O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

May
21
2011

Mundos Em Palavras – III

Escritor: Vinicius Maboni

Nem todos que vagam estão perdidos.
– J. R. R. Tolkien

Ela encarou a capa do livro do qual fugia há tanto tempo. Longos minutos, ou talvez horas, se passaram até finalmente conseguir abri-lo. Tremia, suava frio e se sentia terrivelmente tentada a recolocá-lo na prateleira e voltar a ignorá-lo. Mas não podia, sabia que não. Nunca se encontraria se não terminasse aquilo.

Querer se encontrar era uma vontade estranha, por qual motivo alguém iria querer descobrir onde si mesmo está? Talvez, o correto seja dizer que se deseja encontrar sua parte noutro ser. Ela sempre acreditou que fragmentos de sua alma estivessem nos livros que tanto amava, mas descobriu que os livros sempre foram seu fio de vida, o caminho por onde sua alma caminhava.

“Viver de fantasia implica em questionamentos sobre toda a realidade”

Reunindo mais coragem do que pensava ter, finalmente abriu o livro na exata pagina de onde fugira. Mas antes que voltasse a ler, as duras lembranças molharam seu olhos. Sua mente a transportava pra um passado do qual já tentou inutilmente fugir.

Naquela ocasião, se lembrava de que chovia, ou seria suas atuais lagrimas? O salão de festa do castelo estava lotado, os mais nobres de todo o reino vieram ouvir o Contador de Historias. Esse era um costume ali, o jovem bardo tocava suas canções e narrava aventuras das quais os ouvintes nunca tiveram certeza se eram verdade. Mas naquela noite ele não aparecera, em seu lugar, um velho bruxo, tal qual dizia a antiga profecia: A grito virá ameaçar a canção. Então a portadora dá luz sucumbirá… A mesma profecia mencionava que a princesa salvaria a todos, mas isso não aconteceu. Naquela noite caiu de joelhos e chorou, pedia pra voltar, e ninguém entendia ao certo a que local ela se referia… Mas no fundo de seu coração desejou voltar.

“Todo o querer é possível, mas sempre existem consequências.”

Observou ao seu redor e notou o rapaz que sempre estava ali a observá-la já se fazia ausente a certo tempo. Gostava da companhia silenciosa dele, e mesmo sem ter trocado palavra alguma com ele, sentia falta de seu olhar perseguindo-a entre as estantes. Agora que não podia vê-lo, a biblioteca era fria de novo. Onde ele poderia estar? Havia uma suspeita, mas não gostava nada dela.
Finalmente recomeçou sua leitura, o pulso acelerado e o suor frio ajudavam a tornar aquela experiencia dolorosamente dura. Mas sabia que não podia fugir, sua alma suplicava por aquilo.

“Depois do primeiro contato, torna-se impossível fugir da fantasia.”

“(…)Muitos anos depois um jovem aventureiro acaba entrando no castelo, desavisado vai direto a sala do trono onde…”

A já conhecida sensação tomou-lhe de conta, o mundo ao seu redor tornou-se confuso e intangível, mas alguns instantes depois conseguiu novamente tais atributos, porém estava num novo lugar. E mais uma vez estava ali, onde havia jurado não voltar. Os portões se abriram instantaneamente como se já esperassem pela princesa e aos poucos tudo parecia voltar a vida, a garota fazia falta àquele lugar e sabia disso. Seguiu imediatamente para a sala do trono, corria desesperadamente e confessava pra si mesma que sentira saudade e também das belas canções do jovem bardo, e se perguntava onde ele estaria.
Quando finalmente alcançou seu destino deparou-se com uma cena lhe gelou a alma. Um homem usando vestimentas negras sentava-se em seu trono, lembrava-se dele, o mesmo bruxo que lhe fez querer fugir dali. Sentiu-se tentada a ir embora outra vez. O medo a percorreu mas logo foi vencido, o garoto que vinha encontrando com frequência em tantas historias estava ali diante dela, tinha o rosto baixo e expressões tristes. Estava acorrentado no meio do salão.
O Rei Negro se levantou, encarou a jovem nos olhos, esta mesmo depois de tanta dor ainda conservava o ar de princesa, ele sorriu maliciosamente. Desceu imponente os poucos degraus e parou frente a bela jovem. Esta embora tremesse, não se moveu e olhou-o nos olhos.
O aventureiro que observava tudo repentinamente se levantou, a muito vinha tento relances da historia em sua mente, e o ultimo o animou e deu coragem, era o restante da profecia, a parte que o medo impediu a princesa de ouvir. As correntes os impediam de andar, então gritou:
Nenhum som saiu de sua boca… mas a princesa ouviu o restante da profecia ecoar em sua mente.

“Mas o seu retorno será magistral, a vida tomará de conta do reino e a simples presença da princesa expulsará o mal.”

A princesa se lembrou do tempo em que havia luz por todo aquele lugar… Ergueu a voz e com uma ordem soldados surgiram por todos os lados. Ao longe, já se podia ouvir o povo gritar à volta da princesa.

“Lhe é real tudo o que importa pra você.”

O bruxo tentou, mas não pode escapar dos recém motivados soldados, as correntes do jovem foram quebradas e assim mais um final feliz se fez…

De volta a biblioteca sorrisos foram trocados mas uma surpresa viria decidir que ele se manteriam, um livro jazia sobre a mesa. A garota rapidamente pega o mesmo, admira por alguns instantes a capa e inicia a leitura. Desaparece nas palavras deixando pra trás um olhas esperançoso direcionado ao garoto. Era um convite e viver pra sempre assim.
Tão inesperado quanto o livro fora da prateleira, surge uma porta. Não dava pra ver fora, mas grande foi a tentação de sair. Caminhou pensativo até o livro e olhou a capa, havia uma garota deitada numa cama, estava doente.

“Quando não consegue mais se ver na realidade, está à um salto da fantasia.”

Admirou mais uma vez a porta, pensou no mundo inteiro que lhe esperava lá fora. Olhou pra trás, não podia contar quantos mundos haviam ali. Abriu o livro e começou a ler, e mais uma vez não sentia o chão frio aos seus pés.

Fim

5 Comments»

  • ViniciusMaboni says:

    E depois de anos, eis a conclusão dessa pequena narrativa.

    • Thaina Gomes says:

      Ai ai ai! Vini no finalzinho meu coração gelou, eu quase saltei pra dentro da tela! kkk
      Que pena que acabou, poderia ler mais outros milhões de textos sobre essa biblioteca que não me cansaria.
      Me sinto realmente fora do mundo o tempo todo, quando estou no meio dos livros então…
      Não tem uma biblioteca dessas aí pra me dar? 😛

  • Vinicius Maboni says:

    Uai, até eu havia me esquecido deste aqui, vamos tirar ele da agenda pessoal!

  • Barbara says:

    nossa vini parabéns você escreve muito bem.
    texto ficou otimo adorei.

  • Dee Soares says:

    Fantástico ! A cada conto que aparece O Mundo em Palavras se mostra cada vez mais envolvente ! Parabéns Vinicius! E aposto que não só eu, mas muitos apreciadores de seus contos estão ansiosos pelo próximo ! Sucesso :*

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério