O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

May
18
2010

O Encontro

Escritor: Felipe Ferraz

o-encontro

Separados por um amontoado de concreto e uma lâmina de vidro, um lado era quente e úmido, com cheiros agradáveis e névoas de vapor que tornavam a visão menos clara. Já o outro estava frio, com ventos e folhas voadoras, além de um aspecto cinzento que remetia a um dia propício para o ócio e a reflexão. Minutos se passaram e Romão se enrolou na toalha, para tirar a água de sua pele, agora cheirosa e macia. O cabelo, mesmo curto, recebeu gel. A barba foi literalmente laminada, e o creme pós-procedimento dava um perfume especial à face. Olhou o relógio e ficou satisfeito em não ter se atrasado; a dama não poderia esperar um segundo sequer.

A chuva havia parado no instante em que se dirigia ao restaurante. Nada de movimento, barulho ou confusão. A casa ficava em um bairro próximo à zona rural, longe do movimento jovem característico do sábado. O horário também contribuía para isso, não eram oito da noite ainda. Somente aqueles que saíam do trabalho, ou tinham jantares românticos, ocupavam as mesas. Esmeralda era uma dessas pessoas e, mal havia chegado, Romão apareceu na porta do estabelecimento. O minuto que demorou para sentar-se foi regido pelo pianista local. A luz aconchegante incitava uma taça de vinho e uma boa conversa sobre a paz daquele momento.

– Estás deslumbrante – foram as primeiras palavras de Romão. A timidez da companheira de mesa era inegável. Haviam conversado algumas vezes pelo telefone, conheciam as vozes um do outro. Os olhos não traziam surpresas quanto à beleza alheia, pois já haviam visto fotos. Mas o primeiro contato físico, mesmo distante, é sempre precedido por um momento de hesitação, um frio na espinha (necessário).

Esmeralda havia recebido ajuda das pessoas jovens com quem convive quase diariamente. Foram elas que escolheram as roupas, a maquiagem, o perfume, a bolsa e os (poucos) acessórios. Não que ela não pudesse decidir por si mesma. Mas confia tanto no bom gosto de seus entes que entrega sua aparência, ainda impondo seus próprios limites. Seu sorriso disfarçava a ansiedade do momento, mostrando que sabia contornar situações daquele tipo. Apenas o tempo frio e chuvoso mudaram os planos, tudo levava a crer que o calor e o céu limpo ditariam o rumo da conversa.

Cada um contou um pouco sobre sua família. O que fazem para sobreviver, como passam o tempo livre. Já sabiam, mas riram sempre que encontraram algo em comum, desde a marca de chocolate preferida até a aversão à televisão aos domingos. A luz das velas dava um tom especial aos olhares que trocavam, o cheiro das massas locais despertou o apetite (lasanha e canelone seriam os pratos da noite).

Romão fez questão de lembrar do dia que se conheceram, pela tela de um computador. Recordava o que havia feito desde o momento de acordar, até a hora de dormir, e enfatizou que em seus sonhos a beleza da mulher em sua frente fez questão de aparecer. Esmeralda contou que, naquele dia, almoçava na casa de uma amiga, e pediu para usar o computador, apenas para verificar alguns e-mails. Aproveitou para usar o programa de mensagens instantâneas, e conversou com um novo usuário. Com alguma vergonha, disse que foi paixão à primeira vista.

Quem os visse conversando diria que se conheciam há tempos (o que não deixava de ser verdade). Sentiam-se à vontade naquele momento, seguros com a presença do outro. Mas a hora havia corrido, como em poucas vezes acontece.

– Venha, deixo você em casa – Romão aproveitaria a viagem para ouvir a voz de sua companheira por mais alguns minutos. Fez questão de esconder seus velhos hábitos como dirigir em alta velocidade, buzinar e cantar em voz alta. Ao chegarem à casa de Esmeralda, recusou educadamente o convite para um café, mas a acompanhou até o portão, abrindo a porta do carro para ela passar. Despediram-se com um beijo nas costas da mão, e um abraço carinhoso.

– Nos falamos pelo computador, ou no próximo encontro.

Esmeralda entrou em sua casa sorridente, feliz por aquele encontro, depois de algum tempo sem sair com alguém. Romão sabia que aquela mulher era especial, alguém para um relacionamento sério e duradouro. Pensaram, como se fossem ligados telepaticamente, nada como um encontro à moda antiga após conversas virtuais.


Categorias: Contos | Tags: ,

23 Comments»

  • Este conto foi para um concurso de uma revista literária aqui de Campinas, hehehe. mas como não tive resposta, o considero inédito. Espero que gostem!

  • Palo jeito ninguém gostou

  • Andrey Ximenez says:

    Kkk… se alguém não tivesse gostado teria dito aqui man.

    =]

    Gostei de um conto sobre um conto da terceira idade, de uma maneira tão moderna (será q captei direito?).

    Acho somente que vc poderia cuidar-se mais com os usos de tempos verbais, que se conflitam em alguns parágrafos. Também um cuidado com os parenteses. Eles deixam o texto carregado. Passa q vc teve preguiça em escrever determinado trecho. Sei lá

    Mas gostei. ^^v

  • Andrey Ximenez says:

    Gostei de um conto “sobre um encontro da terceira idade”…

    u.ú

  • Augusto Ricardo says:

    O conto não é tudo isso, mas a temática é bem diferente. Esse é o problema, aqui só tem nerd querendo ler sobre mitologias e histórias.

    • Andrey Ximenez says:

      Tirando o peso pejorativo da palavra “nerd”.

      O que é isso senão história amigo?

      Ou vc quer diferenciar “história” de “estória”

      E mais do q nerds q gostam de mitologias, aqui sempre aparece uns paraquedas, que não fazem a minima idéia do q é o ONE e já saem opinando.

      Quem sabe vc da uma olhada melhor e sua visão mude, amigo.

      =]

      • Tirando o a primeira frase, não dá para aproveitar nada do comentário…

        • Andrey Ximenez says:

          Nâo tem coisa pior q esses paraquedistas.

          • Valeu a força, Andrey! aquele abraço

          • Rainier says:

            kkk, sou nerd e quase não escrevo fantasias, mitologias ou coisas do gênero.

            Quanto ao conto eu gostei, até a primeira fala do protagonista. Depois senti que o texto ficou mais “pobre”, menos trabalhado. E tbm acho que os parênteses foram desnecessários.

            Alguns verbos tbm estão conjugado de forma errada. Como “Estás”. O correto é Estais.

            Com uma revisão creio que este texto poderia ficar muito melhor.

  • hummmm, valeu as dicas Rainier… realmente, cansei depois dos dois primeiros parágrafos. ou estava com pressa, nao lembro. grande Abraço!

  • Renata says:

    Gostei do conto, faz relembrar como os momentos do primeiro encontro são bons!
    E concordo com os outros comentários sobre os parênteses, deixam as frases menos elaboradas!

  • hahaha comentário da namorada é tendencioso…

  • Vinícius Dias says:

    Excelente Conto!!!
    Este autor tem futuro!

  • campanhas realmente dão resultados, hehehe

  • Asami says:

    Gostei bastante de seu conto… só tive um probleminhas com os parênteses, mas a estória está muito boa e agradável… parabéns 😀

  • Bem simples o conto, sem um grande enredo. Bom para praticar a escrita! 🙂

  • Imagem perfeita! 😀

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério