O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Dec
17
2009

Imortal, eterno, infindo

Escritor: Vitor Vitali

imortal-eterno-infindo

Havia um garoto, e isso é o que diziam, pois as histórias sobre ele se perderam no tempo e poucos de facto sabem algo ou alguma versão sobre elas. Mas bem, foi dito que ele nasceu na Europa quando ela dava seus primeiros passos após anos engatinhando em uma era de estagnação conhecido como idade das trevas.

O garoto seria filho de um padre com uma vilã. No entanto outras versões dizem que ele na verdade nasceu da terra em um ano de colheita ruim, outras ainda dizem que ele foi fruto da herética união de duas mulheres em uma noite aonde a lua enebriava os corações e regia a sinfonia noturna de mendigos e gatos de rua. Pois bem, o garoto não foi bem recebido e no colégio diziam a ele que não passava de uma aberração e que nunca seria alguém na vida. Triste com os insultos ele correu até e invadiu escondido a biblioteca de seu colégio, aonde os padres não deixavam que se entrasse e lá passou a noite. Descobriu que o os livros durante aquele período tornavam-se mais interessantes e ele não parou de ler até que amanhecesse.

Alguns dizem que ele leu três livros proibidos, outros dizem que ele toda a biblioteca, enquanto alguns outros afirmam que ele não sabia de fato ler. Ora, empolgado com o que havia lido, ou não, ele decidiu se impor e disse a todos, subindo na mais alta torre, que ele seria alguém e que ninguém iria impedi-lo.

Fugiu e viajou para todos os continentes, aprendeu todas as linguás, leu todos os livros e dançou todas as danças. Diziam a ele que não poderia viver daquela forma, mas ele provou o contrário. Continuou em suas viagens, deitou-se com todas as mulheres e participou de todas as guerras. Foi escritor, leitor, padeiro e padre. Amante, marido, filho e até mulher. Viajou as pirâmides, conheceu Beethoven, tropeçou em Roma e enebriou-se em Paris.

Em certos momentos, foi dito a ele que o mar era perigoso e que ele não poderia atravessa-lo.

Discordando de todos se lançou ao mar e foi um dos marujos que ajudou a achar e invadir as Américas. Despojou uma índia e partiu para o Japão. Treinou artes marciais e ganhou competições.

Ajudou a erguer Reis e ajudou a derruba-los e sempre que diziam a ele que ele não poderia fazer algo, ele provava a todos que estavam errados.

Ora, muitos anos depois já tão velho quanto um velho poderia estar. Diziam a ele que as dores chegariam, o cansaço, a fadiga da idade. Mas para ele nunca chegaram, pois assim ele queria.

Disseram então que nada dura para sempre e que um dia mais cedo ou mais tarde ele haveria de morrer. E o tempo foi passando e aquele garoto nunca morreu, pois disseram a ele que ele iria algum dia. Dizem que está por aí até hoje. Dizem que foi eleito na califórnia. Outros falam que tornou-se Papa. Alguns contam que mora sozinho em um país de gelo e outros que ele nunca existiu. Bem, muito se diz sobre ele, mas pouco se sabe ao certo. O que falam por agora é que ele tornou-se uma estrela, pois certo diz uma criança disse a ele que nunca poderia ser uma. Quem vai saber? Acredito que ele esteja por ai. Imortal. Eterno. Infindo. Comendo da vida tudo que ela ofereceu e festejando a aurora que nunca há de deixa-lo. Ou talvez a manhã tenha chegado e por fim então um padre veio acorda-lhe com pontapés.


Categorias: Contos | Tags: , ,

7 Comments»

  • Muito bom conto Vitor!

    Primeiro achei que ele estava cheio de anacronismos, afinal o garoto nasceu na idade das trevas e logo depois ja estava conhecendo Beethoven. 🙂

    Mas tudo era um sonho.. hehehe.. e o padre acordando ele com um chute deu um ar cômico na história! Gostei! 🙂

  • Aaaa sim… foi baseado na música do Raul Seixas?!?! =)

  • Alinne says:

    Na verdade ele viajou em suas leituras na biblioteca em que os padres não o deixavam entrar!

  • Hey, tem uma parte que parece que falta uma palavra:
    “Triste com os insultos ele correu até e invadiu escondido a biblioteca de seu colégio”…
    Mas, ótimo conto, ele era o cara hahaha (pelo menos em sonho).

  • Patrick says:

    Ficou um pouco mal revisado, mas gostei…

  • RenanMacSan says:

    Hehe, também pensei no “Eu nasci há 10.000 anos atrás” pq o protagonista pode tudo.
    Bem legal. Ao longo da leitura fui pensando… um deus? um vampiro? Kvothe (o nome do vento)? Ra’s Al Ghul?

  • Lord Jessé says:

    Bem interessante. E adorei o final em que o padre acorda ele aos chutes.

    E como dito sobre a musica, é, só faltou ele ver Moisés abrir o mar vermelho.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério