O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
15
2010

O que me deixa mais triste – Parte 2

Escritor: Lucas Schutz

Eu moro em um apartamento em uma zona nobre da cidade, os imobiliários e suas denominações, sempre procurando vender mais. Não me leve a mal, eu sou imobiliário, sou um corretor, não tenho nada contra a classe, a não ser esse pequeno problema com os nomes. O sonho de hoje em dia não é mais ter uma casa, apartamento, um lugar pra morar. O sonho de hoje em dia é ter um carro, isso é uma tremenda idiotice, dormir em carros faz mal a saúde e a sua coluna, experimente um dia, outra coisa é o fato de que residir em um carro aumenta o seu gasto mensal com motéis, é desconfortável, existem objetos com pontas nos carros, existem problemas para uma movimentação ampla dos corpos, você deve saber como é.

Na hora da compra eu escolhi o 12º andar. É alto e dá margem para observar a vida dos outros. Você que assiste a novela vai entender melhor isso, vou falar nos seus termos seu alienado infeliz, é como um Big Brother, um da vida real. As pessoas tem pendor em pensar que não estão sendo observadas, elas sempre estão.

Desço pelo elevador, ele funciona, minha vida não é uma total desgraça, fico feliz por isso. São os pequenos detalhes que destroem nossa vida, elevadores são parte disso, pequenos detalhes que destroem nossa vida.

Meu carro está batido. O pára-lama está amassado, parece que eu bati em algum carro amarelo. Não consigo imaginar que merda aconteceu, não consigo imaginar que filho da puta bateu no meu carro. Banco sujo, parece sangue. Tem uma porcaria de um dedo no tapete do carona. Olho para minhas mãos, um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove e dez, está tudo em ordem. De quem será esse dedo? Não faço idéia.

É agora que começo a me preocupar. Dor de cabelo, falta de um dedo, memória da noite passada apagada… Que diabos tá acontecendo? Que merda é essa? Nessas horas as pessoas se desesperam, mas descobri que só entra em desespero quem tem algo a perder, eu não consegui me desesperar, eu queria, eu bem queria.

Olho pro banco de trás, procuro algo, uma pista, alguma coisa e… Acho meu… telefone? Essa é nova pra mim, eu tenho um celular novo. Meu nome está na tela, fotos minhas estão na memória, mas eu não lembro de ter comprado, devo estar com algum problema, vou lig… Nessa hora a merda começa a vibrar e a tocar uma musiquinha alegre, fica cada vez mais difícil acreditar que essa porcaria é minha.
?
Alô?! – nunca entendi o que significa a interrogação e a exclamação juntos, mas tem um efeito bonito no papel.

? Alô?! Não vai falar nada? Porra, liga pro número errado e fica nessa merda? Vai irritar outro.

O interessante é que sempre que desligamos o telefone, após xingar alguém, ele toca de novo, não é coincidência de filmes, de livros e essa merda toda, é verdade, acontece, acon…

? Alô?! De novo com essa merda? Olha aqu…

? É bom… É bom tu resolver isso logo. Eu quero que tu resolva isso logo seu filho da puta mimado. Vive numa merda de uma cobertura, come salmão aos domingos, tu tem até amanha, se não tiver tudo resolvido até amanha, tu não vai estar vivo na hora do salmão. Filho da puta, é bom tu resolver isso.

O filho da mãe falou com tanta segurança, com tanta firmeza, que meu deu pra notar que ele ofegava, parecia ser um velho. Na hora eu não pensei nisso, a única coisa que estava na minha mente foi “Que merda eu fiz? O que eu tenho que resolver?

5 Comments»

  • filonerd says:

    Supimpa demais o dedo no carro!

  • HIOTO says:

    Aqui a história do bêbado chato começa a tomar forma. Essa parte deu um interesse maior ao conto – que agora é um conto, e não um manifesto de bêbado falador.
    >
    A feiúra do texto aqui é pouco visível – não tem nada a ver com os palavrões. A figura de linguagem que aparece as vezes melhorou muito a qualidade do texto.
    >
    Vamos ver a próxima parte. Essa já merece uma boa nota.

  • Andrey Ximenez says:

    Bom… segue bem… mas a técnica não me agradou mt.

  • Vinicius Maboni says:

    Segue bem, mas no meu ponto de vista terminou no lugar errado, hehe
    A melhora nessa parte é notavel, mas ainda tem muito o que rever.
    Tá melhorando, espero que continue assim!

  • aliás, nao sei se vc ja leu, mas seu estilo lembra um pouco chuck palahniuk 🙂

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério