O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Jun
02
2011

Cassandra – Parte II

Escritor: Vinicius Maboni

cassandra

Sentado sob a sombra de uma grande árvore, caderno e lápis ao chão, comendo uma fruta e os pensamentos fervilhando em busca de alguma ideia, um simples fio de inspiração ao qual pudesse se agarrar.

Sua personagem já tinha um nome, uma aparência e um jeito de ser. O que faltava? Há horas tentava pensar num rumo para Cassandra, ficava imaginando como ela se sentia em simplesmente existir e ponto.

Existência. Era isso. É impossível existir no nada. A personagem precisava de um mundo, um lugar onde pudesse viver e ter uma historia. Então, agora que sabia o que escrever, se pôs a fazê-lo.

Mas o que exatamente é um mundo? Conjunto de tudo o que existe, segundo o dicionario. Então Cassandra era seu próprio mundo, já que era tudo o que existia naquela folha branca.

Assim sendo, deveria adicionar mais existência ali.

“Havia uma bela casa nas planícies, próxima a um pequeno rio. Um horizonte limpo, ao qual Cassandra as vezes se sentava e ficava admirando o sol se por. Com olhar distante, tentava sempre adivinhar o que havia lá. Conhecia só uma pequena parte do lugar, nunca se aventurara a ir longe, não ainda.”

O autor riu. O Mundo agora era mais completo. Mas faltava muita coisa. Contemplou o caderno tentando ouvir o que ele pedia que fosse escrito.

“Uma grama verde e macia cobria grande parte dos arredores da casa, o que incluía uma arvore grande próxima à mesma. Algumas flores de variados tipos brotavam em lugares aleatórios, e traziam um perfume agradável com o vento. Sol e lua revezavam o céu e quando se sentiam sozinhos, compartilhavam.”

Pronto. Agora parecia habitável. Era ali que personagem teria uma vida, naquele lugar aconteceria tudo na estoria. Com o lápis na boca leu o curto trecho que escreveu, achou graça ao notar que era um autor preguiçoso.

Deu especial atenção a ultima frase. Até mesmo os grandes se sentem sós. Riu-se ao notar que havia um pouco de si, naquele texto. De solidão ele entendia.

Muito ainda seria necessário pra ele estar satisfeito. Mas não sabia como continuar. Repousou o caderno na grama, fechado com o lápis no meio. E se pôs a olhar o horizonte, sem nada em especial na mente. Apenas admirando uma grande, imponente, poderosa e solitária bola de fogo sumir entre as montanhas.

18 Comments»

  • ViniciusMaboni says:

    Essa parte tá ainda um pouco menor….
    Espero que gostem.

  • lobaempeledeovelha says:

    Alguém já lhe disse como escreves apetitosamente?(Uma loba com olhos brilhantes surge)
    Seria uma delicia degustar de sua mente, como se bebesse um vinho raro e sedutor.
    Teu escrito é tocante, intenso e instigante para mim.
    Já tenho uma noção de como será minha, ou melhor, a nossa Cassandra.

  • Ana Bourg says:

    Eee! Parte 2!

    Agora tem um pouco mais do autor/ personagem que sobre a Cassandra, como se ela estivesse quietinha enquanto seu mundo era inventado.

    E vemos que o autor/ personagem é solitário como os astros se revezando entre dia e noite no céu. Será que essa solidão será resolvida ao longa da história?
    Cassandra habita um mundo sozinha e o autor/personagem é alguém sozinho no mundo… humnnn. XD

    Que texto mais lindinho, viu, moço. :3

    Ps: já terminei de escrever meu conto para a coletânea. *.*

  • Antonio de Souza says:

    Muito bonito, Vinicius. Gosto demais da forma como escreve, a qual eu, do fundo poço da opinião leiga particular, chamaria de fluente. A forma soa simples na boca, mas, simultaneamente, bastante cuidada e bem tecida. Adoro sua imagética, suas metáforas, e como vc pode fá-las brotar aparentemente sem esforço nenhum. Parabéns, te admiro muito, Sir. E pode continuar, quero ver a saga de Cassandra e seu coadjuvante autor (ou seria o contrário, hahahahaha) até o fim. VLW!

    • Antonio de Souza says:

      *pode fazê-las brotar…

      • Vinicius Maboni says:

        A versão completa, voce vai encontrar na coletânea Cassandras(painel que gira, sei lá o nome, lá em cima.)
        Obrigado pelos elogios, continue a ler meus textos, em breve tem mais.

  • Samila says:

    Nhai, que bonitinho… bom mesmo acompanhar esse processo criativo que nós temos, mas poucas vezes contemplamos! Quero ver essa história ganhar forma e crescer!n E sobre a minha Cassandra, ela se chama agora Titânia, e está apenas sendo revisada por uma amiga para eu postá-la na roda! =D

  • lobaempeledeovelha says:

    Na verdade fiquei até envergonhada ao ler o meu 🙁
    Um dia escrevo que nem a Sami 🙂

  • Franz Lima says:

    Brother, o processo de criação da personagem está magnificamente descrito, amigão. A continuidade também se mostra coerente, algo difícil de se manter. Parabéns, Vinicius.

    • ViniciusMaboni says:

      Thanks man, a continuação saí na coletânea!

      • Franz Lima says:

        Aguardarei ansioso. Esta coletânea já é um marco na nossa história.
        Parabéns pela iniciativa.
        O futuro do ONE é muito promissor.

  • Thaina Gomes says:

    Ah! Nesse eu sei que ajudei! Menino! Foi aí que me apaixonei pelo escritor que inventou a Cassandra q fofo. E tem a parte que mais gosto, sempre me lembro dela quando preciso ficar calma “Havia uma bela casa nas planícies, próxima a um pequeno rio. Um horizonte limpo, ao qual Cassandra as vezes se sentava e ficava admirando o sol se por. Com olhar distante, tentava sempre adivinhar o que havia lá. Conhecia só uma pequena parte do lugar, nunca se aventurara a ir longe, não ainda”
    É bom demais Vini, espero que o meu Cassandra fique tão bom quanto o seu. Beijos.

  • Marcus Palante says:

    Muito bom. Muito bom. Tanto a primeira quanto a segunda parte. Vinicius Maboni já está entre o meus escritores preferidos. xD

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério