O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(15) Orcs [poesia]

Publicado por The Gunslinger

– que publicou 1572 textos no ONE.

Ocupação: Analista de Sistemas de Colaboração, Escritor, Blogueiro.

Grupo a que é filiado: O Nerd Escritor, Blog do Gunslinger.

Base de operações: Corupá, SC – Brasil.

Interesses: Literatura, Cervejeiro, Internet, Teoria Computacional da Mente, Tiro com Arco e Futebol Americano.

Autor(es) Influênte(s): Stephen King, Bernard Cornwell, J.R.R. Tolkien, Neil Gaiman, Patrick Rothfuss, Paulo Coelho.

Livros que recomendo: A Torre Negra (Stephen King), Crônicas Saxônicas (Bernad Cornwell), Crônica do Matador do Rei (Patrick Rothfuss), O Silmarillion (J.R.R. Tolkien), Lugar Nenhum (Neil Gaiman), O Diário de um Mago (Paulo Coelho).

>> Confira outros textos de The Gunslinger

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jan
29
2010

Os Filhos Do Gelo

Escritor: Pandion Haliaetus

os-filhos-do-gelo

Enquanto escalava o Monte Jomurgand, Jotun observa uma enorme pedra que rola mortalmente em sua direção. Por um instante o frio desaparece e seu sangue acelera, e tão rápido quanto uma raposa das neves o gigante de cabelos negros tomba para o lado e se afunda na neve, fazendo com que a morte passe de raspão em seu corpo.

Ao sair de sua toca, o guerreiro olha o precipício e apenas escuta o som do vento gélido cortando cada parte pontiaguda da montanha, e do pedregulho se despedaçando aos poucos cada vez que toca a montanha de gelo e neve. Com a intuição aguçada de um bárbaro acostumado ao inferno gelado, ele pressente que algo está errado, mesmo que seus olhos não vejam e seus ouvidos não oucam a ameaça.

Repentinamente um sombra avança e toma lugar sobre a sua. Jotun vira-se rapidamente movido por um instinto felino e vê que algo se aproxima por cima. Mas ao olhar é ofuscado pelo sol, e em um movimento involuntário ele pula para o lado, como que quem escapa de uma manada vindo em sua direção. No lugar aonde a poucos momentos ele estava, agora está um gigante, coberto por pesadas peles dos animais das montanhas, em sua cabeça veste um elmo fechado apenas com os olhos e boca a mostra, com dois chifres, em suas mãos um temível machado de duas lâminas.

O impacto do homem foi tão intenso que no local uma parte da econsta começa a ceder, e ele olhando aterradoramente para Jotun, pisa com força no local do impacto fazendo com que aquela parte desabe. Agora de pé, pode-se ver que Jotun mais parece uma criança se comparado ao tamanho de seu agressor.

Olhando para os lados, Jotun desata seu machado-picareta das costas e profere – O que desejas cão? O que um filho de Wyrm tem com um Yuesir – enquanto contrai os músculos para que esses se aqueçam e fiquem preparados para o combate.

Com um olhar tão frio quanto um cadáver e a voz tão gutural quanto um bisão, o gigante das neves fala. – Sua cabeça, bárbaro das estirpes planas. Hoje você será a oferenda ao poderoso Wyrm, e por sua causa meus irmãos haverão de crescer mais fortes.

Por alguns segundos ambos se entre olham e o vento sussurra a seus ouvidos o cântico da morte, assovios sinistros e medonhos. O local da batalha é pequeno, e qualquer erro será fatal.

A cria de Wyrm toma o machado em duas mãos enquanto avança a passos largos por entre a neve. Jotun segura o sua arma com uma das mãos e pretende um ataque vindo de baixo, o Wyrm ergue o machado como quem pretende partir a montanha em duas. Jotun rapidamente puxa uma faca das costas e arremessa em direção ao rosto do gigante, o qual defende a faca com um dos braços, fazendo com que ela se interre em seu antebraço. Jotun aproveita o momento e desfere um golpe vertical visando o dorso do inimigo, mas antes que a lâmina encontre o destino uma nuvem de neve sobe, provocada por um movimento de perna do tenebroso adversário. Jotun tenta se proteger mas é arremessado longe por um golpe violentíssimo do braço intacto do Wyrm.

Assim que a neve assenta, o gigante procura sua presa e vê que ele está se segurando por um dos braços na beira do precipício. Soltando uma gargalhada, sua voz ecoa incontavelmente, enquanto ele se aproxima para buscar a cabeça do pequeno intruso. Mas assim que ele põe seu rosto a mostra, Jotun usa o machado com a outra mão e crava a parte pontiaguda na canela do bruto, fazendo com que ele instintivamente se mova pra trás em um urro de dor. Jotun aproveita o movimento e sobe para a pequena porção de pedra e neve que é o palco da luta, agora manchado com sangue, dando uma nova coloração a visão estéril.

Com o machado cravado em sua perna, o gigante se abaixa para arrancá-lo, Jotun corre e salta, usando seu corpo como um aríete, fazendo com que o adversário perca o equilíbrio, e agora caído em cima do adversário, o gigante tenta agarra-lo, enquanto Jotun visa retornar seu machado, e tão logo que a mão do adversário agarra a cabeça de Jotun, fazendo com que ele se sinta um simples boneco, ele retira a faca do antebraço, cravando-a no peito do gigante por entre as peles fedidas. Com isso Jotun é solto, e salta para trás rolando e puxando seu machado da perna do inimigo.

Jotun tira um tempo, para limpar o sangue de sua boca, enquanto o Wyrm se levanta da neve e range os dentes como um animal raivoso. Jotun observa bem o palco da luta e um plano surge em sua mente. Rápidamente ele avança e o adversário ruge brandindo seu machado, quando muito próximo ao impacto dos machados Jotun cessa seu movimento e gira o corpo no mesmo sentido da lâmina, fazendo com que um rasgo apareça em suas costas, mas criando uma abertura para que sua lâmina encontre em cheio o crânio do gigante. O som do metal se partindo ecoa pelos ares e o gigante tomba em meio a um jato de sangue. O elmo voa longe, e os olhos do gigante continuam os mesmos, mas seu corpo não se move mais.

Jotun olha para seu machado, agora com a lâmina despedaçada. Com um ar de raivoso ele mostra os dentes para o cadáver do gigante, à moda de um felino que reforça sua superioridade e joga o que sobrou de sua arma em cima dele.

Sem muito o que fazer ele sente as costas em chamas. O sangue escorre em rios. Para evitar o pior, ele deixa-se cair de costas na neve, e adormece, com esperanças de não acordar em Yusengard, a terra dos Deuses. Ao ir se deixando levar pela cantiga das montanhas, ele pensa – Maldito Templo de Gelo, que fica nestes confins do reino de Wyrm, quando eu chegar até lá, alguém pagara pelo que tive de passar.


Categorias: Contos | Tags: ,

9 Comments»

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério