O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Jul
20
2010

Lírio

Escritora: Samila

lirio

“É que eu gosto de você.”

Foi essa frase que, proferida por aquela encantadora garota levemente envergonhada, mudou minha vida.
Eu me senti realmente lisonjeada ao ouvir aquilo, embora seja verdade que foi um choque para mim receber uma declaração de uma garota. Apesar de tudo, é sempre bom saber que alguém gosta de você, e o meu grande apreço pelo yaoi me transformou em alguém desprovida de qualquer nível de homofobia.

Mas nada disso conseguiu me levar a uma resposta realmente boa.

“Desculpa, mas eu não curto garotas.”

Aquela resposta era verdadeira, pois naquele momento eu ainda desconhecia a mim mesma. Eu nunca havia me imaginado ficando, beijando ou namorando uma garota. Eu era uma heterossexual convicta.

Enfim, houve aquele silêncio constrangido. Levantamos-nos, falamos alguma coisa e nos fomos, e tudo prosseguiu como se aquele momento nunca tivesse existido. Pelo menos superficialmente era assim.

Desde esse dia, comecei a pensar muito nela.

Nunca fomos aquilo que se pode chamar de amigas. Estudávamos em séries diferentes e falávamo-nos pouco, o que deixou até hoje em mim a curiosidade de saber o que poderia ter chamado a atenção dela para mim.

Bem, ela sempre chamou a minha atenção, mesmo antes dessa confissão.

Lembro-me que na primeira vez que a vi, a achei muito bonita, embora eu tenha que admitir que tive que olhar duas vezes para me certificar que não se tratava de um garoto. Ela adotava um visual mais masculino. Utilizava roupas um tanto largas, e o cabelo era bem curtinho –e escuro, que contrastava maravilhosamente com a pele branquinha.

Mas mesmo com aquele visual –que, diga-se de passagem, caia super bem nela- aquele rostinho delicado não enganava. Tratava-se de uma garota, que para mim, será sempre a mais bela que já vi na vida, graças àquela perfeita androginia, que é o mais primoroso de conceito de beleza para mim. Se os anjos são de fato andróginos, ela faria inveja a qualquer um deles.

Mas enfim, após achá-la bonita, pude enriquecer minha opinião sobre ela na primeira vez que nos falamos. Sua voz era muito doce, e seu jeitinho, extremamente meigo.

E com aquela voz e com aquele jeitinho, ela me disse que gostava de mim. E como sinto vontade hoje de me castigar por ter respondido o que respondi…

Mas o que importa é que mesmo após minha rejeição, ela continuou direcionando toda aquela doçura e gentileza a mim.

Lembro-me com um sorriso no rosto certa vez em que machuquei a mão –não me perguntem o motivo, foi algo muito patético. Mesmo não sendo nada grave, ela se preocupou comigo. Pegou minha mão entre as dela e foi comigo atrás de gelo.

Pode parecer uma situação banal, mas para mim foi extremamente importante. A preocupação dela comigo fez com que eu me sentisse especial, e a minha mão na mão dela fez com que meu coração batesse acelerado.

Ah, como me senti feliz por andar ao lado dela, como se estivéssemos de mãos dadas, como se fossemos um casal.

Foi nesse dia que finalmente notei que estava apaixonada.

Foi estranho para mim descobrir esse sentimento, não nego. Foi a primeira –e até hoje, foi a única- que me apaixonei por alguém do mesmo sexo, e por isso, não consegui evitar me sentir insegura.

Eu tinha medo, muito medo do que as pessoas iriam pensar –e hoje vejo o quão ridícula fui por isso. Mas o principal motivo para eu não ter dito a ela o que sentia foi o pensamento de que já era tarde demais –e talvez fosse mesmo.

Com que cara eu chegaria até ela e diria que havia “mudado de idéia”? Eu tinha medo, muito mais medo do que ela pensaria de mim. A opinião dos outros não eram nada perto dela. E exatamente por isso, eu não podia correr o risco de receber um ‘não’, como ela recebera.

Eu sempre fui covarde, afinal.

O tempo passou, e nós nos afastamos um pouco… Nunca fomos muito próximas mesmo… Mas isso ajudou a acalmar meu coração, e bem, eu acabei por conhecer um rapaz.

Eu amei esse rapaz, amei muito, e verdadeiramente. Cheguei a ficar noiva dele, e com isso, me afastei quase que completamente dela, ainda mais depois de ter saído da escola para entrar no ingrato mundo dos adultos. Tive belos momentos de felicidade com ele, mas não vou mentir, volta e meia a lembrança dos meus sentimentos por ela voltava…

Depois de quase dois anos, o meu noivado começou a desmoronar, e eu notei que não era ele quem eu queria para dividir o resto da minha vida, principalmente pelo fato de eu preferir ficar me perdendo em sonhos com uma garota que não via há tanto tempo, do que escutar a voz dele.

É muito estranho, e eu não sei mesmo explicar o porquê, mas do nada, os pensamentos e as lembranças acerca daquela encantadora garota envolveram minha mente com um poder que eu jamais havia presenciado antes. Nunca tinha pensado tão intensamente em alguém quanto penso nela. É a todo instante, por todo motivo, ao ponto de eu pensar que minha sanidade está por um fio.

Eu a procurei… Perguntei a tantas pessoas, mas ninguém tinha um contato, uma dica, nada! Fiz de tudo, mas não a achei…

Sei que é loucura, estou me apegando a uma lembrança, afinal… Tudo pode ter mudado, ela certamente mudou. Mas nem essa certeza tira a necessidade que sinto de reencontrá-la.

E talvez, em meio ao meu desespero, meus olhos tenham zombado de mim… Mas hoje, eu jurei tê-la visto andando na rua… Parecia-se tanto com ela… Mas as circunstâncias me impediram de averiguar, e me restou apenas a felicidade da crença de que era ela…

Uma pena que essa crença acabou de ser derrubada por um amigo, que me disse que, ao que tudo indica, ela mudou de cidade.

E o que me resta dessa história são as incertezas e as mais doces e poderosas lembranças que tenho comigo.

Pois ela sempre será para mim o mais belo Lírio, que com sua pureza, doçura e amabilidade, transformou minha forma de ver a vida.

E se algum dia essa flor brotará novamente, eu não sei. Como eu disse, a incertezas permanecem, não apenas em meu peito, mas também nesse texto, que não passa de um desabafo de alguém que ama em um jardim de dúvidas, e que nesse momento, encontra-se perdida em seus medos.

Pode ser que algum dia esse relato mude de fim. Quem sabe algum dia o meu Lírio leia isto e me dê sua resposta definitiva.

Seja qual for –e se um dia de fato vier-, eu ficarei feliz, pois terei tido pelo menos a chance de vê-la mais uma vez e ser novamente testemunha daquela amabilidade sem fim.


Categorias: Contos | Tags: , , ,

115 Comments»

  • Samila says:

    Texto de adolescente, bobinho…
    resolvi mandar pq tava lendo umas coisas vilhas, e aí me deparei com esse, e fiquei meio nostálgica…

  • Andrey Ximenez says:

    Kkk.

    Um relato!

    Que doce!

    “Desculpa, mas eu não curto garotas.”

    Qnd “a menina” mudou de idéia deveria ter dito “Desculpa, mas eu não curto garotas, mas gosto de você.”

    Uma pena. Acredito que ela ficaria feliz de ver esse texto. Mesmo que em nome do passado.

    • Samila says:

      Ela leu, quatro anos depois, depois de uma batalha para localizá-la (ela tinha se mudado para minas gerais)
      Não deu em nada, mas foi bom… Tirou um peso dos ombros…
      E ela disse que tava bonito =D

      • Andrey Ximenez says:

        Shaushaushaus

        Vai por mim. Mesmo que não tenha dado em nada, ou somente “ta bonito” ela deve ter ficado feliz.

        Assim como na hora que ela falou que gostava de vc, vc msm não falou mt coisa.

        =]

        Qm sabe se ela não pensa nisso até hj?

      • Rainier Morilla says:

        Fiquei surpreso agora…

        Não pelo fato do homossexualismo, ¬¬.

        Mas o fato disso ficar marcado por tanto tempo a ponto de interferir no futuro.
        Esses dias eu li sobre uma mulher que deixou o casamento, se mudou para outra cidade para encontrar um homem que já estava casado e disse que tudo era só passado.
        Perdeu a guarda dos filhos e tudo que tinha…

        Essas coisas do coração me chocam!!!

        • Rainier Morilla says:

          Poxa Guns… Moderação again???

          • Samila says:

            Vocês aprontam demais, meninos… O Guns tem que ficar de olho!
            ~~~
            e bem, algumas coisas marcam mesmo… eu pelo menos penso nisso até hoje… e de vez em quando a gente se fala.
            è passado, mas é um passado doce.
            Uma boa lembrança dos tempos de juventude… (oh deus, como me sinto velha)
            o importante é não restarem arrependimentos! ^^

          • Rainier Morilla says:

            Sinto-me arrependido por algumas coisas no passado, em relação a sentimentos…

            Entretanto eu não fui, nem irei atrás. Creio q o lugar do passado é no passado.

            Se estou certo ou errado, quem sabe?

          • Samila says:

            depende muito do tipo de arrependimento…
            alguns te consomem, e você PRECISA se livrar deles…

  • Asami says:

    Mais um grande conto! Parabéns Samila, estou virando sua fã 😀 Amei essa sua estória, foi bem tocante e muito agradável de ler… é incrível a capacidade que você tem em tocar seus leitores (ou pelo menos a mim), pois realmente me senti triste pela personagem citada e também pela narradora ao descobrir que a amava, mas que ela não estava mais por perto 🙁 Parabéns por mais esse conto tão lindo 😉

    • Samila says:

      Obrigada, Asami =D
      que bom que gostaste! Eu tb acho esse texto triste, mas nem tanto… é que é bem real… acho que é por isso ^^
      beijinhos, e muito obrigada!

  • Tomás Kroth says:

    Bonitinho. Típico momento drama existencial adolescente, mas muito bem escrito e com a tua cara.

    Sempre imprimindo muito bem os sentimentos nos teus contos, muito gostoso de ler.

    Parabéns.

    • Samila says:

      Kawaii, né? XD
      Muito Obrigada, Tomás =D E sim, é bem típico… quase todo mundo passa por algo assim… só os sociopatas que não XD

      • Tomás Kroth says:

        Meus momentos assim sempre foram traduzidos em poemas e não em contos. Escrever contos é algo mais recente, advindo da falta de jogadores de RPG no chat da UOL. Pra suprir a necessidade de escrever, comecei com contos.

        Única diferença é que homossexualismo nunca esteve entre meus dramas existenciais adolescentes, ainda bem ‘^^

      • Samila says:

        *respondendo para o comentário do Tomás que ainda está esperando aprovação*
        Mesmo sem questões ligadas a homosexualidade, a adolecência é bem conturbadas… sempre tem aquela menina especial que não nos dá bola, né?
        Claro que quando o adolescente é homo, as coisas complicam bastante…

        • E.U Atmard says:

          Bem podes repetir isso…então quando ele não tem bem a certeza, aí é que dá raia de certeza…

          Este é um texto que pela sua simplicidade e verdade sentida eu atrevo a classificar de sublime. Os últimos parágrafos tem uma carga poética tão forte que quase se torne impossível de ler. Samila, este texto (apesar de não tão bom como os que escreveu mais recentemente, que estão recheados de descrições muito melhores), consegue um sumo equilíbrio entre um enredo simples e um enaltecimento do amor (ou algo equivalente), independentemente do género ou do credo ou do raio que o parta.

          Só não gostei do título, daí que ainda não tivesse lido antes…

          • Samila says:

            Muito obrigada, Atmard!
            que bom que gostou!
            esse texto eu escrevi faz um bom tempo já… nem era um conto, na verdade… era só um desabafo, mas como quem leu gostou, achei que poderia publicar ^^
            Eu sou uma romântic sem fim, afinal..

            ~~~~
            Sobre o título, escoli o lério pq ele me membrava a moça, pq é minha flor favorita, e especialmente pq é o que simboliza a homossexualidade feminina na cultura japonesa (tanto que o gênero de mangás voltados ao tema se chama yuri, que é lírio em japonês)

  • Sanchez says:

    Amei!

  • HIOTO says:

    Que final agoniante hein?
    Uma historinha corriqueira e bem interessante. Sem contar que tá muito bem escrita. Mas também né, é da Samila…
    .
    Muito boa essa tb!

    • Samila says:

      opa… assim me deixa até sem jeito =3
      Muito obrigada, Hioto… e sim, o final é bem angustiante…

  • John Macedo says:

    Muito bom texto, sincero e com sentimentos bem expressados. Pelo que entendi dos primeiros comentários, é algo resolvido já. Que bom!
    Alguns conflitos realmente te conssomem.

  • vou chorar!!! 😛

    Lindo, Samila. Simplesmente lindo. Estranho como essas memorias ficam com agente, né? Amores platonicos, respostas imbecis, atos estabanados, beijos desajeitados…

    acho que no final das contas sao essas coisinhas que fazem alguem, ou algo, tão especial.

    lindo texto, pequena.

    • pq te chamei de pequena?

      nao sei, chamava uma amiga minha assim… nem sei o teu tamanho!

      deconsidere o pequena

      • Samila says:

        Muito obrigada, Israel! e sim… esses amores de meninos e meninas deixam uma coisa boa para trás, não deixam?
        sim sim, são as pequenas coisas que fprmam as pessoas, também acho ^^

        e bem, eu de fato sou pequena (1,62m), então sem problema XD

        • E.U Atmard says:

          Olha que giro, exactamente a minha altura!
          Mas eu preferia que não me tratassem por pequeno ¬¬

          • parou tudo!

            -mas você cresce, Atmard, és muito novo ainda…

            Qual é a tua idade, macho?
            ( pensei tu ter algo entre 25 e 35 )

          • E.U Atmard says:

            Eu, eu tenho 14 anos.
            E sim, suponho que ainda possa crescer, mas na minha família sou ainda assim o mais alto. Família de pessoas pequenas…

          • Samila says:

            todo mundo pensa que o Atmard tem por volta dessa idade, e surta quando ele fala a idade! XD

          • E.U Atmard says:

            Já é quase um ritual de aceitação de um novo membro no ONE…xD
            Mas sim, não sei se é pelos posts gigantescos, se por ter um ananás no avatar…

          • Samila says:

            diga-se de passagem, jamais entendi o significado desse abacaxi…

          • ueauaehaeuhea

            14? … preocupante

            ou tu vai virar um velho chato aos 27 ou eu nunca irei amadurecer

            assustado mesmo

            isso eh brincadeira tua… só pode

            fala serio aí, samila!

          • E.U Atmard says:

            Israel, estou a falar a sério. Nasci a 5 de Novembro de 1995, em Portugal. Eu sou apenas assim, com um discurso muitas vezes pretensioso. Mas eu normalmente não sou assim, sou bastante mais…jovial!

            O abacaxi é a capa do meu livro…ou pelo menos o que tenciono que seja. A razão? Muito, simples, eu gosto de ananases, e eles são amarelos, e portanto são todas as boas razões…

          • Gabriel Monteiro says:

            Atmard, você é só um mês e quatro dia mais velho que eu.

          • Samila says:

            Todo mundo se assusta, Israel… Não se incomode, apenas acredite…

            e nhai, eu gosto deles pq eles são gostoso, e não por serem amarelos! XD
            e eu quero esse livro!

          • Gabriel Monteiro says:

            Sinceramente, se ninguém falasse acho que eu nunca acreditaria na idade do Atmard.

          • Gabriel Monteiro says:

            Atmard, seu livro é sobre o que?

          • E.U Atmard says:

            Gabriel, tu tens 14 anos também?!
            Agora sou eu que estou parvo. Não fazia a mínima ideia!

          • E.U Atmard says:

            O meu livro é uma amálgama de histórias contos e relatos, tentando seguir um enredo linear. Meio fc, meio terror, meio sobrenatural…

        • hehe

          deixam sim. apesar daquele sentimento de “pouts, se fosse hoje!” .

          do meu ponto de vista vc neh tao pequena assim não, eu mesmo tenho 1,70… talvez 1,72 com o black power que tou cultivando nos ultimos tempos.

          😛

          • Samila says:

            HUAahuhHAUha, mas você cresce, Atmard, és muito novo ainda…
            eu não cresço mais nada, e eu sempre fui baixinha… hj nem sou tanto, mas passei minha infância toda sendo chamada assim, então.. XD

          • Meudeusdocéu! Agora que me senti velho mesmo!!! 14 anos, Atmard? Acho que eu também nunca vou amadurecer…
            Samila, esta história é lá do início das tuas escritas, não é? É muito legal e mostra bem a grande diferença no amadurecimento de uma grande escritora, quando se compara com o estilo adoptado no Belial.

  • Franz Lima says:

    Samila, seu texto ficou muito bem escrito. Apesar de mostrar um drama existencial (algo que nem sempre agrada), o texto tem um ponto muito positivo: a sinceridade. Descrever uma relação entre mulheres, mal resolvida e com tantos obstáculos não é nada fácil. Mas seus admiradores (entre os quais me incluo) tem razão quando elogiam seus trabalhos. Parabéns.

    • Samila says:

      muito obrigada, Franz! e sabe que nem eu gosto muito de textoas assim?
      gosto de escrever, mas não de ler… vai entender, né? xd
      muito obrigada
      que bom que gostastes

  • Ei pequenos e jovens escritores… fui obrigado a procurar no Google, what the hell is an Ananás! 😮

    Agora eu sei. hehehe…

  • filando aqui:
    Abacaxi ou ananás é uma planta monocotiledônea da família das bromeliáceas, subfamília Bromelioideae

    O termo abacaxi (em português) é, com forte probabilidade, oriundo do tupi ibacati, ‘bodum ou fedor de fruto’, ‘fruto fedorento’ (ibá, ‘fruto’, cati, ‘recender ou cheirar fortemente’), documentado já no início do séc. XIX.

    O termo ananás (em português e espanhol) é do guarani naná, e documentado em português na primeira metade do séc. XVI e em espanhol na segunda (1578), em que é empréstimo do português do Brasil ou da sua língua geral.

    Parece que sao a mesma coisa Elcio

    😀

    • Aqui, chamam ananás ao fruto maior e de sabor mais ácido, enquanto o abacaxi é menor, mais redondo e de sabor mais adocicado. Como se trata de um português a falar de ananás, eu me referia à esta pequena diferença…

      • E.U Atmard says:

        Exactamente, essa é a diferença que normalmente nós identificamos aos ananases e abacaxis…

  • Vitor Vitali says:

    Bem, não sou muito fã de textos em primeira pessoa, em especial por que ele costuma puxar de mais para os pensamentos da personagem e eu acho isso muito chato, mas o conto está legal, embora um pouco bobinho.

    • Eu sempre me confundo nos contos da Samila.. de inicio nunca sei se é homem ou mulher. 😮

      • Samila says:

        Hahaha
        normal guns, normal.. às vezes nem eu sei XD
        ~~~~~~~~
        e sim, Vitor, é bem bobinho mesmo ^^
        obrigada por ler

        • Andrey Ximenez says:

          Engraçado… eu não tenho esse tipo de problema.

          õ.o

          • Samila says:

            lembre-se do ‘fada madrinha’…
            xD

            às vezes eu começo a escrever sendo de um gênero, e termino em outro xD
            meninas viram meninos, e vice-versa

          • Andrey Ximenez says:

            Bem… naquele caso não fica nada especificado Samila. Tanto que como eu te disse, vc poderia ler aquele texto tranquilamanete como se fosse um menino. E outra… a enfase do texto, na maneira como ele é construido é justamente para o leitor descobrir só no final.

      • Gabriel Monteiro says:

        Eu sempre me confundo nos contos da Samila.. de inicio nunca sei se é homem ou mulher.[2]

  • Billy Walter says:

    Oi, olha… esta é minha primeira visita.
    Por ter entrado no conto: teste de Vampiro – J. G. Válerio. pensei que era um site de fãs de Crepusculo! rsrs.

    Mas é muito alem disso, talvez aqui seja um baú de tesouro, onde cada um tem valores especiais. Claro que digo “especial” por serem diferentes, em pensamentos, em experiencias e esperanças. Enfim, eu encontrei vocês, e me sinto rico por isso.

    Sou leitor e não escritor, mas adoro ver diferenciações nas minhas aventuras, e é atravez deste tons que não só eu, mas varias pessoas, conseguem sair da rotina de suas vidas, e se transformar para outra realidade.

    Queria dizer mesmo que quanto vc Samila, quanto Andrey e J. G. (espero que vejão isso), se tornarão hoje, meus idolos.

    Até breve.

    • E.U Atmard says:

      Seja muito bem vindo ao ONE Billy. Como já deve ter percebido, isto é um site de contos onde jovens escritores podem encontrar as suas obras expostas para um público que apesar de limitado é muito rico e variado. Cada escritor tem o seu género, o seu grau de experiência, o seu cunho pessoal.
      Acredito que não só eu mas todos aqui terão todo o prazer em que leia. E não se esqueça de comentar, quer seja para deixar a sua impressão do conto, quer seja apenas para dar uma palavra amiga, porque comentários são sempre bem vindos.
      E perceba uma coisa, nós (e falo sem estar incluído, mas creio que falo pelos referidos) não somos nenhuns super-heróis, nem sequer somos pessoas de grande importância. Não há razão para que torne ninguém ídolo, pode tornar-se admirador, apreciador, fã, mas nunca ir tão longe, nem usar palavras tão fortes.
      Este é um óptimo site, com uma atmosfera quase caseira que dá a impressão de se estar em algum sítio desde sempre, mesmo quando se chega pela primeira vez, mesmo quando não se vem cá à muito tempo. Estou certo que vai gostar da sua “estadia” cá.

      • Billy Walter says:

        ^^.

        Muito obrigado pelas palavras recepitivas.

        Estou tentando conhecer melhor todos, e me desculpe se achou que minhas palavras forão exageradas; como eu disse, sou leitor e não escritor, rsrs.

        Andrey, cara!!!! você é muito verdadeiro. rsrs. Espero que não leve a mau meu pedido, mas você consegue expressar na sua opnião a diferença do normal e do louco? (claro que me refiro na hora de escrever. sei que se der uma nota de 50,00 reais para alguem e ela rasgar…ela é louca!!!kkk).

        • Franz Lima says:

          Louca? Por rasgar, literalmente, dinheiro? Talvez não. Talvez seja apenas alguém insatisfeito com a prisão que o dinheiro, o vil metal, é capaz de nos colocar, sem que percebamos. O capitalismo não é ruim. O que o torna cruel é a dependência imposta a todos pelo dinheiro. Quantos ricos perdem as amizades quando caem em falência? Quantas pessoas são desconsideradas em função de sua pobreza?
          Coisas a se meditar…

        • Andrey Ximenez says:

          Ai ei meu amigo!

          Primeiramente bem-vindo ao ONE!

          Segundamente (?), obrigado pelo elogio =]. Ao contrário do Atmard não vou levar tão a sério o Idolo, mas vou levar o como os sinônimos que ele citou.

          Bem.. como tu mesmo disse aqui é um baú do tesouro, existe inumeros autores, inumeras idéias, técnicas diferentes. Enfim, é perfeito.

          Agradeço o verdadeiro. Tento bravamente, sério =] .

          Quanto a saber se a diferença entre o normal e o louco? Bah champz… sinceramente. Não conheço quaser nada q seja 100% normal ou 100% louco. Mas qnt a arte da escrita, há maneiras de se deixar esses aspectos mais claros. Normalidade pode ser expressa com lugares comuns, submissão as normas na sociedade, passividade e uma apatia/simpatia moderada. “Loucura” vc pode expressar a partir de extremos: apatia/simpatia extrema, opinião politica social extremista ou extrema posição do ego, seja para o cancelamento dele, ou para o engradecimento excessivo dele.

          Bem… acho q se eu quisesse expressar loucura seria por ai. Pq?

      • Não não.. não escute o Atmard Billy. Se você quizer me idolatrar fique a vontade. Aceito oferendas também. 😀

    • Samila says:

      Ouw… que doce! *-*
      Seja muito bem vindo, Bily, e deixa eu te falar uma coisa… muita gente que começou aqui no ONE como leitor, está agora publicando seus contos, crônicas, romances e poemas por aqui.
      se algum dia estiveres interessado em sair da rotina de outra maneira além de lendo, tente der vida às suas mãos ^^
      Por hora, esperamos que apareçs bastante, e comente e critique, assim ajude os autores daqui!

      • Billy Walter says:

        Claro, muito obrigado.

        Mas não sei se gosto de muita ousadia… já basta jogar Ragnarok enquanto trabalho…rsrs.

        PS: não sou viciado em nada…só em ler… eu acho! rsrs

  • Billy Walter says:

    Na verdade, fiz esta perguntar por ler alguns comentarios seus sobre pessoas que pensam de uma maneira mais excentrica do que normalmente outras pensam, claro que não estou falando que estas coisas existem; mas uma vez eu encontrei com um japones na rua, e ele me parou para dizer que os astecas estavam vindo de avião para dominar o mundo e leva-lo para o segundo ceu! kkkkkkkk.
    E ao olhar para os olhos dele, percebi a verdade absoluta, não para mim, mas para ele. Quero dizer…hum… será que as pessoas que jungamos relativamente loucas, ou estranha, ou coisas do genero, não vivem uma realidade particular? (por que eu estou sitando isso pelo amor de Deus????)

    • Andrey Ximenez says:

      Bom meu amigo. Eu expliquei uma percepção de loucura frente a quem quer escrever algo. Mas é óbvio.. existem pessoas totalmente insanas. Não precisamos ir longe. Falemos de Inri Christo ( Mêuuu Páiii ) … mas existem pessoas que se perdem numa realidade própria… seria mais um caso de ezquizofrenia (se escreve assim?) ou algo parecido dae.

      • Billy Walter says:

        ^^.

        Não vi nenhum conto seu.

        Você escreveu neste site?

        • Andrey Ximenez says:

          Claro que tem O.o

          Só ir ali na barra de busca e digitar meu nome…. vai aparecer alguns. Posso aconselhar “Realidade Insensível”, “Diálogo com o Inferno” como contos. Tem um protótipo de romance q é mais ou menos conhecido aqui no Site que é “Escolhas na Escuridão”, com a querida Ster =] . Outro recente é “Cartas de Mondego” onde há um diálogo entre escritor e obra por meio de cartas… enfim…. qnd puder dar uma olhada apareça. Espero que goste.
          =]

        • Gabriel Monteiro says:

          Ele tem vários contos publicados aqui no ONE, é só procurar por uns mais antigos ou pelos que estão na agenda de contos.

          Já ia me esquecendo… Seja bem-vido ao ONE!!!
          Como já falaram: ficaremos muito felizes em ter nossos textos lidos e comentados por você.
          Aqui realmente é um lugar ótimo! Com vários autores diferentes e modos de escrever e pensar diferentes.
          .
          E pode ter certeza que o site não é dominado por “vampiros” adoradores de mariola.
          .
          De qualquer forma, bem-vindo Billy!

          • Billy Walter says:

            rsrsrs.

            Muito obrigado Gabriel.

            Meu nome verdadeiro é Gabriel tambem… Gabriel Henrique (parece mexicano né? rsrs)

          • Meu nome é Gabriel também. E seja bem vindo! 🙂

          • Andrey Ximenez says:

            Nã… na minha versão da história seu nome é The Gunslinger Valério. Sendo apelidado entre a familia de gabriel

            E tenho dito

  • Billy Walter says:

    Franz, olá.

    Esta pessoa que rasga dinheiro para protestar as normas do sistema…bem…elas são tão raras quanto vampiros, quer dizer, MAIS raras do que vampiros, pois, ao que parece, neste site varios vampiros sairão de seus caixões para dizer “oi” e “existimos”. rsrsrs.

    • Franz Lima says:

      A definição de raro é muito ampla, meu amigo. Rasgar dinheiro não é algo que se vê em qualquer lugar, concordo. Entretanto, há outras formas de “loucura” muito mais comuns: matar, roubar, fingir ser amigo para obter benefícios, entre outras.
      Afinal, o que pensar de quem vive da felicidade de outro ou acaba com a própria vida em prol de um amor?
      O que é ser louco?

      • Billy Walter says:

        hum, não acredito que estas pessoas se enquadrem como “loucas”, acho que estão mais para “monstros”, “frias”, “cruéis”.

        Claro que é um ponto de vista, mas para mim, a loucura em si não existe de fato, afinal… por que eu não sou louco? por ouvir, assimilar, armazenar, processar, responder de uma maneira coerente ao que é esperado? quero dizer…. se por um acaso eu tivesse respondido para o “japones” que citei assima, que não tinha nenhum asteca vindo…quem seria o louco?

        • Samila says:

          isso tudo depende do que será levando em consideração como loucura.
          Agir em desacordo com a sociedade? Ir contra os padrões e convenções? Chocar?
          Lady Gaga é Louca
          Matar? Torturar?
          Jigsaw é louco.
          Cometer atrocidades imperdoáveis?
          Meyer é louca de pedra!
          e as patologias da mente? Demência, esquizofrenia, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno bipolar, borderline, disordens de personalidade, sociopatia, pedofilia?

          tudo doença… tudo loucura…

          • Andrey Ximenez says:

            Ai que entra, minha querida, o que falei mais em cima. Nâo conheço nada nem ninguém que seja 100% normal ou 100% louco. Conceitos assim não existem. Nada referente a personalidade é preciso. Não é uma ciência exata.
            =]

          • Billy Walter says:

            ta ok…

            será que se eu chamar minha mãe de louca ela vai se ofender?

            ou eu que abusaria de minha propria loucura fazendo isso? kkkk.

            Pessoal, eu estava exasto de pessoas normais, que bom encontrar loucos como vocês! ^^.

          • Gabriel Monteiro says:

            Essa coversa sobre loucura me lembra da Balada do Louco dos Mutantes.

  • Billy Walter says:

    *acima (foi mal)

  • Billy Walter says:

    Samila, oi…oi…oi…*.*

    Olha, desculpe-me ter utilizado seu conto para me apresentar.

    Nas, indo ao que intereza.
    Você foi espetacular!!!!
    Diferente de tudo que eu ja vi da vida, transformou uma condenação pela sociedade, em emoçoes boas. eu torci para dar certo no final…a ingenuidade passada e a inocencia juvenil estavam perfeitamente lado á lado.

    Gostei muitissimo.

    • Andrey Ximenez says:

      Ei ei… cuidado com a Samila homem! Lembre-se que ela é um menininho! xD

      • Billy Walter says:

        Táh…

        não que mude a grandeza de sua arte.

        Mas estou surpreso!!!

        Isso só aumentou sua imagem em minha opinião.

        • Andrey Ximenez says:

          Imagino que sim!

          Mas estou falando uma meia verdade. A Samila é uma moçoila mt linda… mas a cabecinha é de um menininho mt pervertido! Entenda isso como quiser xD

      • Samila says:

        ABUAHUhhUAhauhuHA
        sou?? XD
        nem, eu sou uma tricha! (3 x bicha)
        zueira… costumo dizer que eu mudo muito…
        às vezes sou menina, às vezes mulher, às vezes velha, muitas vezes menino, algumas vezes rapaz.
        Mas na maioria da vezes eu sou gay XD
        ~~~~~~
        Que bom que gostou,
        Bily =D
        esse texto é velho, e de uma fase ‘menina’ minha. Foi feito sem pretensões, bobinho mas sincero ^^
        expressa um pouco sobre os dramas existenciais da adolescência…

      • Samila says:

        ABUAHUhhUAhauhuHA
        sou?? XD
        nem, eu sou uma tricha! (3 x beecha)
        zueira… costumo dizer que eu mudo muito…
        às vezes sou menina, às vezes mulher, às vezes velha, muitas vezes menino, algumas vezes rapaz.
        Mas na maioria da vezes eu sou uma homo alegre XD
        ~~~~~~
        Que bom que gostou,
        Bily =D
        esse texto é velho, e de uma fase ‘menina’ minha. Foi feito sem pretensões, bobinho mas sincero ^^
        expressa um pouco sobre os dramas existenciais da adolescência…

        • Franz Lima says:

          E olha que, na adolescência, o que não falta são os dramas rsrsrs. O bom é que eles nos dão mais experiência.

  • Franz Lima says:

    Boa-noite. Alguém pode me explicar como é o sistema de seleção e publicação dos contos por aqui? Enviei desde o dia 13 um conto, mas, hoje, decidi remover permanentemente, pois é muito tempo aguardando sem qualquer notícia.
    Att
    Franz.

    • Samila says:

      Seu conto deve ser colocado na agenda em breve, Franz. É que demora um pouco mesmo… Só por curiosidade, com qual nome se cadastrou e postou seu conto?
      é que com o nome Franz eu não vi seu conto lá na lista pendente… Pode ser que não tenha entrado, me passe seu nome que eu te confirmo.

      att
      Samila

      • Franz Lima says:

        Obrigado pela resposta, Samila, mas eu o removi ontem. Desculpe a sinceridade, porém fiquei um pouco chateado com a demora. Há mais de 30 contos para avaliação, alguns já a mais de 20 dias.
        Att
        Franz.

        • Samila says:

          eu entendo, Fraz… Eu mesma fiquei assim quando mandei meu primeiro conto, isso quando o sistema de envio ainda era por e-mail. Demorou quase um mês, mas no final saiu, e eu tive uma ótima aceitação.
          Mas o fato é que demora mesmo, por vários motivos, sendo que o principal é que o Guns cuida disso tudo sozinho, e ele tem vida além do One… ele trabalha, tem noiva, e tudo e talz.
          O One não é a fonte de renda dele, e trata-se de um serviço gratuito que ele divide com escritores amadores, dando a eles um pouco mais de visibilidade, e a oportunidade que aprender com outros escritores.
          A divulgação de meus textos no one foi muito positiva, fato é que após começar a publicar aqui, tive um contato com pessoas do mercado editorial, e cá estou, com contrato assinado para duas antologias, e mais um livro só meu, de romance.
          Será que a demorar é assim tão ruim? Afinal, o que você perde com essa demora? O one não pede exclusividade, então enquanto você espera por aqui, pode ir postando em outro lugares. Existem muitos sites para tal, eu mesma já participei de alguns, e por isso digo: nenhum foi tão bom e produtivo quanto o ONE.

          Pense nisso ^^

          • Franz Lima says:

            Obrigado… Realmente me deixei levar pela pressa. Vou postar novamente e aguardar. Gosto demais dos trabalhos e do pessoal do ONE para sair por simples capricho.
            Beijos.
            Franz.

  • Franz Lima says:

    Para me retratar, postei dois trabalhos e ficarei aguardando a publicação.
    Obrigado, Samila.
    Att.
    Franz.

    • Andrey Ximenez says:

      Isso ai franz, não ta morto quem peleia 😉

      • Samila says:

        Espero ansiosa para ler seus trabalhos, Franz

      • Franz Lima says:

        Andrey, em um grupo como esse, não há como desanimar. Vocês são uma verdadeira família. Valeu!!!

        • Andrey Ximenez says:

          Que isso rapaz, a gente ta aki pra se ajudar. o Anfitrião ta meio atarefado… assim como você eu tb to very ansioso em relação a algumas coisas pendentes. Mas como familia temo que entender as dificuldades dos outros neh?
          🙂

          • Samila says:

            Ster que o diga, né Andrey?
            Saiu uma leva de contos, e a Ster não saiu… XD

          • Andrey Ximenez says:

            Não quero falar sobre isso…

            -.-

            O duque também… ta na saudade.

            ¬¬

          • Samila says:

            Sei como é… estou com um lobisomem esperando para nascer faz algum tempo, também… sem falar no artigo sobre yaoi, que tá há uns três meses lá na lista XD

  • Tomás Kroth says:

    108 comentários….

    Me corrijam se estiver errado, mas não é o segundo conto mais comentado de todo o ONE? Perdendo só pro Teste do Vampiro?

  • Andrey Ximenez says:

    Beliel, Carlo, Águia, Pequenas Lições. Muitas histórias e nenhum final. Não acha que está amontoando tarefas mocinha?

    • Samila says:

      um pouquinho, mas é que o Carlo e o Águia são curtinhos, e estavam pedindo para sair… no mais estou escrevendo Belial no momento, e Purest (que não é postado aqui)
      Pequenas coisas eu preciso de momentos depressivos para escrever…

  • Peregrina says:

    ficou muito bom Samila.estou virando fã de seus contos.
    Esse foi o primeiro conto Yuri que li na minha vida(apesar de eu ser tarada por yaoi).bom,de qualquer jeito,ficou fantástico.

    • Samila says:

      Obrigada, my sweetie =D
      e bem, esse foi o primeiro yuri que escrevi, então que bom que agradou ^^
      beijos

  • mindhazard says:

    Me causou estranheza a forma como a palavra amabilidade fechou o texto, acho que devido a sua repetição, mas a sua sonoridade não ficou tão legal para o final.

    Bom texto.

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério