O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
04
2011

Canto de Sereia

poesiaEscritor: João Felinto Neto

Como um canto de sereia
de belíssima harmonia,
letra correta, verdadeira poesia
e melodia
que eterniza nossa alma.

Por onde anda
a sereia encantada
nas profundezas desse mar de ignorância?

Letra incorreta com falta de concordância
e melodia
que nos faz perder a calma.

Só na lembrança,
o teu canto nos enleva
na emoção que tua voz nos faz sentir
e na saudade, o nosso coração desperta
pra realidade,
não há nada mais pra ouvir.


Categorias: Poesias |

4 Comments»

  • Ana Bourg says:

    segundo texto aqui do ONE que me lembra de música 😛
    “Thw Siren” – Nightwish.

    “Somewhere there my fate revealed…
    I hear but how will I see?”

    quase um epílogo para a última estrofe do seu poema.

    =3

  • é pura reflexão musical, rsrs, muito profundo, depois que a harmonia da poesia e melodia se foram haverá algo ainda por vir?

  • Omninerd says:

    Isso reflete totalmente minha opinião sobre a música atual.(Restart, Justin Bieber, sertanejo universitário…)

  • Eu já li e reli, umas 10 vezes, está poesia.

    Eu adoro poesias livres, mas para isso ela deve carregar uma mensagem forte ou uma emoção pulsante. E nesta eu precisei ler e reler justamente para absorver todo o conteúdo, e formar uma base sólida para argumentar.

    Por favor compreenda que só falo o que vou falar para que você possa melhorar tua escrita.
    .
    .
    .
    A primeira frase me soou muito estranha:
    “Como um canto de sereia de belíssima harmonia, letra correta, verdadeira poesia e melodia que eterniza nossa alma.”

    O que é como um canto de sereia? Nesta frase faltou alguma coisa. O “COMO”, neste caso, é uma conjunção comparativa.

    Exemplo tosco:
    “Como uma deusa você me mantém”
    O “COMO” aqui também exerce o mesmo atributo. “Da mesma forma, tal qual você manteria uma deusa, você me mantém.”

    Há uma comparação do tratamento entre uma deusa e a narradora. (Eu sei que foi um péssimo exemplo,perdoa-me).
    .
    .
    .
    Segunda Estrofe: “Por onde anda a sereia encantada nas profundezas desse mar de ignorância?”

    Que mar de ignorância é este? Que sereia encantada é esta? Até agora eu não sei o que está sendo dito. E qualquer leitor também se perde neste mar de confusão.

    Sobre o que estamos falando?

    Nesta frase, há uma carencia de pontuação. O correto seria: “Por onde anda a sereia encantada? Nas profundezas desse mar de ignorância?”

    Desta forma você mantém a falta de conhecimento sobre onde está a sereia. Sem a pontuação você afirma que a sereia está no mar, perdendo a força da indagação.
    .
    .
    .
    Terceira Estrofe: “Letra incorreta, com falta de concordância
    e melodia que nos faz perder a calma.”

    Após uma comparação do canto da sereia à… alguma coisa e de uma pergunta sobre onde está a sereia que está no mar, há uma afirmação que quer nos diz exatamente O QUE? Só tem sujeito nessa frase!

    Eu tenho dois sujeitos sendo o primeiro: “Letra incorreta com falta de concordancia”. A vírgula NÃO pode ser colocada no sujeito. E tenho o segundo:”Melodia que nos faz perder a calma”

    E o que esses sujeitos fazem???

    Aqui o “QUE” deve ser exterminado. “Que” é uma conjunção e serve para ligar orações, mas há somente um verbo, logo uma oração, na frase.

    Supondo que não exista o “QUE” eu terei o sujeito “Letra incorreta com falta de concordancia e melodia” e o resto da frase “nos faz perder a calma”.

    Mas ainda assim fica uma informação confusa. “melodia nos faz perder a calma” ou “Letra com falta de melodia”. De qualquer maneira não consigo entender o que você quis dizer.
    .
    .
    .
    Ultima Estrofe:

    “Só na lembrança o teu canto nos enleva.”
    Eu suponho que seja o canto da sereia, literalmente. Não há como estabelecer uma ligação a qualquer outra coisa.

    “Na emoção que tua voz nos faz sentir e na saudade, o nosso coração desperta pra realidade”
    Calminha, a emoção que a tua voz FAZ? Mas a voz não canta mais, só está na memória. Lembra-te? A emoção que tua foz FAZIA!

    “Não há nada mais pra ouvir.”

    Agora tudo o que eu tenho são suposições.
    Você falou de alguém que ouviu uma sereia e depois ficou perdido no silencio? Ou de alguém que compara as musicas antigas às canções de sereias?

    Entretanto não passa de suposição, pois em momento algum é feita ou a comparação ou explicado o que você queria dizer. Fica a cargo do leitor ler e reler, para tentar compreender em frases confusas a intensão do autor.

    Eu gostaria que fosse um marinheiro, assim a poesia seria uma metafora perfeita e não seria uma mensagem tão direta. Entretanto o COMO no inicio deixou um vácuo violento. Há uma grande falta de informação.
    .
    .
    .
    Há uma autora chamada Francine Prose que explica algo fabuloso sobre a composição de um livro. Um escritor não escreve um livro, ele compõe frases.

    Se cada frase que você escrever for impactante, tua obra será impactante. Se você tiver um enredo maravilhoso, mas não compor frases fortes, o teu enredo se tornará fraco.

    De maneira nenhuma quero te reprimir de escrever, muito pelo contrario, quero que você se dedique a este oficio com ainda mais amor ao que faz.

    Preste atençao nas frases, na composição, COMO um pintor que sabe que qual pincel, tinta e tela usar para que sua composição fique magnifica.

    Tens uma poesia que você fez isto com surpreendente maestria: “Apelo à Miséria” que recomendo à todos do site. Eu li antes de escrever este HUGE COMMENT, e vou lá amanhã para esmiuçá-la como fiz aqui.

    Afinal aqui eu bati demais, amanhã faço um afago, rsrsrs…

    E por favor entenda que tudo isso foi somente para que melhores em teu estilo. Tens muita qualidade no que faz, mas neste escrito pecastes demais.

    UFA cansei. =D

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério