O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Dec
16
2009

Estrada para o Amanhã

Escritora: Tabata Scorpioni

estrada-para-o-amanha

“A grande meia verdade: a liberdade.”
(William Blake)

Acordou num sobressalto. Não deveria ter dormido. Não podia se presentear com tal luxo. Tempo era uma coisa que não podia gastar com amenidades. E a única coisa que não considerava como amenidade, naquele momento, era correr. E correr muito.

Levantou apressada da grama, encostou-se no tronco da árvore atrás de si e passou a analisar o local. Procurou por qualquer sinal de rastros de cavalos ou de homens. No entanto, nada encontrou. E como aquilo a deixava tranqüila.

A fujona sabia que não podia, não deveria parar, mas estava cansada. Há três dias corria dos feitores. Sem comida, sem água, sem descanso. Se não parasse por pelo menos alguns minutos, morreria.

Deslizou pelo tronco da árvore, até chegar ao chão. Pouco a importava que a madeira lhe machucasse as costas. Nenhuma dor física podia ser maior que a dor que sentia na alma. Palavra nenhuma poderia descrever o que estava sentindo. Talvez vergonha, raiva, desespero, felicidade. Nunca saberia definir.

Poderia nunca viver o bastante para definir.

Balançou a cabeça para tentar afastar aqueles pensamentos que a forçavam a ficar ali: sentada no chão, olhando para o nada e com mil e uma idéias mórbidas passando pela cabeça.

As nuvens de chuva foram se dissipando e o sol apresentou-se límpido e aquecedor. Ela olhou pra cima e viu os pássaros voarem apressados por entre as árvores. E os raios solares atingiram seus olhos e sua pele, injetando esperança em seus poros. Tinha de acreditar.

A mulher forçou as pernas a se firmarem no chão e deu o impulso para ficar em pé. Forçou-se a levantar. Não podia desistir agora. Seria a maior estupidez já vista, pois por frio, calor, fome, sede, exaustão, desespero e solidão havia passado. Só faltavam alguns quilômetros.

Seu pai viria matá-la se soubesse que pensava em desistir. Não podia.

Por seu pai. Pelo seu sacrifício, correu.

Correu até o Sol encontrar a Terra e a Lua encantar o céu de ébano com a sua luz e o seu mistério. E depois, continuou correndo.

Não parou um minuto. Sentia que algo a espreitava. Alguma coisa estava por perto. Sentia o cheiro de uma coisa que desconhecia, mas que sabia existir.

O cheiro impregnou em si, nos seus trapos surrados que chamava de roupa, em seus cabelos, em seu cérebro, em seu coração. Cada célula de seu corpo podia senti-lo. Aproximava-se, só não sabia do que.

As estrelas lhe mostraram o caminho pelo qual devia seguir e ela alcançou o que tanto procurou. A ponte que a separava de tudo que um dia sonhou. Não acreditava no que seus olhos lhe mostravam. Estava ali e estava viva. Chegara.

Correu de novo e pela última vez.

Viu, sentiu e reconheceu aquele cheiro.

Fechou os olhos, abriu os braços e se rendeu ao vento.

Liberdade.

barra

Dedico o conto à minha gloriosa professora de química, Sheila, que me inspirou tanto para escrever esse conto. E agradeço também aos outros 139 alunos que conversam como hienas e não a deixaram perceber que eu estava com fones de ouvido. A todos, muito obrigada.


Categorias: Contos | Tags: , ,

4 Comments»

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério