O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
15
2010

O que me deixa mais triste – Parte 6

Escritor: Lucas Schutz

Ainda não citei nada sobre o verdadeiro motivo de eu me manter vivo, estava guardando isso pra depois, mas não sei como continuar minha história, as coisas começam a complicar daqui pra frente. O motivo pelo qual eu vivo é minha filha. Não uma filha que tive com minha atual, ou ex- mulher. É uma filha que tive antes de me casar, pouco tempo antes, com uma mulher que conheci em uma festa. Acabou que aconteceu, para resumir em poucas palavras eu deixo assim, aconteceu.

É uma menininha linda, ela tem 7 anos e os olhos mais bonitos que já. Você não consegue parar de olhar para os olhos dela, eles são mágicos, são como uma queda infinita. Ela tem cabelos escuros e fisicamente parece com a mãe. É uma menina inteligente, é o motivo pelo qual eu vivo. Gosto de abraçá-la, gosto de beijá-la, gosto que ela se sinta segura quando está comigo. Eu fiz tudo isso por minha filha.

Já passa da meia-noite e eu tenho que conseguir o dinheiro. Já passa da meia noite e eu resolvo ligar para minha filha, quero saber se ela está bem. Ninguém atende a merda do telefone. Ninguém atende a merda do telefone. Ninguém atende a porcaria do telefone.

Olho pro velocímetro, ele marca 100 kms por hora. Não me importo em ser multado, não me importo. Quero ver se minha filha está bem, quero ver se esses idiotas que estão me ameaçando não descobriram ela e não a levaram pra algum lugar, não fizeram mal a ela.

Chego na casa da mãe da minha menina. Ela está vazia. Parece que ninguém aparece por lá a dias. Ninguém aparece por lá há dias. Encontro em cima da mesa da sala um bilhete destinado a empregada, ele diz:

Fomos ao hospital. A Juliana finalmente vai ser operada. Ela vai ficar boa, ela vai ficar boa. Espero que dê tudo certo. Não precisa vir mais até eu te ligar, vamos passar um tempo no hospital

Qualquer coisa é só ligar para 949322213.

Minha menina vai ficar bem. Beijo.

Agora estou a caminho do hospital, liguei para o número do bilhete, minha menina está no hospital a uns três dias, é o que a mãe dela disse. Espero que ela esteja bem. Ela tem um problema, ela tem uma doença. Descobrimos no meio do ano passado, ela fez um tratamento, mas não resolveu. O médico disse que ela precisava de um transplante. A fila de espera é longa. A fila de espera por órgãos é como uma fila para a morte, é uma fila de infundada esperança. A fila de espera por órgãos é a melhor maneira dos médicos ganharem dinheiro. Os médicos são hipócritas. Vem com aquela historinha de fazer o bem, de salvar vidas, de ajudar o próximo, ajudar os necessitados. Todos sabem que não é assim que funciona. Todos sabem que eles só fazem isso para ganhar dinheiro. Qual é o médico que ajuda os outros fazendo trabalho voluntário? Deixando de cobrar uma consulta quando um paciente está sem dinheiro? Nenhum. Eles cobram, cobram caro e, se você não tem dinheiro, te deixam no chão, tendo convulsões e gerando toda espécie de gemido e sujeira no chão deles.

A mãe dela está na porta, ela não parece gostar muito de mim, talvez seja por que eu a abandonei quando estava grávida. Não, não abandonei totalmente. O que fiz foi abandonar a gravidez. Continuei ajudando ela com dinheiro, mais dinheiro do que um protetor da mulheres grávidas imaginaria, mas não estava presente durante todo processo, ela deve me odiar por isso. Eu compreendo.

A minha filha estava no quarto, estava bem, tinha um órgão novo, ao menos ia ter em pouco tempo. Ao menos eu espero isso.

Eu entro e dou um beijo na testa da menina. Ela está dormindo, não sou o tipo de pai idiota que ousaria acordar a filha. Não. Eu vou deixá-la dormir. Ela é o ser mais perfeito que há, mesmo dormindo. Ela tem uma boca pequena e delicada, com lábios rosados, penso no futuro e imagino que esses lábios dela ainda vão me dar muita dor de cabeça, é só começar a aparecerem namoradinhos, aí sim. Ela tinha esse cabelo liso e negro que encobria parte do rosto da minha pequena. Ela tinha um rosto de formas clássicas, feições suaves, se você ganhasse um sorriso dela pela manha, passaria o dia sorrindo, com a imagem daquele sorriso gentil e inocente no subconsciente. Ela era perfeita. Depois disso tudo eu vou passar mais tempo com ela.

1 Comment»

  • mt bom, no geral. essa parte foi a q menos gostei, nao entendi direito, o cara se lembrou de td isso sobre a filha do nada? achei meio esquizito, mas ta de parabens ae!
    flw

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério