O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Apr
26
2010

A Caçada

Escritora: Larissa Albuquerque

a-cacada

Ela estava bem ali na sua frente. Ele se agachou em uma posição sorrateira, cerrou os punhos, forçou os olhos. Seu rosto adquiriu um aspecto um tanto vampiresco, mesmo os dentes exibidos não sendo nada pontiagudos. Preparado para o ataque, ele espiou a sua vítima, parada, diante dele.

Esperava o momento certo, um pequeno vacilo, uma distração. Então ela seria sua prisioneira, sua serva, sua amante, sua melhor escolha.

Os olhos do caçador continuavam fixos e atentos. Enquanto aguardava o momento decisivo, ele se deu ao luxo (afinal, ela estava tão próxima e ele tão pronto) de admirar a beleza de sua presa. A sua sintonia, o som que fazia ao respirar, sua morfologia perfeita. Ela seria o grand finale, o encaixe certo, a poesia revelada. Tudo o que tinha que fazer era capturá-la. Seus olhos se apertaram mais ainda. Estava na hora.

E então o poeta pulou. Fez malabarismos no ar com métricas e sílabas. Colocou os pés no solo e só não se desequilibrou porque se apoiou em um travessão. A sua presa, inesperadamente rápida demais, fugia. Mas ele estava decidido a por um ponto final nisto. Tomou fôlego e correu com uma velocidade exclamativa. Estendeu suas garras de inspiração, soltou um urro apaixonado. Porém não conseguiu segurá-la.

A palavra que perseguia lhe escapou. E, por causa disso, seu poema terminaria com um verso livre. Ao invés de uma rima vermelha de sangue, aquele verso teria uma rima branca como o papel que preenchia.


Categorias: Contos | Tags: , ,

16 Comments»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério