num caminhão de engradados. O coração dele foi à boca e perplexo percebeu o que significava os números: a hora da morte de cada pessoa.

– Mais por que isso aconteceu comigo? Tanta gente no mundo para ficar com esse poder e logo eu.

Pegou um ônibus e chegou em casa. Os números estavam começando a incomodar menos do que no principio. Sentado no sofá começou a tentar raciocinar sua situação e como isso começou, lembrou do inicio do dia, do quase atropelamento e de alguém o salvando. Imaginou que a pessoa que o salvou saberá ter uma resposta. O ímpeto de procurar pelo salvador diminuiu ao lembrar que veria a hora da morte de todos na rua. A idéia o desanimou e preferiu ficar em casa.

– E agora? – disse para o espelho – eu vejo os malditos números em todo mundo, menos em mim! Isso deve ser um pesadelo, daqueles de sono pesado, talvez dormindo no pesadelo eu acorde para a vida real.

Deitou e conseguiu cochilar depois de horas de esforço. Acordou com o grito de sua filha no andar inferior. Os passos ecoando ao subir as escadas. A menina entrou arrombando a porta com sua felicidade e pulou na cama do pai. Deu um sorriso largou e abraçou seu super-herói. Nem percebeu a cara de assustado dele ao olhar para cima de sua cabeça e ver o número:

00:24:00:00

– Não…não – disse ao ver a menina descendo as escadas com a boneca a tiracolo

Nota: desculpem pela demora da atualização, fiquei sem placa mãe, agora tudo volta ao normal, desculpem novamente!!!!


Categorias: Contagens,Contos | Tags: ,

1 Comment»

  • Vitor Vitali says:

    Droga, cortado de novo. Queria ler esse conto todo de uma vez. É um fanfiction de Death Note? Bem, de qualquer forma a abordagem está legal, estou gostando.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério