O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Apr
21
2010

A Redoma de Cristal

Escritora: Bianca Briones

“Era uma vez uma garotinha.

Ela tinha medo de tudo.

Vivia cercada por uma redoma de cristal e acreditava piamente que estava segura.

Ali ela estava salva de todos os seus pesadelos.

Não convivia com a maldade. Não carregava nada de ruim em seu coração.

A garotinha não imaginava que esta sua armadura tinha uma conseqüência.

Seu corpo crescia normalmente e dentro dela sua alma permanecia inocente como quando nasceu. Ela não sabia que era diferente de todos os outros. Não podia saber o que não conhecia.

De dentro da redoma ela observava as pessoas passando.

Sempre fora curiosa e às vezes se perguntava por que ninguém mais se escondia.

Contudo isso não era suficiente para criar coragem e se aventurar pelo mundo.

Ela preferia ficar ali paradinha, apenas observando.

Passaram-se anos e a garotinha começou a crescer.

Sua fria redoma a apertava cada vez mais. Chegando a sufocar em alguns momentos.

Era quando ela pensava se poderia a quebrar e sair, sempre desistindo no fim.

Ela estava bem ali. Por que mudar algo que estava dando certo?

Doia um pouco, é claro, mas ela já estava acostumada.

Não tinha nada errado em viver protegida. Ou tinha?

Por que deveria expor-se a dor?

Às vezes ela respondia a essas perguntas com força, acreditando que estava bem ali dentro. Às vezes ela fraquejava e tinha tanta vontade de sair. Apenas para saber. Curiosa demais com o que poderia acontecer.

Um dia ao longe ela viu uma bela mulher e aproximou-se vagarosamente, sempre com cuidado, sempre com tanto medo.

A mulher estranhou a redoma. A eterna garotinha num corpo de mulher estranhou as cicatrizes.

A nova amiga lhe explicou que era isso que acontecia fora da redoma.

Em muitos dias alguém a machucou, em muitos dias ela lutou e perdeu, em muitos dias partiram seu
coração, em muitos dias ela chorou e desejou ter uma redoma que a protegesse desse mundo cruel.

A garotinha, cada vez mais decidida a nunca sair, continuava ouvindo a tudo atentamente.

“Nunca devo sair, então?” – perguntou resignada.

Nesse momento a mulher a olhou nos olhos e viu suas lágrimas escorrendo.

“Você ao menos sabe por que está chorando, garotinha?”

Não, ela não sabia. Não tinha idéia de quanto havia perdido.

A mulher sorriu e contou que atrás de cada cicatriz havia um momento importante.

Antes de a machucarem, ela foi feliz. Mesmo não tendo vencido todas as lutas, ela aprendeu com elas e ficou mais forte. Antes de ter tido seu coração partido, ela foi amada. E como fora feliz.

“A vida não é feita de cicatrizes, mas de todos os momentos, bons ou ruins. É todo o contexto que é importante. Não importa cada lágrima que você derrubar, e sim tudo o que passou para chegar a isso, quantos sorrisos foram dados no meio do caminho.”

A garotinha via que apesar de todas as cicatrizes a mulher era imensamente linda. Cada cicatriz fazia parte dela de um jeito único e a completava como a uma pintura. Passou a perceber que as cicatrizes não eram tão visíveis assim se você olhasse a todo o contexto. Começou a enxergar que não se deve viver apenas por um detalhe, por um momento.

O medo era aterrorizador e a curiosidade era maior.

Num segundo pedacinhos de cristal voavam para todos os lados.

Assustada, ela percebeu que um pedacinho de cristal tinha entrado dentro da palma de sua mão. Ao tira-lo de sua carne, ciente de que nem doera tanto assim, sorriu e ficou observando o que se tornaria a sua primeira cicatriz.

Com um profundo suspiro a garotinha decidiu que era hora de virar mulher.”


Categorias: Agenda |

6 Comments»

  • Rainier says:

    Gostei do conto.

    Simples e gostoso de ler. Me pareceu uma fábula, ou um conto mais infantil. Entretanto não deixa de ter uma mensagem.

  • Isso é que dá estar em dois trabalhos desde 12 de abril.
    Não vi que meu conto tinha sido postado. rsrs
    Muito obrigada.

    Beijo.

  • Andrey Ximenez says:

    Achei bom. Mais como uma fábula, mas me lembrou uma passagem presente no anime “Onegai Teacher” onde o professor Yama diz o seguinte, para uma de suas alunas qnd tomou o fora:

    “Eu estou construindo esse avião. Seria muito bom se ele voasse. Mas não sei se vai voar, se vai dar certo. Mas cada minuto de trabalho nele foi ótimo. Cada gota de suór valeu. E pra vc, valeu o processo? Valeu o caminho?”

    Bem bacana
    🙂

  • Thainá Gomes says:

    Eu tenho uma amiga que vive parecido com isso uma redoma de cristal os pasi delas não deixam ela viver e simplesmennte ela obedece,ela devia viver masi ela não quer,vou mostrar esse conto pra ela quem sabe ela não muda um poco de idéia,eu amadurecia minha.

  • Luiz Luna says:

    Funciona bem como um conto infantil, apesar do meu pensamento de que quase nenhum pai leria isso para uma criança.
    De qualquer forma, acho que o público para um conto com esse tema não é de crianças.

  • What’s up, how’s it going? I just mentioned this article along with a colleague, there was a fantastic chuckle.

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério