O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
22
2010

Taháinn – O sacrificio

Escritor: Renan Barcellos

tahainn-o-sacrificio

O pesado escarpe do cavaleiro levantou a poeira vermelha e antiga que se acumulara durante eras naquele chão irregular assim que o primeiro passo foi dado para dentro da caverna. Sua armadura completa tiniu e rangeu conforme as placas que a compunham roçavam-se e estalavam, efeito causado pelo movimento e que acabava por resultar em um som alto e perturbador devido ao eco produzido pelo lugar.

O espadachim prendeu a respiração, temendo, em seu intimo, que pudesse ter alertado alguma criatura que habitasse as vastidões daqueles túneis e pudesse representar alguma ameaça para sua profana empreitada. Riu de si mesmo, devido ao temor que havia o acometido, afinal, sabia que agora nada poderia o ameaçar e, além disso, constatou que as velhas lendas eram verdadeiras, nenhum ser vivo tinha como morada as amaldiçoadas cavernas de Hellad-Kuzartel – nem criatura fantástica, perigosa e mortal, nem corriqueiros morcegos, tão comuns a esse tipo de ambiente -, mas mesmo que do contrario fosse, não haveria problema… A escuridão estava ao seu lado.

O cavaleiro caído avançou túnel à dentro. Já não possuía o garbo e a altivez de outrora, era uma sombra do guerreiro primoroso e figura inspiradora que fora. Seu manto antes limpo e sedoso, que lhe concedia uma aura heróica quando esvoaçava durante as batalhas e cavalgadas, agora estava esfiapado e rasgado, com tiras laceradas – nunca retas, mas fazendo caminhos tortuosos – que iam até o meio de suas costas, o tecido feito da mais pura e fina lã conhecida – retirada da pelagem dos snorks de um dos países além mar – fora desperdiçado. O característico emblema Do Riskar – uma espécie de grande lagarto, feroz e temido, que habitava as florestas sulistas –, possuído apenas pela alta cavalaria de Riddárie, a muito havia se perdido, descosturado, restando apenas uma sombra sem valor no lugar em que antes ele habitara, uma clara amostra de que aquele guerreiro não detinha mais a virtuosidade que seu posto lhe atribui e nem respondia mais aos deveres que jurara honrar.

Ó, Mãe Escuridão, guia-me.

A caverna continuava montanha adentro com passagens largas, sem bifurcações, de modo que o recém chegado não teve problemas em se direcionar. A luz solar inexistia naquela altura do percurso, entretanto as pedras que compunham as cavernosas paredes emitiam um brilho de um verde pálido e lúgubre, que conferia um aspecto fantasmagórico para todo o lugar. Essa luz, porém, era suficiente para oferecer a iluminação necessária para se guiar pelo lugar. O homem não fazia idéia do que provia tal luminosidade, desconhecia se era um efeito natural, uma estranha propriedade possuída pelas pedras daquelas câmaras, ou se algum feitiço há muito realizado havia conferido tal particularidade para aquelas curiosas rochas. Apostaria na segunda opção, já que a maioria das velhas histórias, que ouvira em sua meninice, falavam sobre um mago obscuro que habitava as Hellad-Kuzartel, algumas iam ainda mais longe, atribuindo ao nome do mago o da caverna, cujo motivo da nomeação se perdeu com o tempo.

O avanço do explorador era, embora decidido, inconstante e moroso. E mesmo que as proeminentes estalagmites, que ali existiam em grande quantidade, – por vezes formando majestosas colunas de material verde fosforescente, quando se juntavam com suas primas, as estalactites – não fossem tão freqüente, a empreitada do ex-cavaleiro continuaria dura e vagarosa, pois – mesmo com sua vasta habilidade e experiência na guerra, na batalha e sua extensa maestria com a espada – havia sido ferido. Na sua ultima luta, aquela onde selara o seu destino, havia combatido um grande numero de guerreiros durante uma fuga desesperada, passara intocado por toda a guarda real, sem nem ao menos exaurir-se, porém quando travava o ultimo confronto daquela série de embates havia sido ferido na coxa direita.

Ninguém menos que seu antigo pajem, o filho do rei, havia realizado o feito, porquanto de tanto vê-lo lutar sabia o exato momento em que baixava a guarda e podia ser atingido. O jovem fora morto depois de desferir o golpe, sofrendo um corte em diagonal no rosto antes de ter seu peito atravessado por uma derradeira estocada. O Riddarie havia perdido seu sucessor, mas certamente ganharia uma lenda.

Mesmo com todas as excitações do ultimo grande confronto, a armadura de placas do ex-cavaleiro mantinha-se praticamente intacta tendo apenas aquele rasgo no coxote, por onde a lâmina de Kësvird – a espada do herdeiro do trono – havia adentrado – maculando sua poderosa compleição. A proteção do lutador, feita com um dos mais caros lotes de Murtjörn – o mais resistente e maleável metal conhecido –, portanto faiscante em um brilho argênteo, agora espelhava verde doentio do lugar, como que emanando a aura baixia que o desgraçado cavaleiro agora possuía. Tal tonalidade sepulcral só não se apresentava em uma região da perna que fora agredida, pois o sangue o qual fluíra da brecha da armadura – passando da roupa acolchoada que havia entre ela e corpo do espadachim, esta empapada pelo liquido rubro em sua coxa direita – adquirira uma tonalidade negro-arroxeada com a iluminação da caverna e por vezes ainda pingava no chão, devido aos movimentos de caminhada e ao metal distorcido que adentrara na carne durante o golpe do Fäinnur – titulo atribuído ao filho do rei.

Ó, Mãe Escuridão, completa-me.

Tamanho era o descaso do cavaleiro com seus antigos valores, que A Ridath, bainha da alta cavalaria, – objeto tão importante quanto sua própria espada, Köulard, pois representava o povo que jurara proteger -, havia se perdido em algum momento que ele não recordava e, na verdade, nem mesmo se importava com o acontecido. Sua espada agora servia como uma mera bengala, auxiliando o coxear o qual o Fäinnur o presenteara, um ato imprescindível caso pretendesse continuar em sua empreitada. O uso da arma para tal fim era uma lástima, uma total falta de zelo pela obra-prima lhe que fora conferida pelo rei em pessoa, no entanto o guerreiro amaldiçoado já não ligava para tais detalhes.

Por causa disso agora a espada bastarda – uma peça ancestral finamente trabalhada, com empunhadura de couro e fios de prata, que nunca deixariam Köulard escapar das mãos de seu dono, trazendo o símbolo do reino no pomo de seu cabo e inscrições milenares, em alto relevo, por sobre o seu vinco e guarda mão – que sempre servira de símbolo de para toda a Riddarie estava manchada com o sangue de seu próprio povo e tal mácula tardaria a deixar aquela bela lâmina, pois como o antigo ditado dizia: “sangue derramado por traição jamais abandona a arma do algoz”. Aquelas manchas vermelhas existiriam para sempre em Köulard, a espada lendária que, no momento, ajudava seu dono a se rastejar por um lugar profano.

Cada passo do traidor era um desafio, seu rosto se contorcia em uma máscara de raiva e de penosa resolução a cada passo incerto e torto que era dado, mantendo uma tez vermelha devido ao esforço. Suava cântaros por debaixo da abafada armadura completa, fazendo com que a roupa acolchoada – medida utilizada para evitar atrito entre a carne e o metal – desconfortavelmente colasse em sua pele. O cabelo um pouco longo para um guerreiro, outrora constantemente alinhado e penteado para trás, agora caía em seu rosto, por vezes tapando sua visão, até que, devido ao suor que escorria da testa, acabou por grudar em suas bochechas. Resfolegava a cada instante, intentando juntar energias para continuar sua jornada.

Ó, Mãe Escuridão, apóia-me.

Tamanha demora para o término daquela andança irritava e deixava o traidor ansioso por uma resolução. Já não tinha paciência, queria chegar ao objetivo e, com isso, mudar a sua sorte, cumprir o seu destino. Com raiva, o cavaleiro apertou os dentes, travando o maxilar, e fez uma careta de dor, – sentiu alguns deles trincarem, mas não se importou – tentava resistir à dor lacerante que acometia sua perna e, com isso, conseguir aumentar a velocidade de sua marcha mesmo que por alguns instantes, diminuindo assim a distancia para o inicio de sua vingança.

Em seu ímpeto descuidado, na tentativa de cobrir a distância o mais rápido possível, acabou descompassando o ritmo de seu coxear e o movimento que fazia para apoiar-se em sua espada, o que fez com que a ponta de Köulard não encontrasse um lugar apropriado para ser fincado e batesse contra uma parte especificamente dura do chão pedregoso. A arma acabou por escorregar – perfazendo um traço fino na rocha, o qual representava a trajetória de seu desvio -. Tal imprevisto foi suficiente para que o debilitado aventureiro não conseguisse manter sua estabilidade e, impulsionado para frente pela inércia, devido à espada que havia deslizado para trás – para sua sorte passando entre suas pernas, sem atingi-lo -, acabou tropeçando, com a perna ferida, em um amontoado de pedras fluorescentes. Tentando não chocar-se dolorosamente contra o chão precisou firmar-se no chão, dobrando o joelho, colocando a maior parte de seu peso na coxa ferida e com isso retesando o músculo que havia sido seriamente lesionado.

O berro produzido pelo cavaleiro se propagou por toda a extensão da caverna, era um grito de pura dor, advindo do fundo de seu pulmão e aumentado pelo ódio que passara a sentir pelo seu reino. Pressionou a região da ferida por cima da armadura, numa tentativa inútil de diminuir a dor. Sentiu sua mão molhar-se com o sangue que voltara a se esvair, embora, em pouca quantidade. Tateou sua espada e a usou como apóio para levantar-se, gemendo de dor por novamente esforçar a perna lesionada. O cavaleiro praguejou por causa do incidente, invocando o nome de deuses malignos. Ele não precisava ter passado por aquilo, poderia facilmente ter se apoiado na parede com o braço esquerdo para não cair, porém, não o fez, pois que este estava ocupado, segurando um bebê. Insatisfeito, continuou seu caminho.

Ele não se preocupava com o infante, seu gesto não tinha como objetivo de sacrificar-se se colocando em uma situação dolorosa e manter a criança segura, não, acontecera por puro reflexo, devido ao fato de estar segurando algo e, por isso, não usar o braço ocupado. Caso tivesse um tempo mínimo, o suficiente para avaliar suas opções, não teria se infligido tamanha dor, simplesmente teria largado o moleque em direção ao solo e se encostado na parede.

O cavaleiro olhou com desprezo para aquela coisinha rosada e mole que estava em seu membro. O infante dormia em sono profundo, alheia a tudo o que acontecia. Não porque achava a situação lhe era confortável ou a armadura de metal do guerreiro reconfortante. Havia sido forçado a tomar uma forte droga que induzia ao sono, do contrario, seu seqüestrador não agüentaria seu choro desesperado e poderia acabar matando-o. O traidor sabia que poderia desmembrá-lo apenas com as mãos, sem nem usar sua espada para tal. Sentia vontade de fazê-lo. Olhava com ódio para a pequena criatura que era o filho de seu próprio irmão. Queria matá-lo. Iria matá-lo… Ambos… Pai e filho. Mas aquela… Aquela não era a hora.

Ó, Mãe Escuridão, ensina-me.

Trincando seus dentes devido à raiva acabou por voltar sua atenção novamente para o caminho que seguia. A paisagem que vinha não apresentava nenhuma mudança significativa. Poderia estar andando em círculos, caso a geografia daqueles túneis permitissem tal feito, já que tudo à sua frente parecia exatamente igual. O cavaleiro não sabia quanto tempo havia passado desde que entrara. A monotonia do lugar – onde nada acontecia e o único barulho era o eco de seus próprios passos e da espada chocando-se contra o chão – havia tirado qualquer percepção de passagem de tempo. Mesmo que o inverso fosse verdadeiro e ainda pudesse ver o sol provavelmente nada mudaria, pois, sua obstinação pelo seu objetivo o impelia para frente, fazendo-o ignorar qualquer trivialidade, como tempo ou até mesmo comida. Apenas continuava em seu lento arrastar, tendo apenas a onipresente tonalidade verde como companhia.

Quando começou a pensar em desistir daquela insana empreitada, quando passou a imaginar que seus sonhos eram mentirosos, que suas visões não passaram de meras alucinações, acabou por ver, à uma certa distancia, algo que contrastava com o ambiente da caverna e que destoava com a emanação esverdeada – que parecia impregnar cada centímetro do lugar amaldiçoado que era Hellad-Kuzartel. Apertou os olhos, tentando enxergar detalhes do que aparecera no horizonte claustrofóbico, a princípio não conseguiu, pois gotas de suor desciam-lhe pela testa e embaçavam sua visão e então, não querendo largar tirar a mão de Köulard, com medo de se desequilibrar, acabou chacoalhando a cabeça, tentando limpar o seu rosto. Funcionou. Deste modo esbanjando exaltação e alivio, o cavaleiro viu uma porta.

Não pôde dizer muito sobre o achado, devido a distancia e à precária luz. Notou apenas que a porta parecia ser de madeira simples e que o caminho ia se afunilando aos poucos, naquela ultima centena de metros, para então o portal ocupar exatamente toda a largura da passagem. Certamente não era um efeito natural, no entanto, “quem o fizera” e “porque” eram perguntas das quais arriscaria uma resposta, que podia apenas imaginar. Estava certo apenas de que seu objetivo se encontrava depois daquele acesso. Sua busca estava chegando ao inexorável fim, breve estaria diante do antigo – talvez único – altar de Mirkhoên, a essência da escuridão.

Todo sofrimento e desgaste o qual havia passado simplesmente desapareceu. Existia fim, afinal, e ele estava próximo, ao alcance dos olhos. O cavaleiro avançou impetuosamente, impelido para frente como se sua vida dependesse do gesto, não já ligava para a dor, já não ligava para a mágoa ou mesmo lembrava-se do ódio. O achado havia dominado completamente sua alma amarga e sombria. Seus olhos estavam esbugalhados, sem ousar piscar, temendo que a porta desaparecesse como num passe de mágica. Os braços trabalhavam freneticamente, um agüentando o balançar, impedindo que o bebê caísse, e outro “cavando” com a espada, o apoio necessário para aquela ultima carreira em direção ao destino.

Iria alcançá-la.

Cumpriria o seu karma.

Mas não naquele momento. Pois, em meio à sua carreira inabalada do explorador, uma voz conhecida propagou-se pelo lugar, ajudada pelo eco, conseguindo furar o bloqueio que a porta causava na mente do cavaleiro e tirando-o de seu quase-transe.

– Taháinn! – gritava a voz, carregada de ódio, clamando pelo traidor.

Ó, Mãe Escuridão, controla-me.


Categorias: Contos,Taháinn | Tags: , ,

22 Comments»

  • Atreus says:

    Suas descriçoes sao fenomenais. Palavras variadas.Gramatica impecavel.As ideias bem articuladas.Enfim um bom quanto,

    Tu é bom velho.

    Mas(sempre tem um mas)a leitura é penosa. Eu sou meio suspeito;adoro leitura raio tipo o Bukowski e o Hem. Apesar de ser riquissimo,falta mesmo um pouco de dinamismo. Por vezes voce poderia interromper mais as frases(sou adepto do enxuto).

    Enfim, o primeiro excelente conto que encontrei no ONE.

    Keep on keeping on!

  • Renan Barcellos says:

    Muito obrigado por comentar, Atreus ^^
    Que bom que gostou das descrições, estava mesmo me focando nesta parte. Mas é como você falou, acaba ficando pouco dinamico, parece que tudo vai em cmera lenta. Fiz essa história justamente para treinar essa parte. Tentar colocar descrições bem pesadas e não deixar muito parado. Não consegui muito bem, mas um dia eu chego lá xD

  • Jacky says:

    Não é o tipo de história que eu gosto de ler, mas achei o vocabulário bom, a história também, entretanto falta dinamismo, eu tive que lutar pra ler até o fim e pra não me perder enquanto isso. Mas você é bom :O

  • Renan Barcellos says:

    Obrigado pelo elogio, jack ^^
    Em futuros escritos tentarei deixar mais dinamico. Acho que na segunda parte desse conto ficou melhor nesse sentido…

  • Kamui Black says:

    Renan,

    Esse seu conto é simplesmente fantástico. As descrições chegam a ser um pouco exageradas em alguns pontos, mas nada que estrague o conto. Alias, este é o objetivo principal dele, não? Ser bem descritivo.

    Os nomes, lugares e outras coisas citadas instigam a curiosidade para sabermos mais sobre o mundo em que se passa o conto.

    Kamui Black

  • Renan Barcellos says:

    Obrigado por ler esta parte do conto, Kamui ^^
    Sim, sim, o objetivo realmente foi ser descritivo, eu estava exercitando esse tipo de narrativa.
    Que bom que os nomes tiveram esse efeito, pois realmente deram trabalho xD

  • RodrigoBS says:

    Gramática perfeita.
    Achei um grandioso conto, mesmo eu não sendo muito adepto de longas e diversas descrições.
    Parabéns.

  • Renan Barcellos says:

    Bahh, n esta perfeita, deve tar cheio de errinhos que ninguem notou xDD

    Em todo caso, que bom que gostou mesmo sem ser seu estilo preferido ^^
    Espero que continue lendo quando eu mandar continuação ^^

  • Renan, posso dizer que se você escreveu no intuito de praticar descrições, está no caminho certo. Muito bom o detalhismo e o vocabulário, só um parágrafo que me espetou o ouvido, mas pela sonoridade, foi o quinto. Você termina a primeira frase com “direcionar”, depois repete “lugar” duas vezes. A repetição da última sílaba parece um eco.
    Muitos podem achar um detalhe ridículo, mas é só uma dica, algo que quando escrevemos passa batido.
    Fora isso, relaxe que você está muito bem. Com um vocabulário vasto, parágrafos bem construídos e com ritmo para descrições, só falta mesclar o ritmo dos detalhes com o ritmo da ação, mas pelo que vi a intenção dessa parte é a visualização de detalhes. =P
    Por fim, parabéns Renan e espero outros!

    • Renan Barcellos says:

      Obrigado pelos elogios Tzimisce. Que bom que estou indo pelo caminho certo, agora só resta praticar.

      Não acho um detalhe ridiculo, acho eco um erro como qualquer outro. No entanto, este que você apontou eu realmente não havia percebido, quando percebo eu costumo modificar.

      Este conto todo já esta pronto, na verdade, mas vou mandar pro ONE aos poucos.

      Obrigado por ler ^^

  • Deathaholic says:

    Não creio que minha contribuição possa adicionar muito ao que tem sido dito aqui. Gostaria de reiterar os elogios à bela descrição que, além da cena, nos revela importantes características da personalidade do protagonista.

    E, embora eu seja da opinião que uma descrição detalhada seja bastante justa em diversas partes de uma história, creio que deva deixar como conselho que talvez sirva para muitos outros recursos literários: Não abuse dele.

    Fora isso, creio que tenho mais elogios do que críticas negativas ao estilo.

    • Renan Barcellos says:

      Pode não achar que sua contribuição acrescentou alguma coisa, porém é sempre bom para um escritor receber um feedback sobre suas histórias ^^
      Obrigado pelos elogios e ficarei alerta para o conselho, mas é que nesta história eu quis explorar meu potencial descritivo sem me importar tanto com dinamica. Mas acho que as proximas partes apresentam mais dinamismo.

      Obrigado por ler ^^

  • Luís Oselieri says:

    Como o pessoal disse, está de parabéns pelo vocabulário enriquecido. Detalhe : tem uma frase que precisa de correção : “O cavaleiro caído avançou túnel à dentro.” O correto é “adentro”, que vem de adentrar.

    • Renan Barcellos says:

      Brigadão por ler e identificar esse erro, luis. Foda que eu usei a mesma expressão um paragrafo antes e coloquei certo xDDD
      Acho que vou mudar para não ficar repetitivo.

  • Eu adorei! Muito boa narracão do “ex-cavaleiro” indo pela escuridão. Me lembrou Don Quixote, acho que por ser um cavaleiro, que não é mais aquele caveleiro de outrora.

  • Vitali Vitor says:

    Adorei, continue sendo bastante descritivo que você vai ganhar um fã 😀

  • yann says:

    oque ele contou e a mesma coisa que esta acontesendo comigo agora eu como escomdido carne crua da minha mae

  • Renan Barcelos says:

    Olha só,trolls ._.

  • Asami says:

    Cara, muito legal seu texto. Adorei principalmente a parte descritiva, o vocabulário variado me impulsionou a continuar lendo. Gosto muito de textos bem descritos como esse pelo suspense que me causam enquanto continuo a ler. Confesso que quase me vi dentro da estória. Parabéns!

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério