O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Feb
10
2011

Os 18 Do forte Belkarrar

Escritor: Renan Barcellos

os-18-do-forte-belkarrar

O comandante estava em pé, numa das áreas mais altas do forte Belkarrar. Olhava para a planície logo à frente da região montanhosa em que a fortificação se situava.  Aquela era uma posição estratégica para o reino de Lavris, pois, defendia um dos únicos caminhos conhecidos por entre a Serra dos Dois-Passos. O militar refletiu sobre aquele nome decerto agourento, sabia que histórias contadas por gerações diziam que era impossível não encontrar algo mortal após um simples andar. Suspirou. A cadeia de montanhas era realmente perigosa, mas as pessoas têm um incrível costume de aumentar uma historia toda vez que ela é contada.

Ele deu um murro na murada. Um golpe que representava toda a sua frustração. Olhou novamente para a o horizonte. Para a maldita planície que desde sete dias atrás estava apinhada de inimigos, uma tropa do exército numeriano, cerca de três mil e quinhentos soldados prontos para matar todos os que estavam na construção que guardava a rota segura da serra. Em qualquer outra ocasião teria combatido a ameaça sem medo, sem pestanejar… Mas não agora…

Continuava observando aquele formigueiro humano que representava a sua morte, mas sua cabeça estava longe. Pensava em sua capital, a bela cidade das gaivotas, o lugar onde nascera e que jamais veria outra vez. Pensava em sua família e amigos, que não ouviriam suas últimas palavras… Pensava… Pensava em Mörwen, mulher a qual nunca mais tocaria os lábios… Um vento frio e gelado. O fenômeno parecia trazer o próprio pesar dos soldados que morreriam aquele dia, bateu contra o rosto do senhor de guerra e empurrou para atrás do ombro as mechas de cabelo que lhe caiam sobre o rosto, possibilitando assim que visse o início de sua perdição, que se aproximava.

Viu um cavaleiro se deslocando do exército inimigo, este ia em direção a onde estava, o forte Belkarrar. O comandante riu. Um riso desprovido de alegria, ele carregava apenas a ironia e o pesar. Iria descer. E então pronunciaria as palavras que selariam o seu destino e o de todos que estivessem na construção.

XXX

O mensageiro inimigo esperava às portas do Belkarrar. Estava sozinho, desarmado e deste mesmo jeito foi o comandante, para recebê-lo. Não exibia mais pesar, não demonstrava tristeza, era novamente o líder que sempre fora. Não porque estivesse tudo em ordem, mas porque manipulações, subterfúgios e falsas aparências também faziam parte de qualquer guerra.

– E então, Comandante Gallahan. Hoje faz exatamente uma semana que eu vim a que lhe oferecer uma alternativa pacífica para esse embate. Como eu lhe disse, você e seus homens se rendem, entregam suas armas, admitem nossa soberania e serão poupados… Não sabemos o número exato em que estão, mas temos a certeza que a inferioridade numérica de vocês é um fato.

Um sorriso amargo se formou nos lábios do senhor de guerra, sim, ela sabia da desvantagem que possuía. Sabia que contava com apenas um décimo de suas tropas quando os exércitos de Numeria chegaram à porta. Apenas trezentos e um, de três mil homens, restavam na fortificação quando os bastardos numerianos decidiram se mostrar. E hoje, sete dias depois, do ultimato ser lançado, Gallahan teria sorte, muita sorte, se ainda houvesse pessoas dispostas a lutar, se ainda restassem homens que não haviam fugido conforme os dias de cerco passavam. No entanto, ele apenas olhou nos olhos do mensageiro inimigo e lançou-se à guilhotina.

– Eu e nenhum dos meus homens nos renderemos a nenhum mortal ou deus. Não admitiremos a soberania de ninguém que ande ou pense que todos os outros homens e não nos rebaixaremos perante a um exercito de rufiões e saltadores. Portanto, caro mensageiro, aconselho-te a sair das portas do Belkarrar ou a batalha terá inicio aqui mesmo, entre nós dois.

Conforme o lavrino falava a boca do numeriano ia se reduzindo a um fino traço que denunciava toda a sua raiva pelo inimigo. Ele sabia que sozinho não era oponente páreo para o capitão, mas, caso tivesse uma arma, teria iniciado um duelo entre os dois. Desarmado, portanto, limitou-se a uma bravata antes de dar as costas ao Forte Belkarrar e dirigir-se ao próprio pelotão.

– Cuspirei em seu túmulo, capitão. E ele será feito com as mesmas pedras do forte que tanto preza.
Gallahan ficou algum tempo a olhar o cavaleiro que se distanciava e então, lentamente, voltou ao seu posto, na sacada mais alta do forte.

XXX

O exército inimigo se aproximava. O mar de soldados inimigos se deslocava para o topo do primeiro monte da Serra dos Dois-Passos. Logo cairiam sobre o forte Belkarrar.

O capitão olhava o avanço das tropas adversárias com a serenidade de alguém que já aceitou a morte. Suspirou mais uma vez e virou-se para seus comandados. Olhou para um jovem de idade tenra que talvez nunca tenha sentido um toque feminino.

– Soldado – disse o capitão – O levante das nossas tropas.

– Comandante. Alem do senhor existem dezessete homens, todos estão aqui. Dez combatentes, cinco arqueiros e dois sem qualquer experiência militar: um escriba e um camponês de uma vila próxima, que nos últimos dias se juntaram à nossa causa. Somando com o senhor comandante. Somos 18 pessoas no total.

Gallahan olhou demoradamente para os olhos de cada um de seus comandados. Viu que estavam dispostos a morrer naquele dia. Dos 301 soldados que havia no forte sobraram apenas 18 bravos homens e era com esse numero que iriam enfrentar os inimigos.

Ele visualizou mais uma vez a onda de inimigos que chegava. Já haviam alcançado a base do forte, demorariam apenas alguns minutos para romper os portões e adentrar no Belkarrar. E então sem dizer uma palavra, baixou o visor de seu elmo prateado e sacou sua espada. Os outros soldados o imitaram, desembainhando suas próprias armas.

– Nos vemos em outra vida. – fez uma pequena pausa e gritou – Preparar flechas!

FIM


Categorias: Contos | Tags: ,

19 Comments»

  • se rolar uma continuação desse conto (e TEM que rolar) vai deixar a batalha das termópilas no chinelo, pelo menos em numeros: 18 X 3.500?!

  • Renan Barcellos says:

    valeu por comentar, Gabriel xDD

    Assim, a continuação deve ser indireta, outra história em que se comenta sobre os fatos que aocnteceram no forte Belkarrar, talvez Arthane aparecendo novamente. Mas dificilmente narrarei a batalha, até porque nem mesmo chegou a ser isso.

    Os 18, obviamente não tiveram chances contra um exercito, mas cumpriram seu papel até o final xD

  • RodrigoBS says:

    Gostei mesmo do conto XD
    O jeito que tu descreve e tal.

  • elisangela vale pererira says:

    po eu gostei mais quero saber mais sobre 18 do fote

    • Renan Barcellos says:

      Não acho que terá outro conto falando sobre estes persoangens, mas haverá outras histórias no mesmo mundo ^^

  • Tomás Kroth says:

    Te baseou nos verdadeiros 18 do forte, não? pt.wikipedia.org/wiki/Revolta_dos_18_do_Forte_de_Copacabana

  • Ana Bourg says:

    This is Sparta! \o/
    Renan, já tinha visto esse texto no nyah! e só agora parei para ler. 😛 Valeu a pena, viu?
    Você realmente tem talento nato para textos épicos/ fantásticos e as locações surgem naturalmente através das palavras e descrições. Os nomes dos lugares e personagens são legais e sonoros, muito criativos. O comandante do forte, mesmo em um texto pequeno, mostra-se um personagem carismático e seria legal ver mais histórias sobre ele, talvez de batalhas anteriores à resistência do forte Belkarrar.
    Bom texto mesmo. 🙂

    • Renan says:

      Obrigado por ler dessa vez, Ana xD

      Eu não diria que é talento nato, ou mesmo talento, na verdade. Mas, bem, eu tento e as vezes sai algo legal.
      Que bom que os nomes ficaram interessantes, demoro bastante criando eles, tentando deixar com uma aparencia e uma sonoridade legal.

      Tem uma outra história em que o Arthane aparece, mas não como personagem principal. Contudo, vai demorar muuuuuito até eu começar a escreve-la.

  • Vinicius Maboni says:

    Gostei muito, não espero continuação, o final foi claro.
    Escrita bem fluente.
    Não sei se é mania minha, mas acho que a ideia foi mostrar o que é Honra.
    Parabens!

    • Renan says:

      Sim, sim, a intenção foi que não tivesse continuação xDD
      Creio que pode-se dizer que é realmente um conto baseado em Honra.

      Obrigado por ler ^^

  • Asami says:

    Adorei esse conto. Ficou muito intenso e por fim acaba por despertar a imaginação do leitor para a tensão de uma batalha praticamente perdida, também para a coragem dos que permaneceram no forte. A narrativa repleta de suspense também ficou impecável ao meu ver. Parabéns, Renan 😀

  • Flavio Silva says:

    Renan,

    Não fraquejar ante a morte certa é a atitude esperada de todo capitão honrado.

    O texto está muito bom. Acaba quando tem de acabar, mas é invitável imaginar ao menos a cena do capitão aniquilando o mensageiro já provido de suas armas.

  • Esse aqui ficou 1 ano na agenda. 🙂

  • STW says:

    Interessante a história, primeira que eu leio por aqui, bem ao estilo “grandes guerras”. O fato de serem 18 contra 3500 dá um ar quase poético, muito significativo ao meu ver. Os nomes que você criou também soam bem.

    Uma coisa: Como eu vejo as outras partes da história? Sou novo aqui, não sei onde acessar os trabalhos dos outros.

    • Flavio Silva says:

      Quando o texto está fora da agenda e tem mais partes existirá uma pizza que linkará os demais textos.

  • Shado Mador says:

    Chego a considerar perfeito!
    eu li uma dez vezes sem parar.Muito bom.
    Você conseguiu criar em poucas lionha ideias para pensar
    em uma trama gigantesca.Uma batalha heróica escrita
    com talento.

RSS feed for comments on this post.TrackBack URL


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério