O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Publicado por HermioneGrown

– que publicou 10 textos no ONE.

“Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna.”
João 6:68

“Then, when the walls are breaking down on us, when all we see is misery, will you still believe in me?” Dreams Come True (Hammerfall)

>> Confira outros textos de HermioneGrown

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

May
15
2011

Vaidade

Escritora: Érika Batista

Ela estava entediada. Casara-se havia três anos com o senhor de uma propriedade, mas não lhe dera filhos, e ele enjoara dela, partindo sempre em caçadas e outros programas que o mantinham por muito tempo fora do Castelo.

O Castelo tinha uma corte, e Ela tinha aias em profusão – aias que falavam e riam profusamente: porém só com os lábios. Algo que viesse do coração ou da mente (se é que alguém possuía qualquer coisa do tipo ali) causaria espanto e choque. Ela estava entediada e seu tédio aumentava por não poder falar sobre ele.

Ela tinha muito tempo para pensar, e pensava. Pensava em como era injustiçada, como era infeliz. Queria uma vida melhor, uma vida mais viva, mas sempre acordava em meio àquele labirinto de risos falsos, aos quais não demorava a acrescentar o seu próprio.

Um dia Ela sentou-se à janela. E viu a vida, viu-a na figura de um Menestrel que cantava e saltava, tocando um alaúde no meio de um circulo de camponesas. Elas pareciam felizes, e voltaram ao trabalho rodopiando, segurando a beirada das saias de trapo com suas mãos calejadas pelo ancinho.

Ela sentiu todo o seu corpo vibrar. Fitando o Menestrel ao longe, concebeu uma idéia. Chamou uma aia com um gesto e mostrou o rapaz.

— Quero que aquele senhor cante no próximo baile – murmurou.
— No de sábado ou no do dia de São Beltrano?
— De sábado – Ela disse, rapidamente, tendo dificuldade em esconder a impaciência. Sábado haveria um baile, uma festa em honra do Senhor, que regressava de uma missão qualquer, certamente nobre, digna e honesta. Ficaria no Castelo em descanso por algum tempo. Seria o dia perfeito.

Na noite de sexta-feira, o jovem Menestrel tocava algumas coisas em seu alaúde, no canto da cozinha que lhe haviam arrumado, quando se aproximou um pajem.

— São ordens do Senhor que amanhã se cante unicamente em louvor da Senhora – era tudo o que tinha a dizer.

Louvar a Senhora era uma tarefa complicada. Ela não se destacava em nada. Era bela, mas de uma beleza comum. Não era corajosa ou clemente, religiosa ou piedosa, nem mesmo modesta, era somente… a Senhora. Mas o Menestrel era um poeta, e acolheu a tarefa como um desafio interessante.

Realizou-o com sucesso. A corte inteira explodiu em palmas (se bem que palmas da corte não significava que as pessoas haviam gostado). O Senhor pareceu surpreso, mas ficou satisfeito depois de perceber a impressão do público. A reação dela foi, entretanto, perturbadora: Ela olhou para o Menestrel com um mal disfarçado ar de dignidade ferida e retirou-se bruscamente, logo na terceira estrofe da longa canção que o Menestrel compusera.

O incidente causou sensação. Algumas aias fizeram circular a notícia de que Ela sentia-se mal. Ficou enclausurada em sua torre durante vários dias. O Senhor, algo preocupado, decidiu prolongar sua estada no Castelo. Na semana seguinte acompanhou-a à Igreja, onde teve lugar nova ocorrência estranha.

Lá estava o Menestrel, que se instalara o mais perto possível dos lugares reservados aos Senhores. Ele não ia sempre à Igreja como os outros camponeses. O regente do coro gregoriano não o suportava, com seu alaúde. Mas estranha realmente foi a atitude dela, ao deparar com ele lá. Estacou bruscamente, o rosário caiu de suas mãos enluvadas e ela deu meia volta. O Senhor olhou o Menestrel com hostilidade e seguiu-a. Esse olhar foi o que mais pasmou o Menestrel, alvo agora de todos os olhares. Pouco antes ele recebera do Senhor um recado para ir à Igreja, onde deviam tratar da contratação do Menestrel como músico oficial do Castelo. Isso o interessara o suficiente para fazê-lo resignar-se a ouvir a missa e todo aquele canto sem acompanhamento que agredia sua alma sensível de artista.

Então, depois disso, em todo lugar que os Senhores apareciam, lá estava também o Menestrel, e a perturbação dela era evidente ao encontrá-lo. Os boatos corriam soltos na corte, que nunca estivera tão animada por aqueles lados. Assim a coisa continuou até o golpe de misericórdia.

Certa noite o Menestrel aguardava o Senhor abaixo da janela da torre da Senhora. A ordem era começar sem ele, caso o Senhor não chegasse ali até meia-noite. A lua se aproximava do meio do céu – era fácil de ver, não estava nublado. Finalmente ela atingiu o seu marco. O Menestrel afinou as cordas do alaúde e dedilhou os primeiros acordes da serenata.

Lá dentro, Ela dava seu próprio espetáculo. Várias aias haviam acordado com a música doce que vinha de baixo, e encontraram sua ama debruçada na cama em pranto convulsivo, entremeado por suspiros e exclamações de “Oh, como sou infeliz!”. Quando foram socorrê-la, Ela ergueu o rosto lavado de lágrimas, com expressão resignada e murmurou:

— Mandem chamar o Senhor.
O homem veio sem demora – o rebuliço no Castelo já o havia acordado. Ela, ao ver o marido, em primeiro lugar jogou-se aos pés dele, reverenciando-o; em seguida ergueu-se e começou seu pequeno discurso, preparado de antemão.

— Senhor, sei que não sou digna da sua atenção, mas deves ter notado que muito tem me conturbado a presença deste Menestrel cuja voz podes ouvir a cantar-me canções apaixonadas. Minha vida, que era tão doce, tornou-se em um purgatório desde que este homem chegou aqui. Ele me persegue há muito tempo com seus olhares impuros e canções indecorosas, dizendo-se apaixonado. Diz que me ama, mas quando falo das impossibilidades desse amor, ri-se delas, diligentemente. Há algum tempo já que me é praticamente insuportável sequer a sua visão, mas hoje cheguei em meu limite. Decidi rogar ao senhor, esperando que, em sua imensa piedade, livre-me deste sofrimento. Devo dizer que cheguei a pensar em tirar minha vida, pois tenho certeza que a tortura eterna é mais amena que essa…

E Ela caiu novamente no choro, comovendo sua numerosa composta pelas aias, o Senhor e seus pajens. Durante todo o tempo em que falava, sua voz denotava sofrimento genuíno – Ela acreditava em sua própria fantasia. O Senhor, que era simplório apesar de rico, partiu imediatamente para prender aquele que intentava macular sua honra.

No dia do cumprimento da pena, a fogueira estava armada e o povo todo do feudo reunido em volta dela para aquele auto de fé: queimar o corrupto. Todos olhavam e comentavam o estado da Senhora. Ela mantinha uma expressão de mártir triunfante, fingindo ignorar os murmúrios. Vibrava de emoção por dentro, aquele era o clímax de toda a trama.

O Menestrel tinha o olhar límpido e perplexo enquanto caminhava para a morte. Muita gente o insultava por sua falsidade, por manter a aparência de ingenuidade mesmo agora. Vendo-o queimar, uma sombra passou pelos olhos dela. Com ele morria toda aquela diversão.

Bem, não fazia mal. Havia muitos homens ainda. Ela olhou em volta enquanto ia embora, para o Castelo, e seu olhar deteve-se em um rapaz.

— Quem é aquele? – perguntou, num murmúrio, para a aia à sua esquerda.
— O ourives da aldeia, Senhora.

Ela virou-se para o outro lado e chamou um pajem.

— É desejo do Senhor encomendar uma bainha cravejada para sua espada…


Categorias: Agenda,Contos |

2 Comments»

  • Antonio de Souza says:

    MEU DEUS, ADOREI!!! Parabéns, ao menos a mim encantou tremendamente o seu texto! Ah, os jogos estranhos dos nobres entediados… hahahaha O nome dela, Ela, também soou-me muito interessante, como se fosse a encarnação do arquétipo feminil essencial (conclusão maldosa para com as mulheres, eu sei… mas é de arte que falamos e não da vã realidade). Achei exaltado a condenação à fogueira, talvez um enforcamento simples, ou mesmo decapitação ficasse mais fiel ao cenário, mas isso não importa: o drama continua o mesmo! Novamente, parabéns!

    • Penso que a pena, nessa época, não era decapitação… Quer dizer, pelo menos não havia guilhotina. Teria que ser o bom e velho machado. Mas chega de justificar-me. Muito obrigada por ter lido, não sabe como me deixa orgulhosa saber que alguém gostou do meu texto. Um abraço!

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério