O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Feb
16
2010

10 segundos de reflexão

Escritor: Vinicius Machado

10-segundos-de-reflexao

Era uma tarde de setembro, o sol ainda predominava.

Era triste olhar para ela assim.

Acendi um cigarro para que, talvez, minha ansiosidade passasse. Olhei as horas no celular, eram 16:30. Já era quase minha hora de trabalho. Fui ao meu quarto, peguei uma muda de roupas, uma toalha e, como de praxe, fui tomar banho.

Que droga! Como fui deixar que aquele lindo sorriso se apaga-se?

Estaciono o carro em frente a Boate às 18 horas em ponto, o que não era comum. Cumprimento segurança na entrada. Adentro a Hell’s, vou direto ao encontro, para cumprimentar, o Sr. Fernandes, meu chefe.

Como pude deixa-los saírem livres?

O patrão conversava com seus capangas. Deu-me um olhar seguido de um gesto com a mão, insinuando que esperasse uma ordem. Enquanto esperava fiquei fitando Gisele que, no outro lado da Hell’s, trabalhava servindo coquetéis e aturando bêbados que, em uma vã esperança tentavam a xavecar, sem nenhum sucesso. Ela percebendo meu olhar expressou um sorriso singelo.

Apesar de tudo ver ela me conforta.

Após 30 minutos de espera finalmente Sr. Fernandes volta sua atenção à mim. “Eduardo, quero que leve Gisele até a sala de vigilância.” disse em tom sério.

Por mais que fosse errado era justificável os motivos, eram tempos difíceis tanto pra ela, quanto para qualquer um.

Fui em direção ao balcão onde Gisele estava “Gisele, o Sr. Fernandes quer falar com você na sala de vigilância.”, reportei a ela, com o tom mais amigável possível. Ela limpou as mãos em um pano, saiu de traz do balcão ficando assim ao meu lado ”Tudo bem. Vamos?” disse sorrindo. Um sorriso que contagiava, como só ela conseguia fazer.

Minha culpa, foi tudo minha culpa! Poderia ter impedido.

Chegamos na frente da sala, eu, com um gesto de educação, abri a porta para ela. Gisele adentrou a sala com um ar de timidez. Estava fechando a porta quando ouço ”Eduardo, entre você também”. senti um ar de pesar na voz do Sr. Fernandes, mas não questionei, nem exitei a sua chamada.

Se eu prestasse atenção aos sinais poderia ter evitado tudo! Ela não merecia isso.

Sr. Fernandes estava em pé, atrás dele estavam seu dois capangas de braços cruzados a frente deles a Querida Gisele sentada na cadeira, que pertencia ao operador das câmeras de vigilância. “Me diga agora o que significa isso!” falou raivoso, enquanto passava um vídeo em loop. Olhou para os lados com a face rosada ”Eu…Eu posso explicar.” Sr. Fernandes em um acesso de fúria surpreendeu a todos socando a mesa ”Então diga antes que eu tome as devidas providencias!” falou, bufando como um touro ensandecido.

Ele nem hesitou, como pode ter sido tão frio.

“Senhor, meus filhos precis…” ele pôs sua arma calibre 38 sobre a mesa sem tirar os olhos de Gisele. Ela começou a lacrimejar “continua!” ele gritou. Gisele agora soluçava. Tentava se explicar “ Precisavam de remédios.” ela pôs a mão no rosto tentando abafar seu pranto. Eu não estava entendendo nada. “Remédios” falou quase como se fosse para si próprio “Você é uma viciada!” ele segurou a arma apontando para a testa dela. Meu coração estava disparado, não sabia o que fazer.”Sua ladra inútil!” ele disse junto com o estrondo da arma.

“Seu maldito! Como pode fazer isso” corri com o punho fechado, mas antes de alcançar aquele cretino um de seus capangas me acertou na boca do estômago. Caí ao lado dela. “Sabia que ia tentar algo, seu merdinha!” foi a ultima coisa que ouvi antes de sentir a bala perfurar meu pulmão.


Categorias: Contos |

15 Comments»

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério