O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Apr
22
2010

A Lenda da Rosa Azul – Capítulo I

Escritor: Vinicius Maboni e HIOTO

a-lenda-da-rosa-azul

Entre as Folhas

Ainda era dia e mal se notava a luz do sol naquele ponto da floresta. Para um humano entrar e ir tão longe em Alzegrim era preciso coragem visto que os elfos não costumavam tolerar a presença deles em suas terras. A relação entre elfos e humanos nunca foi das melhores. Havia séculos que não acontecia nenhum conflito entre eles e apesar das guerras terem ficado muito tempo no passado, não se podia ver membros das duas raças de conversa por aí em qualquer lugar. Para os seres da floresta, os humanos não passavam de criaturas gananciosas e egoístas que não mereciam nem mesmo os poucos anos de vida que não sabiam aproveitar.

Loren observava por entre as árvores o corajoso jovem que entrara ali em busca de ervas. Nada que pudesse causar danos à floresta seria conveniente e a última coisa que se podia querer era um confronto com eles, o que era totalmente inviável atualmente. E por tal motivo ainda era tolerada a presença dos poucos que ali entravam. Pra evitar conflitos.

O humano não pôde perceber a presença de Loren, contudo olhava desconfiado em todas as direções. Dava pra sentir o cheiro do medo. Era aparentemente jovem, estatura média e roupas rasgadas, não carregava consigo nenhuma arma. O cabelo era muito liso e castanho, ralo, caía sobre o rosto e grudava na testa úmida. Não era mais que um garoto pobre, vestes um pouco rotas e chinela de couro bem gasto. Seja qual fosse sua motivação para encarar a floresta, deveria ser nobre como contava o avô da elfa sobre humanos de tempos passados. Um humano poderia ser realmente nobre? Divagava enquanto observava silenciosa a cena.

A uma distância não muito longa Loren pode vê-lo arrancar algumas ervas que brotavam em cantos escuros. Eram realmente ervas medicinais e de certo modo isso lhe trouxe alívio, sem saber bem por que. Entendia seus motivos ou pelo menos achava que sim. Sempre carregou consigo um sentimento desconfiado para com os humanos, achando-os um tanto quanto curiosos. Das copas das árvores mais altas, podia ver o movimento deles festejando em Hal. Loren não tinha nada para comemorar. Porque então essas criaturas que não chegam a viver cem anos têm tanto motivo pra festa? Talvez morrer seja algo bom? Sempre se perguntava.

Depois de encher uma pequena bolsa com ervas do mesmo tipo, o jovem já caminhava em direção a saída. Havia por ali um pequeno caminho que levava a estrada dos humanos e conseqüentemente a Hal. Loren o observou até que saísse da parte mais densa da floresta. Acompanhou-o por cerca de duas horas, deixando-o ir sozinho… Pelo menos essa era a intenção. Já havia se afastado cerca de vinte minutos de onde abandonara o humano e percebeu que em sua cabeça ainda tinha a figura dele quando chegava ao interior da parte da floresta onde residiam os primeiros elfos.

Sentada à sombra do sobreiro do lago das folhas, Loren remoía as possibilidades de ajudar seu avô, único membro vivo de sua família, atacado por uma grave doença desconhecida até mesmo pela sabedoria ancestral dos elfos. De todas as histórias que Loren ouvia seu avô contar, nenhuma a fascinava mais do que a lenda da rosa azul. Muitos aventureiros já haviam sumido no mundo a procura de tal flor. Segundo a lenda aquele que a possuísse teria aquilo que mais desejasse e não havia nada que desejasse mais no momento do que salvar seu avô. De que vale ser imortal ao tempo quando a vida nos leva embora de outras maneiras?

Os pensamentos da jovem elfa fluíam e sua angústia aumentava cada vez mais. Ansiava por fazer algo mesmo depois dos mais antigos e sábios curandeiros élficos darem por encerrado o assunto. O vento soprava o velho carvalho e jogava as folhas mais velhas sobre a água do lago de águas escuras que se escondia mais adiante sob as rochas cobertas pela terra e capim. Soprava ainda os finos cabelos lisos da elfa sobre sua pele alva. A beleza natural dos elfos se mostrava claramente em Loren e dava uma errada impressão de fragilidade. Amava tudo aquilo como todo elfo ama sua casa, sua floresta natal e mais ainda seu avô. Era preciso fazer alguma coisa, algo que estaria fora da vila élfica.

Loren sabia muito bem que nenhum dos outros aprovariam a idéia de sair da floresta a procura de uma cura. Se Alzegrim não pode curar, nada mais pode. Mas algo dizia que ela devia procurar. Estava decidida a salvar seu avo. Caso não conseguisse não imaginava mais um sentido pra sua vida e isso tornaria sua imortalidade uma maldição.

Uma vez quando ainda era criança, seu avô a levou para floresta, na parte escura onde só os mais corajosos adentravam. As folhas mal se mexiam e a escuridão tomava de conta do lugar. Foi a primeira vez que sentiu medo. Se agarrou nas pernas do avô e pedia pra voltar para casa.

– Não podemos voltar, todos contam com nossa coragem. Alguém ali dentro precisa de ajuda.

– Quem?

– Você vai ver quando chegarmos lá.

Caminharam com cautela mais alguns minutos. Floresta estava cada vez mais densa e o pequeno coração de Loren mais agitado. Embora ainda estivessem nas primeiras horas do dia uma escuridão assustadora preenchia o lugar. O caminho já havia se tornado estreito o bastante pra fazer que o velho pegasse Loren no colo.

– Chegamos.

Sem que Loren notasse se aproximaram de uma inusitada clareira em meio a todo aquele ar fantasmagórico da floresta. O medo de repente se vai quando a luz do sol encheu os olhos.

–Vamos nos aproximar querida, é importante que veja bem.

No meio da clareira havia uma árvore imensa. O que assustava nela não era seu tamanho e sim o rosto preso em seu tronco, como se um ser humano tentasse tirar a cabeça para fora da árvore, paralisado e endurecido ali indefinidamente.

– Uma vez, um homem normal quis ter mais poder que Alzegrim. Se juntou a outros homens e tentou atacar a floresta. Muitos elfos morreram naqueles dias. Mas como todos sabem o mal nunca pode vencer. E o espírito de Alzegrim se encarregou dele. Por hora é tudo o que você deve saber.

– Ele vai ficar assim para sempre vovô?

– Não se sabe, talvez um dia ele se arrependa e o espírito o liberte, talvez não.

Junto com essas lembranças vieram as lagrimas que Loren nem mesmo se preocupou em enxugar. Tinha medo de perder seu avô. E essa dor não suportaria. Voltou pra aldeia decidida salvá-lo a qualquer custo.

As recordações deram lugar a uma idéia fixa que movia a elfa agora. Deixou sua cabana na vila élfica arrumada e fechada, levando consigo apenas suas roupas, o arco de madeira feito por ela mesma e a aljava de flechas que uma vez pertencera ao seu pai. Saiu discretamente por entre às árvores, evitando as crianças que ali brincavam e os adultos que moravam nas proximidades. Passou uma última vez pela margem do lago das folhas e o observou com carinho como em despedida, imaginando se voltaria em breve para casa. Precisava voltar pelo seu avô e pelos próprios elfos. Se a doença dele se espalhasse toda a vila corria risco de desaparecer em poucos anos. Rumou para sudoeste, para a estrada dos humanos.


Categorias: A Lenda da Rosa Azul,Contos | Tags: , ,

56 Comments»

  • Samiia says:

    Ameei , agr fiqueei curiosa para saber o que ten por vir … 😀

  • Carol Abreu says:

    Ameei , agr fiqueei curiosa para saber o que ten por vir … ²
    mó legal!! 😉

  • jaime says:

    Uma historia envolvente e com muma trama que me lembrou de filmes como,harry phother, o labirinto do Fauno e etc!
    concerteza pode virar uma serie muito boa pros amantes dos livros e quem sabe até um filme.

  • Dee Soares says:

    AAAAAAAAAAAH *-*
    Esse é perfeito ! Tem que rolar mais posts ! COM CERTEZA. Estou na espera. ?

  • Càah says:

    Muito bom!!! tbm estou na espera por mais posts…

  • Gabriel says:

    Muito bom, concerteza todos que lerem vao gostar.
    gogo proxima parte õ/
    vc tem o dom 😀

  • Luccas says:

    WOWW , mtooo lokooooo

    que venha a 2º parteee logooooooooooooooo !

  • Jaqueline says:

    Muito bem escrito !!
    Tem que ter mais textos logo .. 😀

  • Rose says:

    Adorei o conto, muito bom, merece ser publicado.

  • peregrina says:

    *_* nyahhhhhhhhh.
    muito bom!
    continua logo,essa historia merece virar um livro

  • Luís Oselieri says:

    Vinicius, nao tenho costume de comentar muitos contos por aqui, mas o seu conto estah ficando muito bom mesmo, parabens !! Aguardo pela continuacao !!

  • Bandit says:

    lol que roxxxx muito bom

  • JonesVG says:

    Cara, gostei do capitulo, bem bom mesmo, mas tem certos erros de acentuação aqui e ali que deixam a leitura meio quebrada, dá uma olhada nisso carinha, de resto a história ta bm projetada, bem detalhada, gostei!

  • Vinicius Maboni says:

    Muito obrigado a todos. JonesVG, obrigado pela dica, ficaremos mais atentos. Também devo muito ao meu grande amigo que escreve comigo e prefere assinar como Hioto.
    Em breve estarei enviando o Capitulo 2

  • Rubens (HIOTO) says:

    Ihhh…

    Acabou saindo a versão sem revisão (com um único erro de acentuação e alguns de pontuação). Mas tá valendo né?

    Somos amadores mas esforçados e vamos fazer o melhor.

    Espero que gostem!

    • Jones says:

      Sorry, falei acentuação no lugar de pontuação, mas cara, todos somos amadores, e minha critica, foi uma critica? Sei lá, foi apenas para auxiliar, eu gostei do conto, achei que ficou muito bom, apenas apontei uma coisa que vocês poderiam melhorar. Desculpa qualquer coisa.

  • Monnyelle says:

    Nuuussss… Como sempre né Vini… Muuuuito bom mesmo. Em tudo que você faz né… Perfeito! Não pare de escrever, e continue a publicar seus textos exorbitantes e atrativos.

  • Lord Jessé says:

    Como todos disseram: Muito bom!
    É fascinante.
    Estou louco pra saber como continua.
    Parabéns!
    E aguardo os próximos.

  • Abreu says:

    Realmente muito bom! continuem escrevendo…
    ..Aparenta que uma bela aventura está por vir!
    Aguardando.

  • Perla says:

    adorei Vini e Hioto …Parabens!!
    to esperando pelo proximo capitulo!

  • JhonnieXD says:

    Noooossa q foda, gostei mto, QUANDO CHEGA A PROXIMA PARTE????

  • EVELLY KATARINE says:

    isso e tao sei la nao sei como disser qqueria comviver cam as pessoas se que elas me notasem ali mas nao tem cono eu sou morrena cabelos lisos e olhos verdes sou normal pra me mas tados acham que eu sou esquiseta estanha ou louca so porque eu acredito na rosa azul pode ser ate uma lenda mas pra men nao inporta.

  • Érica says:

    gosteei mtooo…essa história vai ficar mais interessante aindaa… Vinny publica logo o segundo capítuloo!!!!

  • André Luiz says:

    Otima historia,estou ansioso para ler o segundo capitulo..!!

  • Paolla says:

    Muuito bom, a estória é bem criativa e envolvente. Vou esperar pela continuaçao.

  • tobias says:

    OTIMA, LINDA, MARAVILHOSA HISTORIA QUE EU JÁ LI NA VIDA!
    ESCREVE MAIS *.*

  • JP says:

    mtooo massaa 😀
    fico dahora msmo! ;]

  • Tk says:

    MAnda ver Rubçaooo tah show de bola,aguardo a continuidade do conto.

  • Vinicius Bizzo says:

    Realmente bom, estão de parabens.

  • Giovana says:

    Nossa ! Adoreei .. Muiito legal .. estoou curiosaa pra ver o finaal 😀

  • Grook says:

    Gostei,muito bom!

  • Artur says:

    Goooosteii muito ! mitoo boa a historia !!!

  • Wolney says:

    Ficou muito bom, tiveram alguns erros de linguagem, mais nada muito serio, a historia esta indo muito bem, continue assim.

  • Psico says:

    Isso Aew Manin…
    Mandou bem…
    Vai na força…
    Ce tem talento!

    E ve se manda logo a outra parte…
    jah to viciado
    lokão pra saber o final

    =D~

  • Rafael Di Sales says:

    Muito bom cara, sou seu fã!

  • Evelyn says:

    Muito Bom!!!!!!
    Adorei!!!

  • Glayson says:

    NUSSA GOSTEI DA HISTORIA, ME LEMBROU “MERLIN” EM MUITOS TRECHOS DA HISTORIA…
    BOM ESTOU ANCIOSO PEA PROXIMA…

  • Geovana says:

    Nuus’.! os estudoos tão valendoo viu Vinicius.poakspoaks ..
    Boom demais.. esperandoo peloo proximo cap.

  • GeeKS says:

    Geral:

    Trama bem elaborada, é importante que o leitor compreenda o que vocês queriam ter passado talvez de forma mais explícita, mas nada que tenha prejudicado o conto, achei excelente pra uma introdução de algo que terá o tamanho que vocês quiserem que tenha!

    Críticas:

    Os detalhes ficaram um pouco cansativos pela ausência de vírgulas e sinônimos distintos (o abuso das mesmas palavras no decorrer do texto ex: densa).
    Para maiores detalhes, um vocabulário rico é sempre bem-vindo, sem ter medo do que possa ou não ser compreendido pelo leitor. Até porque quem é atento aos detalhes geralmente compreende o significado das palavras “estranhas” melhor que um leigo (que certamente ignora-os).

    Sugestões:

    Leia-se: “tomava conta” no lugar de: “tomava de conta”

    Floresta = “A floresta” (início de frase)

    o bastante pra fazer que = “O bastante pra fazer com que”

    Concordância verbal = o medo se vai quando a luz do sol enche / o medo se ia quando a luz do sol enchia / o medo se foi quando a luz do sol encheu.

    Lagrimas = “Lágrimas”

    decidida salvá-lo = “decidida a salvá-lo”

    idéia = “ideia”

    às árvores = “as árvores”

    Conclusão:

    Logo mais leio a continuação, continuem se empenhando, pois vocês têm futuro!

    • Rubens (HIOTO) says:

      Entãoo.
      Obrigado por ler e que bom que gostou.
      Como havia comentado mais acima, saiu a versão sem correção, dessa primeira parte. Não tô dizendo que não erramos, porque é humano. Só que tantos erros assim acontecem quando se tem pressa de expor as idéias sem perder o rumo da história, depois, a gente corrige, o que não foi feito nessa parte.

      Vale salientar também que “ideia” sem acento só pela nova gramática que ainda não é obrigatória, correto?

      Obrigado pelas críticas, sempre bem vindas.

  • cell bad says:

    shooowwwww!!!!!! que ideia brilhante continuem assim vcs vao muito longe.parabens

  • Andrey Ximenez says:

    Li lendo Omnia – Mabom, ponto pra vcs

    Assim duplinha dinâmica, como ja falaram o jones e o geeks, algumas revisão e bla bla bla.

    No ponto da descrições me lembrou senhor dos anéis.

    A personagem em sim me lembrou muito a Laurana, estimada personagem, que sempre morará no meu coraçãozinho, xD

    Acho que tem tudo pra ser uma grande história. Vamos ver a continuação.

    =]

    • Vinicius Maboni says:

      Uhauhauhau
      Nós Escritores beta sendo comparados à Tokien, pra mim não tem elogio maior
      rsrs
      Vlw Andrey

  • Victor says:

    Tinha lido nao Rubao,
    Nossa ta massa, vo le os outros espero que estejam ainda melhores.
    A proposito quero escrever = a vc quando eu cresce.

  • Betinho says:

    muito bom
    mandou muito bem vinicius ^^
    adorei pakas,prende agente na historia

    • HIOTO says:

      Agradeço por ele Betinho.

      Kkkkkkkkkkkk.

      Eu também gostei da história do vinícius…

      • Lord Jessé says:

        KKKKK

        Acho percebi um certo sarcasmo do Hioto.
        “Eu também gostei da história do Vinicius”

  • Tiago says:

    cara,nao tem como ler isso e nao postar um comentario,agente fika mas ansioso a cada frase qui le da vontade de entra na historia

  • Gabriel says:

    Kra muito massa msm…
    não falta historia baseada em mitologia
    falta historias perfeitas baseadas mitologia
    asauhsuahsuhasuha

  • Marcos Gomes da Silva says:

    A Lenda da Rosa Azul emociona e cativa as pessoas. Ainda mais sabendo que existe esta variedade de rosa na natureza, apesar de muito rara de encontrar e produzí-la. Sei que nós seres humanos temos o coração inclinado e apaixonado pela poesia de alguma, melhor ainda quando o tema envolve as flores. A rosa azul foi um tema bem escolhido para esta crônica. Vinícius de Moraes como autor principal faz da versatilidade encontro de amor conjugado e esmera no requinte. A qualidade rebuscada em quaisquer de suas obras e formas diferentes de expressar, seja em poema, conto ou outra forma literária qualquer, inspira e cativa e emociona. Hioto que o diga, senão não traria para cá esta apaixonante obra. Sequer faz divagações. Somente deixa a alma do artista respirar apaixonadamente em A Lenda da Rosa Azul.

  • Karina says:

    Essa lenda é ótima, muito envolvente e cativante *-*
    ameeeei ?
    Parabéens =*

  • Thainá Gomes says:

    Ameeeei parebéns mesmo estou mega curiosa vou ver se acho os próximos cápítulos

    • Vinicius Maboni says:

      Que bom que gostou, já temos 4 caps disponiveis aqui no ONE. é só clicar na pizza.
      xD

  • Tryck H.araújO! says:

    Realmente incrível… a simplicidade de suas palavras e o arranjO temáticO, com o uso de personagens surreais ao mundo moderno deixam a história muito mais interessante.

    Eu realmente esperO q continue a escrevê-la!!

    Boa Sorte! ^^

  • Shado Mador says:

    Cara realmente um conto ótimo.Que leva pessoas (tipo eu xD) comentar até um ano depois da publicação.Ficou incrívelmente bom.O enredo a facilidade do fluxo de ideias.Sabe , é leve e emocionante.Saboroso de ler.
    Parabéns! Vou ler todos os outros.

  • Dayane says:

    Parabens… Mto bom…
    Espero a 2ª parte logo… =-)

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério