O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
15
2010

Res Ips Loquitur

Escritor: Zaratrusta Almeida

Três anos passaram de facto desde que os abandonámos na ilha.

Avancei por entre a doce ilha, e encontrei um homem deitado sob uma palmeira. Ele virava-se e revirava-se, e acabou por adormecer de vez. Acordei-o, e perguntei-lhe quem era. Ele simplesmente disse que estava a cumprir ordens de dormir.

-E quem foi que te deu essas ordens?

-Um senhor que estava a acabar uma escultura. – disse o homem, com uma voz doce de criança escondida. Eu larguei-o.

“Kraken.”, pensei, “Pelo que parece já deve ter acabado o seu trabalho. Vamos fazer-lhe uma visita.”. ‘Onde está esse senhor?’, disse secamente ao homem que ainda estava em pé, à minha frente.

-Ele está ali, por detrás dos portões de madeira e ferro. Mas cuidado, ele pode ficar um pouco…temperamental, se o vir entrar sem autorização. Convém tocar na campainha, está ali por detrás das plantas. Sim, exactamente, aí. Muito bem. Olhe, e digo-lhe mais, eu não volto mais aqui. Vou voltar com o meu barco, esta ilha não dá para se descansar decentemente…

Eu já não estava a ouvir. A floresta que antes se tinha erguido nesta parte da ilha, a par de todas as outras, estava reduzida a uma autêntica metrópole, criada pelas mãos de um homem. Apenas as folhas que circundavam a cidade estavam intactas. Eu agarrei as mãos da minha querida Erica, dei-lhe um beijo, nervoso de entrar numa selva urbana. Toquei à campainha, e quase instanteanamente os portões abriram-se para a minha entrada. A entrada era puro metal e puro aço que se erguiam até ao céu. Música, celestiais sons vinham de um altifalante. Era o som de tambores e o bater repetetivo em cordas electrónicas. Sons belos de um tempo futuro, algo que me embriagou num êxtase inacreditável.

Avancei, e vi que a cidade estava deserta como raramente se vê. Nenhum ser vivo ou não vivo se mexia. Só a música tocava, incessante na sua beleza, enquanto o homem me olhava a mim e à minha esposa de cima. Meia-idade, cabelo muito grisalho, olhos azuis e muito líquidos que pareciam conter toda a tristeza do mund, com uma roupa cinzenta prateada muito brilhante. Ele sorriu ao ver-nos, e logo escondeu esse sorriso, descendo da torre com uma máscara de aço muito pesada. Ele cumprimentou-nos, apertando-me a mão com a sua luva negra.

-Como passas caríssimo Raphael? Já não te via há bastante tempo. E a encantadora Erica, doce como sempre, tens passado bem? Bem vindos, entrem, entrem. – Disse ele, com um sorriso falsamente forçoso, indicando-nos o caminho para a sua casa. – Espero que, desculpem a desarrumação, cuidado não se magoem, espero que gostem da minha obra. Foram de facto três anos que consumiram muito do meu tempo e muita da minha sanidade mental. Mas antes de vos apresentar o meu magnum opus, vão ter de me perdoar se eu quiser fazer uma breve apresentação da minha metrópole Lornuy.

»Ora, a própria entrada é culpa da minha educação. Eu sou um filho de pessoas ricas, abastadas em dinheiro e em fama, que não podiam permitir que maldições e loucos entrassem logo pela porta fora. Por isso, eles tinham um grande portão de metal que só abria se identificasse o sinal da campainha. Um dia vim distraído de uma festa, enganei-me no meu próprio toque. Fiquei fechado ao frio durante dois dias antes que os meus pais dessem pela minha falta.

»As ruas são do metal puro, pois sempre trabalhei e vivi entre paredes de aço, em vez do cimento que seria uma escolha muito mais óbvia. O meu mundo foi sempre um mundo de tecnologia desprovida de amor, um mundo onde qualquer coisa era substituível por qualquer coisa, pelo menos algo que o dinheiro comprasse. Por isso, habituei-me a viver num mundo frio e duro, resistente às vagas impiedosas mas também dotado de uma beleza angelical. E essa beleza, era a música. Oh, o som dos tambores e do metal a bater um no outro, a sinfonia do ferro frio e a eterna reunião do que está perdido, foram as únicas coisas que me mantiveram inteiro. Em homenagem, eu compus músicas inteiras criadas apenas com o som do metal e do ferro, instrumentais lindos que ninguém senão aqueles que já sofreram do torpor da madrugada a atacar o corpo. Deduzo que tu entendas a música, não é verdade Raphael? – Kraken olhou para mim, e eu sorri acenando a minha cabeça em sinal de aprovação. – Mas chega de falarmos da música e do meu mundo de ferro e aço. Mostremos-te a minha mais bela criação.

Ele destapou uma pequena escultura, do tamanho de Erica, que era uma mulher, um híbrido de humano e metal. Estava perfeita.

Kraken agarrou-se à sua escultura, e abraçou-a como faria a uma pessoa normal, dizendo adeus e até mais logo, esperando que quando eu a devolvesse estivesse exactamente como a deixara. E aí, talvez o erro seja meu, mas eu vi-o beijar a estátua de metal frio e pedra crua, agindo como se de nada se tratasse. E naquele momento em que Kraken se despedia da sua criação, pareceu que a própria estátua tinha ganho cor e estava agora a sorrir em resposta ao seu maestro que por ela chorava. Levei-a comigo, atravessando a dura cidade de metal cruo e pedra fria, vendo ninguém e ouvindo a música celestial que tocava.

E a música foi ficando mais distante, mais distante, até que nada se ouvia, nada a não ser o longíquo ronronar de motores e o roncar dos portões a fechar lentamente.


Categorias: Agenda |

1 Comment»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério