O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Publicado por STW

– que publicou 7 textos no ONE.

>> Confira outros textos de STW

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Feb
17
2011

Memórias Cinza

Escritor: L. M. Morone

De repente, abro os olhos. Estou sentado num banco de praça, numa praça que eu desconheço. Está frio, está pálido o céu. Vejo muito mato em volta, e alguns prédios ao redor. Começo a perceber um som constante no meu ouvido. Ele vai e vem. Não para. Um som metálico e enferrujado. Aquele som me desperta uma angústia, não entendo por quê. Não tem mais ninguém por aqui, eu estou sozinho, nesta praça, de baixo destas nuvens cinza. A única coisa que me acompanha é minha solidão e aquele som constante. Então eu tomo uma olhada ao meu redor. Logo ali perto, tinha um balanço. Logo ali, à minha direita. Estava a alguns metros de mim. Eu o via e via que tinha cores, mas não as via, pois meus olhos só podiam enxergar em preto e branco. E um dos bancos de madeira preso no balanço por correntes de ferro balançava. Não havia ninguém sentado nele, mas ele balançava. Eu estava no banco, sentado, apenas olhando. De repente senti como se uma mão quente me segurasse pelo pulso de minha mão direita. Aquela mão me segurava, mas ninguém estava ali. Alguma coisa me segurava. E então essa coisa que me segurava começou a me puxar, levemente, em direção ao balanço. Eu me levantei e me deixei levar. Devagar, essa coisa me puxava, e eu ia, e a cada passo que eu dava, sentia um frio crescendo dentro de mim. Eu chegava perto do balanço e aquele frio se mesclava com angústia. Eu estava de frente àquele balanço agora, e já não sentia mais aquela mão me segurando. Num lapso meu de visão, vi naquele banco que balançava, surgir uma criança. Era um garoto; e ele balançava ali no balanço com uma cara de tristeza, olhando profundamente para frente, para o nada. Aquela imagem, aquele som, aquele frio. Eu estava profundamente marcado com uma sensação de tristeza naquele local, vazio senão por mim mesmo, minha solidão, e aquele garoto triste no balanço.

E depois de algum tempo naquele balanço, eu o observando onde estava, ele chorou. Chorava sem motivo, sem razão, apenas chorava. Por certo tempo ouvi aquele choro ecoar na minha cabeça, com o som do balanço, indo e voltando, e o frio daquela praça em preto e branco. Mas então… O balanço parou. E o garoto parou também de chorar. Sua feição já não mostrava tanta tristeza, mas ainda não o via feliz. Então ele levantou sua mão e apontou para frente. Pude ouvir de sua própria boca: – Mãe… Eu não entendia, mas então olhei para trás; e atrás de mim, de frente o balanço, vi uma mulher de longos cabelos envolta em uma manta branca, ela era maravilhosa. E ela estava olhando para aquele garoto, sentado no balanço. Essa mulher dos longos cabelos estava triste também, e seu olhar era desesperador de tão triste. Nessa hora, aquela imagem me transformou, e eu já não conseguia mais sentir meu coração batendo no peito. Eu olhava para aquela mulher, a qual nunca olhava de volta para mim, quando então senti no meu pulso esquerdo novamente aquela mão quente. Desta vez, quando virei meu olhar, vi aquele mesmo garoto de pé ao meu lado, me segurando. E da mesma forma que antes, ele começou a me puxar, levemente, para longe dali. E eu o acompanhei para longe do balanço, eu olhava para trás e tudo parecia se esvair, eu já não conseguia mais ver aquela mulher maravilhosa ali parada de frente ao balanço. E o garoto me disse: – Não se preocupe, tudo terminará bem. E embora eu não entendesse ao certo o que ele queria dizer, comecei a me sentir acolhido. Novamente ele falou comigo: – Não chore por ela, não chore por mim, tudo acabará bem.

Eu começava a entender sem realmente entender. Olhava para frente, adiante, enquanto era levado pelo garoto, e eu podia ver logo a frente muita luz; uma grande parede de luz. Lentamente, o frio foi passando, e também foi a sensação de angústia, e quando me dei conta, já não estava mais sendo puxado pelo garoto, nada me segurava. Mas antes de prosseguir, eu parei, e me virei. Olhando para trás, tive a visão daquela praça, agora colorida, viva, com aquele lindo balanço colorido no meio, já não via mais nuvens ou prédios, e tudo estava quente. E na frente daquele balanço, estava o garoto ao lado da mulher, ambos me olhando e sorrindo. Pela primeira vez naquele lugar eu vi a alegria. E antes de tudo fosse tomado de luz, pude ouvi-la falando: – Está tudo bem, não nos esquecemos, nunca nos esqueceremos de você. E a luz me tomou. A luz então virou escuridão.

Eu abri meus olhos novamente. Com calma, percebi que estava deitado em minha cama, em minha casa. Acabara de acordar de um sonho estranho. Estava com um aperto no peito. Logo tive tempo para perceber o quão alegre a vida podia ser e não era. Eu me levantei e sentei no canto de minha cama, ao lado do criado-mudo. E enquanto sentia uma lágrima descer do meu olho, eu apenas olhava para um retrato, ali em cima do móvel, de minha mulher, grávida, e que morreu ao dar luz para nosso filho.

 

*** Fín ***

7 Comments»

  • Alex Nunes says:

    Gostei bastante.
    Você usou uma forma muito inteligente e habilidosa de retratar uma forma de “morte”.

    Parabéns.

  • Thanks for sharing your thoughts about Leave a comment. Regards

  • Quality articles is the secret to attract the visitors to pay a
    visit the site, that’s what this web page is providing.

  • affetatrice says:

    I think the admin of this website is truly working hard in favor of
    his website, because here every material is quality based information.

  • magnificent issues altogether, you simply won a emblem new reader.
    What would you recommend about your post that you just made
    some days in the past? Any certain?

  • Appreciating the hard work you put into your website and detailed information you provide.
    It’s nice to come across a blog every once in a while
    that isn’t the same unwanted rehashed material.
    Fantastic read! I’ve saved your site and I’m including your
    RSS feeds to my Google account.

  • centrifuga says:

    Thank you for another informative website. Where else may I am getting that type of information written in such a perfect manner?
    I’ve a project that I’m just now working on, and I have been on the look out for such info.

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério