O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Dec
11
2009

Reforma

Escritor: Nina Rocha

reforma

Opaca. Assim era sua visão. As lentes arranhadas jamais seriam capazes de corrigir a tal imperfeição. Perdia tempo no trabalho e adiava o máximo o seu retorno ao cárcere privado. Quando chegava à pequena e velha casa, atirava o chapéu sobre os livros na escravinha. Já se tornara um ritual. Esfregava os olhos.

Queria sempre ter certeza de tudo que vira. Deitava-se sobre a estreita cama – há dias já não arrumada -, e se observava a não se importar com nada, contanto a si mesmo. As pupilas já dilatadas acompanhavam o rasgo que seguia na parede descascada. Ia até o teto, e então voltava ao chão e aos papéis nele espalhado. O que aconteceria se aquela fenda, por um instante, abrisse? Toda sua grandeza ou toda sua insignificância se reduziria a um desmoronamento ou seu reconhecimento póstumo o levaria a ser eterno, graças a algo que nunca vivera? Afinal, não era tão miserável como aparentava ser. Poderia ser mais gentil, se as pessoas fossem mais espertas. Por um instante, a rachadura permaneceu ali. Mas só por aquele instante. No dia seguinte, lá estava com a massa corrida, pronta para tampar os buracos. Pelo menos o de sua modesta moradia. Talvez sua visão já não fosse mais tão opaca? Mas o mesmo não poderia ser dito sobre sua existência.


Categorias: Contos | Tags: ,

7 Comments»

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério