O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Aug
04
2010

Belial – Relatos da Queda – Capítulo II

Escritora: Samila

belial-relatos-da-queda

Luxúria

Pelo nome e obra do Criador, como eu era lindo!

Seres imortais como eu possuem uma maneira um tanto distinta de ver o tempo. Este não passa para nós como para os humanos, por isso eu não seria capaz de especificar por quanto tempo fiquei lá na beira daquele lago apenas me admirando. Posso dizer apenas que sequer consegui sentir o tempo passar enquanto eu me perguntava por que o Senhor nunca me permitira admirar-me, sendo que eu era tão formoso? Será que ele não compreendia que eu o amaria ainda mais caso soubesse da dádiva sem tamanho que fora direcionada a mim?

Enquanto me banhava em minha perfeição e me perdia em pensamentos, juro que não percebi a presença de Lilith inquieta ao meu lado. Eu sabia apenas que ela me observava, afinal, poderia existir algo mais interessante sobre a face da terra do que eu?

Não, era essa a resposta, eu bem sabia.

Ela não apenas me observava, mas me devorava com seus olhos claros e até então inocentes. Porque eu era belo, muito mais do que ela ou do que o Homem. E diante daquela beleza, não seria difícil imaginar o que se daria. Lilith me desejou, e quando eu finalmente virei meu rosto para encará-la, vi seus então puros e claros olhos arderem em algo indescritível. Ao percebê-lo, senti dentro do mim a mais deliciosa das angústias, semelhante à que eu sentia sempre que a via junto a Adão.

Era desejo, embora na época eu não soubesse nomear aquela sensação.

Lady Lilith aproximou-se lentamente de mim, e eu a temi, verdadeiramente. Eu sabia que ela era pura. Não sentia maldade vinda dela, mas eu sabia que o que ela queria era errado, assim como eu sabia que queria o mesmo que ela. Sabia acima de tudo que estávamos prestes a cometer um grande pecado, mas eu seria incapaz de impedi-la, muito menos de me impedir.

Luxúria.

Assim como Lilith me ensinara o Orgulho ao mostrar-me a mim mesmo, ela despertou em mim a Luxúria, não apenas com seu corpo de curvas esculturais, não apenas com o fato de ela ser uma Mulher. Eu era um anjo, e portanto jamais deveria ter descendentes, pois eu já era o fim em mim mesmo, diferente da continuidade que se espera de todas as outras criaturas de Deus. Minha sementes não haveriam jamais de germinar, e por isso não imperava sobre mim o instinto primitivo que levava o macho à fêmea.

O corpo de Lilith não me interessava como interessava a Adão, e por isso, quando ela me fez a proposta, aceitei de imediato. Eu não seria um macho copulando. Eu seria seu amante, sua diversão, seu prazer, algo bem diferente do que seu marido lhe representava. Ela havia me dito que Adão não se importava em como ela se sentia enquanto seus corpos se uniam. Dizia que ele sempre fazia da mesma maneira, e que quando alcançava seu prazer, tudo terminava. Lilith ficava triste e achava aquilo injusto, pois apenas ele podia controlar tudo, e seu dever era simplesmente obedecer e se submeter.

Ela chorou para mim todas suas mágoas, e eu, como um anjo de bondade, escutei tudo atentamente e concordei com a pobre mulher. Aquilo era mesmo muito injusto. Ela apenas queria um pouco de controle, apenas queria uma relação igualitária. Havia cansado de ficar sempre por baixo do corpo de Adão, apenas sentindo o prazer dele sobre si, sem jamais conseguir fazer nada para se satisfazer.

Lilith tinha razão, e por isso eu me prontifiquei a ajudá-la, sendo que na verdade, ela que me ajudou. Eu era puro demais, não tinha noção de nada que se referisse à carne, e por isso, naquela tarde e naquela noite, Lilith me guiou. Eu era como um bebê, que através dos mais primitivos sentidos, descobria o mundo todo que me cercava. Eu senti o cheiro dela, experimentei do seu gosto. Acariciei seus fartos cabelos, e sentia a pele quente dela encostando-se à minha. Movidos pela curiosidade e pelas sensações, fomos juntos descobrindo coisas incríveis e maravilhosas, e assim ouvi seus deliciosos gemidos e via todo o esplendor de sua face repleta de prazer.

Passamos um bom tempo juntos, como duas crianças inocentes brincando, que mesmo sabendo que o que faziam era errado, não tinham a menor vontade de parar. Provavelmente poderíamos ter ficado daquele jeito até nossos corpos não agüentarem mais, pois era essa a nossa verdadeira vontade. Se não o fizemos, foi apenas porque ouvimos distante a voz de Adão chamando por sua esposa.

Ela se levantou imediatamente.

-Deves ir! Adão não pode ver-te! –Ela me disse apressada enquanto tentava arrumar os cabelos que eu sem querer havia embaraçado.

Eu sabia que não podia mesmo ser visto, e logo levantei vôo, não sem antes dizer à minha doce Lady:
-Volto amanhã, quando o sol estiver bem alto.

Ela sorriu para mim, verdadeiramente feliz. Daquele momento em diante seríamos dois cúmplices de um pecado sem precedentes.

E eu estava exaltante por isso, pois mesmo quando meu pecado era a luxúria, eu não conseguia deixar de sentir nisso uma ponta de orgulho: eu havia sido o primeiro anjo a descer dos céus; o primeiro anjo a tocar um ser humano; o primeiro anjo a sentir prazer carnal.

O primeiro anjo a fazer algo por vontade própria.

Era como se eu detivesse livre-arbítrio, embora eu soubesse que no fundo não fosse bem assim. E eu descobri o quanto estava errado ao voltar para o meu abandonado lugar em meio ao nada.

Deus estava lá, assim como estava em todo lugar. Eu sabia muito bem que ele vira o que eu havia feito –Ele é onisciente, afinal. Ele sabia que eu tinha conhecimento de que meus atos eram errados, e por isso não vou negar: eu esperava por uma punição, uma bronca, o que fosse. Esperava que ele me ordenasse a nunca mais voltar lá, que nunca mais pusesse meus infelizes olhos sobre Lilith. Que me dissesse para nunca mais desafiá-lo.

Mas não! Ele não fez nada! Ele nem sequer se voltou para mim. Não dirigiu a mim um pensamento que fosse! Era como se eu fosse insignificante! Como se nenhuma de minhas ações importassem. Era como se eu não existisse para Ele.

Como se minha existência fosse simples e desnecessária.

Nessa noite, pela primeira vez, eu chorei minhas lágrimas cristalinas.

Um choro profundo e sincero, motivado pela mais pura tristeza. Eu não me sentia apenas como uma criança que havia sido abandonada pelos pais. Mais do que isso, eu me sentia uma criação descartada, trocada, iludida. Eu havia sido criado apenas para adorá-Lo! Como ele podia fazer isso comigo? Como ele podia simplesmente me desprezar?

Foi nesse momento que notei que eu não tinha mesmo livre-arbitrio, afinal, se eu tivesse vontade própria, porque estaria chorando, implorando por um castigo após ter feito algo que tanto me agradou?

Porque para mim, a única opinião que importava realmente era a dele, e meu prazer não seria nada perto do desprezo que Ele me legava.

Ele sabia muito bem que não falar comigo doeria em mim mais do que qualquer bronca ou castigo. Ser ignorado era a minha punição, e aquilo me deixou realmente desesperado! Eu queria Sua presença, eu precisava da Luz Dele! Mais do que tudo, mais do que a mim mesmo… E por isso eu era capaz de qualquer coisa…

Até pecar mais.

Em meio à minha agonia, os mais loucos sentimentos foram surgindo…

Por que ele havia se afastado de mim antes de qualquer coisa? Será que eu havia me tornado obsoleto? Enfadonho? Será que os novos anjos eram melhores que eu, assim como ele considerava os humanos?

Era possível, uma vez que eu havia sido o primeiro… Era de se esperar então que ele realizasse melhorias nos seguintes… Mas eis que me vinha à mente novamente a lembrança de meu reflexo sobre a água e de como eu era perfeito. Seria mesmo possível existir algum ser superior a mim além Dele próprio? Eu achava sinceramente difícil, mas eu tinha que descobrir. Naquele momento minha mente estava repleta de dúvidas, e eu precisava de explicações.

Dirigi-me então a um dos distantes pontos de luz que estavam no céu, e foi então que eu conheci outro como eu: um anjo.

33 Comments»

  • Vania says:

    Lindo, lindo, lindo! Uma mistura do mito de Narciso com a história contada no livro de Gênesis… Teremos uma “saga” dos sete pecados capitais?
    Parabéns!

    • Samila says:

      Opa!
      obrigada!
      bem, seria essa a intenção, se não ouvessem pegados que eu não consigo imaginar o Belial cometendo (a gula, por exemplo)
      do 4º cap em diante a foco vai sair da queda pessoal do Belial, e voltar-de para como ele fará os demais anjos cairem ^^

  • Felipe Lopez says:

    Muito bom! Parabéns, Samila, muito legal 😀
    _

    O “IV” foi postado primeiro que o “II” e o “III”.. ãhm?

    • Samila says:

      obrigada! XD
      é que o Guns colocou 4 caps de uma vez, e o pessoal só comentou o primeiro e o último, aí deu nessa confusão aqui XD

  • Andrey Ximenez says:

    Muito bom Samila.

    A escrita envolvente e interessante como sempre

    Não faço mais elogios pra vc não se achar demais e parar de evoluir

    xP

    • Samila says:

      HUAhauahauaha
      nhai, belos motivos para não fazer mais elogios XD
      mas pode deixar, que no sentindo orgulho eu sou total oposto do Belial.
      Acho que tenho que melhorar… e muito.
      Obrigada, Andrey

  • Vinicius Maboni says:

    Muito bom Samila, mas vou seguir a politica do Andrey
    xD
    Continue assim.

  • HIOTO says:

    Afinal de contas: é Beliel ou Belial?

    Gostei de todos (quando posto esse coment, já li tudo).

    Quanto a elogiar a autora, acho que elogios fazem bem ao ego, então: você é demais (e eu não tô zuando ou sendo hipócrita). Tá realmente muito bom. Reservo me apenas no direito de não dizer o que acho completamente da autora.

    Kkkkkkkkkkkkkkkk.

    • Samila says:

      É Belial, magestic lord of de north.
      Seu nome aparece até então como Beliel (‘Deus – aquele que não detém derrotas’) por ser seu nome angelical.
      Após sua queda que ele passará a se chamar Belial (‘aquele que não possui mestres’)

      e oba! olha meu ego! alí em cima! XD
      Obrigada mesmo, Hioto
      mas deu medo desse final aí ._.

  • Hum… essa é a Samila! 😛

    quando começei a ler fiz uma cara feia, geralmente não gosto de contos com seres sobrenaturais, mas continuei lendo…
    Fui lendo,lendo e cheguei até o final. E num é que presta?!
    Tua escrita tão boa, intimista e sem frescura, que me conquistou e -mesmo que por algumas linhas- me sentir o proprio Belial.

    hehe… ele deve ser parecido comigo. O negodobroz, eu explico no proximo recado!

    • Samila says:

      Opa! =D
      Que bom que agradei, mesmo vc não gostando do tema =D
      E nossa, se sentir o Belial é MARA… quando isso acontece comigo, fico me achando XD
      e hum
      ficarei esperando pela explicação =]

  • E.U Atmard says:

    Vamos lá, este conto tem que sair da agenda, já!
    =)
    Força aí!

  • Tomás Kroth says:

    Independentemente do conto ser bom ou não, ele tem que sair da Agenda porque o III e o V já saíram, e ta bizarro isso! xD

    Vamos tirar a Samila da Agenda o/

    • Samila says:

      UAHAUHAuAH
      Obrigada, Tomás ^^
      decidi: não coloco a continuação enquanto esse não sair da agenda XD

      • E.U Atmard says:

        Ah, já tens a continuação…muito bem, muito bonito isso. Lá vou eu outra vez…xD

        É isso mesmo, é mais que necessário arrancá-lo já, para ver se a agenda se pode levantar, depois de tanta queda…

  • HIOTO says:

    Samila.
    >
    Desistiu da gula?
    >
    Tenho certeza que você faria de uma maneira bem legal (e provavelmente bem perversa).
    >
    Temos que tirar esse da agenda né.

    • Samila says:

      Não desisti não, my dear… o fato é que a gula nem foi cogitada, pois my beloved Belial não é chegado nesse pecado.
      Belial representa apenas orgulho e luxúria, e às vezes um pouco de ganância.
      Nada mais, nada mesmo ^^
      e nhai, eu tenho que terminar de escrever o capítulo seguinte (sobre a ganância, diga-se de passagem)

  • Muito bom Samila! 🙂

    E Belial.. acabou?!
    Não lembro se tem mais alguma parte para entrar e sair da agenda! 😮

  • Finalmente veio a publicação. Um conto tão bom, que sempre dá vontade de querer ler mais. Samila é mestra na arte de escrever.

  • Andrey Ximenez says:

    Finalmente saiu da agenda!

    \o/

  • Now says:

    Vocês estão errados. Belial, Filho do anjo Lucifer que agora é Satanás. Um anjo do SENHOR nunca cometeria um Pecado a não ser aquele que tece coragem e se Revelar contra Deus.

    • Samila says:

      ADORO quando isso acontece! Sério, adoro quando aparece alguém que se empolga tanto com o que eu escrevo ao ponto de levar a sério minha obra ficticia, e brigar comigo porque supostamente as coisas não teriam acontecido da maneira que eu estou narrado.
      E claro, a única fonte confiável é a bíblia.
      Obrigada! alegrou meu dia!

  • lucas c lima says:

    Nao acredito q vcs gostaram de uma história sobre um demonio(e ainda por sima falar q ele era lindo?coloquem no google belial para ver oq aparece)
    E parece q vc ta falando q ele era bonzinho coiza e tal deixe me falar algo: SE ELE FOC BOM NAUM TERIA FEITO OS UTROS PECAREM PARA IR PARA A EETERNIDADE DE FOGO!!!!!!
    por favor toma juizo nessa cara e vai ler a bíblia(naum to falando da infantil)

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério