O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
15
2010

Guerras e Povos – Parte 2

Escritora: Mariana Belinotte

guerras-e-povos

– E o que vocês vão fazer?

-Já perdemos homens demais, não podemos obrigar nossos soldados a enfrentarem de novo esses selvagens.

-O que? Como assim? Vão deixar um amigo para trás?

-É a política do Rei, quanto menos baixas, melhor. Pense, não é justo que cinquenta crianças fiquem sem o pai só para que talvez, entenda, talvez, consigamos salvar o seu.

-Mas…

-Não se preocupe, você tem três opções agora. Você pode escolher entre se juntar ao exército, ir trabalhar nos campos do Rei ou estudar para ser clérigo. Não vai estar desamparado, entende?

-E se eu não quiser ser agricultor, soldado ou clérigo?

-O que mais você poderia querer? Enfim, você receberá vinte moedas por semana, acho que com isso pode se virar. Com licença.

-Espera, mas ele ainda está vivo, não está?

-Está, mas não sei que diferença isso faz, visto que também está trabalhando como escravo nas minas.

Leo se afastou. Odiava aquele cara, que uma vez havia dito à ele que não era feito do material necessário para os grandes guerreiros.

E depois de todas aquelas palestras promovidas pelo Exército sobre honra e coragem, eles procediam assim?

Isso era culpa do Rei, aquele louco Rei. Os chamados “selvagens” nada mais eram que um povo descendente de anões e humanos das tribos que o Rei havia decidido atacar pois queria mais ouro, mais prata, mais jóias, tudo para ele e aquelas esposas esnobes dele. Aquela guerra não era do povo, que era obrigado a servir no exército ou trabalhar nos campos.

A maior parte das pessoas só conhecia a versão espalhada pelos clérigos de que os “selvagens” comiam crianças e que atacariam o Reino em breve. Leonard só conhecia a verdade porque seu pai lhe contara. Seu pai era contra tudo isso, só continuava a lutar pelo Rei pois isso lhes proporcionava a melhor vida possível para pessoas que não fossem para a nobreza.

Mas essa vida não era para ele, órfão de mãe e com o pai seqüestrado. E talvez os selvagens não fossem tão maus quanto se dizia no Reino.

XXX

Passou no Comitê e pegou as vinte moedas da semana, aquelas moedas que, na opinião do Governo, pagavam a perda do pai. Passou em casa, pegou sua mochila, que já estava arrumada, suas economias e sua adaga. Como não tinha pais, podia ser considerado emancipado, certo? Então tinha direito ao porte de arma, como todos os adultos.

Esperou em casa até faltar quinzes minutos para que os portões fossem trancados. Aproveitou um grupo de camponeses que entravam na Cidadela, atravessou a porta e correu para as sombras da muralha. Seguiu por ali até entrar na Floresta do Velho.

Quando era menor havia explorado várias vezes aquele bosque, mas sempre sozinho. Os pais de seus amigos não permitiam nem que eles chegassem perto daquele lugar, onde diziam morar um louco.

Seu pai, pelo contrário, estimulava essa prática, e Leo desconfiava que ele conhecesse o ermitão que morava ali. Porque realmente morava um velho, e talvez até um pouco louco, mas eles nunca haviam encontrado.

Leo só havia deduzido isso por ter visto a cabana dele e visto a fumaça saindo da chaminé. No fundo tinha um pouco de medo do homem, porém nessa noite era diferente. Ele precisava ir falar com o eremita e perguntar se ele conhecera seu pai.

Algum tipo de sexto sentido o estimulava a isto.


Categorias: Contos,Guerras e Povos | Tags: ,

2 Comments»

  • filonerd says:

    EU QUERO SANGUE DE REI! SACRIFICIO SACRIFICIO SACRIFICIO

  • Felipe Lopez says:

    Jornada do Herói? (ou algo parecido)

    Um pouco curioso, mas só um pouco. Faltou algo para dar aquela expectativa pelos próximos capítulos.

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério