O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Oct
26
2011

A Sociedade – Parte IV

Escritor: André Alves

Raul Correia colocou o carro por cima da calçada de sua casa e apertou o controle do portão, deixado no painel.

Os postes iluminavam a rua deserta e o relógio de Raul já marcava 10h e 36mim. Em meio ao cansaço, descansou os olhos por debaixo das pálpebras enquanto o portão abria vagarosamente. A sua cama confortável enchia seus olhos de ansiedade…

– O senhor se chama Raul Correia?

Raul se sobressaltou, abrindo os olhos assustados para a janela do carro. Uma bela mulher, com idade próxima aos vinte e cinco anos, o abordou. O seu tom sério e calmo e o blazer negro davam a Raul a impressão de que se tratava de alguém do governo.

Raul suspirou aliviado por não ser nenhum ladrão e respondeu à mulher:

– Sou sim. Por quê?

– Meu nome é Cíntia Arruda, da Polícia Federal. – ela tirou do bolso sua identificação e a passou para o homem. – Nós temos assuntos importantes a resolver. É do seu interesse.

Raul examinou a identificação e o alívio tornou-se preocupação e nervosismo.

– Tudo… bem. – assentiu, engolindo em seco e devolvendo a identificação. – Vamos entrar para falarmos melhor sobre isso.

A mulher distanciou-se do carro, para deixar Raul sair de dentro dele. O homem trancou o automóvel e se dirigiu para dentro da casa, mas de um modo tão aturdido que não percebeu que a tal Cíntia havia ficado para trás.

Ela olhou para os dois lados da rua e viu o que Raul por causa do cansaço não notou: um garoto de dezesseis anos parado sobre uma bicicleta em uma das esquinas; um casal de jovens, mais a frente, recostados em uma árvore, em meio a beijos, mas sempre atentos ao movimento da rua; um senhor que subia a ladeira, pelo lado oposto aos outros três, com um saco de compras; e, alguns metros depois, uma mulher dentro de casa encostada ao portão de metal cruzado e de muro baixo, fumando um cigarro.

Situação? – sussurrou Cíntia.

Nada até agora! – disse a voz do senhor, através de um ponto eletrônico.

Tudo limpo! – afirmou o garoto da bicicleta.

O mesmo pra nós dois. – disse a jovem debaixo da árvore.

Ninguém a vista, Cíntia. – Afirmou a fumante. E acrescentou: – Pode entrar!

Jéssica apareceu na entrada da sala, estranhando o marido não ter colocado o carro na garagem e, mais ainda, a mulher parada ao lado do carro.

– Raul, quem é? – perguntou ao marido.

– Ela é da polícia… – virou-se para trás para apresentar Cíntia à esposa, mas a percebeu longe demais, ainda na calçada. – Vamos entrar?

– Claro. – concordou Cíntia, passando pelo portão.

Ah, mer… Vem chegando alguém! – informou o garoto. Sua voz agora estava nervosa. – Um Logan prateado de placa MXR-3077 vem na direção da nossa rua. Não dá pra ver quem vem dirigindo.

          – Mantenha a calma, Ricardo. Obtenha confirmação visual antes de atacar. – ordenou a fumante. – Os outros fiquem em seus lugares até segunda ordem.

– Jéssica, fecha o portão, que eu esqueci o controle dentro do carro. – pediu Raul.

Jéssica pegou o controle do portão pendurado junto às chaves da casa e apertou um de seus botões.

O portão começou a se fechar por trás de Cíntia ao som do pequeno motor que o movimentava. Mesmo sendo de metal, não conseguiria protegê-los por muito tempo. Talvez nem todo aquele esquema conseguisse.

O inimigo é poderoso. Se ele conseguiu furar toda a segurança da Casa, o que faria com uma defesa montada às pressas?

– Quer alguma coisa pra tomar? – perguntou Jéssica à mulher que já passava da metade da garagem. – Café? Chá?

– Não, obrigado. – recusou, com um sorriso. Seria muito pedir um inimigo mais fraquinho?

          As pernas de Ricardo começaram a tremer no momento em que o carro parou bem ao seu lado, na esquina das duas ruas. Suas mãos se fecharam com força contra a borracha dura do guidom até a circulação parar. Não tinha coragem de olhar diretamente para dentro do carro, se contentava apenas pelo canto do olho.

Ricardo! – chamou uma voz alarmada, pelo aparelho escondido por trás do capuz. – A placa é de um carro roubado hoje a tarde, no aeroporto.

A porta do motorista se abriu devagar, fazendo o jovem engolir em seco.

Essa é a nossa confirmação! Saia já daí, você não pode com ele sozinho! Venha onde eu estou e deixe os outros cuidarem dele.

          Um homem alto de nariz avantajado saiu de dentro do carro vestido em um terno negro. Percebeu o jovem sobre a calçada, próximo a porta do passageiro, e sem demora um sorriso cresceu em seu rosto. Não gentil, mas um sorriso ameaçador.

Está me ouvindo, garoto? Saia daí!

O jovem jogou os dois pés nos pedais e avançou na bicicleta. Com movimentos frenéticos, cruzou a esquina e desceu a rua na direção da casa.

– Aonde vai com tanta pressa? – riu o homem. Recolheu uma pedra do tamanho do seu punho do canto da calçada e a preparou na mão.

– É ele! – gritou o garoto pelo aparelho. – É o trai…!

A roda da bicicleta cambaleou no momento em que a pedra chocou-se com violência contra ela, fazendo o garoto perder o equilíbrio. Suas mãos soltaram o guidom, deixando-o se inclinar. A bicicleta virou para o lado esquerdo, enquanto o jovem continuou o trajeto em velocidade.

Caiu com o rosto no chão. O som do seu grito se juntou com o do quebrar do nariz e da mandíbula. Rolou algumas vezes até parar inconsciente, deixando um rastro de sangue pelo asfalto.

Gargalhando baixo, Jaques desceu a rua na direção do garoto inconsciente.

– Você tem muito sangue, criança. – se agachou perto da cabeça adormecida e pegou o aparelho preso a sua orelha. – Não se importa se eu pegar isso emprestado, se importa?

Levantou-se novamente e enfiou o dispositivo no próprio ouvido.

– Parece que vocês chegaram primeiro que eu. – afirmou, parado na rua. – Vamos fazer um acordo: vocês me entregam Vítor Correia e eu deixo vocês irem sem nenhum arranhão. – vistoriou a rua de cima a baixo, a procura de seus adversários.

A gente não é igual a você, traidor! Nós somos leais ao nosso Clã! – bufou o velho, largando as compras no chão. Sem hesitar, correu na direção de Jaques, com uma forma física estranha à sua idade.

– Eu não quero fazer isso. – afirmou o francês. – É perda de tempo.

O velho tirou uma pistola Taurus PT-92 por debaixo da camisa e continuou a avançar. A arma tinha um prolongamento na ponta, um silenciador, para não chamar a atenção da vizinhança.

Você vai pagar pelo o que fez a Ricardo, seu desgraçado! – insultou a voz de um jovem, que o francês logo reconheceu como sendo de um dos namorados mais em baixo na rua.

Ao olhar para eles, Jacques os viu tirar cada um uma pistola semelhante a do velho e se distanciarem da árvore, correndo em sua direção.

– Então assim será! – exclamou Jaques, tirando dois revólveres Mugnum 357 debaixo da jaqueta – Prometo não matá-los!

O jovem ultrapassou o velho na corrida e, a trinta metros do alvo, puxou o gatilho. A bala saiu da arma sem seu comum estrondo e passou a poucos centímetros do braço direito de Jacques.

– Você precisa de mais treino, rapaz. – disparou.

Com os dois estrondos que ecoaram pelos muros das casas, os dois projéteis atingiram o rapaz em cada um dos ombros. Ele caiu de costas, com sangue jorrando de cada ferida e soltando a pistola que carregava sobre o asfalto negro.

A garota, ao ouvir os tiros, se jogou por trás da árvore mais próxima, enquanto que Jaques se dirigia para trás de um poste.

O velho, imerso em fúria, parou na subida e resolveu atirar tudo o que tinha. As balas saíram, uma atrás da outra, na direção do francês.

O último passo de Jacques foi crucial para mantê-lo vivo, conseguindo colocá-lo por trás do poste e deixando-o protegido.

Alguns dos projéteis nem mesmo passaram próximo ao francês, mas a maioria chocou-se contra o concreto do poste com força tremenda, arrancando pedaços e fincando-se o mais fundo possível.

Ao som do último tiro da seqüência, o francês se animou:

– Não devia ter feito isso, velho. – Colocou uma das armas para fora da proteção do poste e desferiu um único tiro, que atingiu a barriga do idoso.

O homem caiu de joelhos entre gemidos de dor, levando as mãos à barriga. A arma escorregou de seus dedos para o chão e, em segundos, seu dono já estava debruçado no asfalto.

Merda… – sussurrou a jovem, por trás da árvore.

O francês alargou um sorriso ao ouvir a palavra pelo comunicador. Não conseguia ver a jovem por trás da árvore, mas sabia que ela estava lá, tremendo de medo.

– Vamos lá, garotinha, se renda. – aconselhou Jaques.

– Nunca! – gritou a jovem, jogando a mão que carregava a pistola e o rosto para fora da proteção da árvore e desferindo seus primeiros tiros na noite.

O francês entrou também no jogo atirando com cautela. A chuva de balas continuou de um lado a outro da rua por quase um minuto.

Sarah. Sarah! Fale comigo! – chamou alguém, que aparentemente não estava na rua.

Enquanto atirava mais duas vezes, o francês percebeu algo familiar na voz que chegava aos seus ouvidos.

– Eu acho que eu te conheço de algum lugar… – afirmou, recostando-se no poste. – Sua voz me é familiar…

Phill, continue dentro da casa e tente entrar em contato com o Ancião. E não me passe nenhuma informação pelo comunicador.ordenou outra mulher, em inglês, e depois em bom português: – Cíntia pegue todos que estiver dentro de casa, coloque dentro do carro e vá embora. Quero vocês o mais longe possível daqui.

          O francês viu uma segunda mulher subir pela rua, trazendo consigo a mesma pistola Taurus dos outros inimigos. No entanto, esta era mais decidida que os outros quatro e, sem dúvida, a mais perigosa.

Olá, chefe…


Categorias: A Sociedade,Agenda,Contos |

2 Comments»

  • Débora Campos says:

    Nossa,tô curiosa pra caramba pra saber o que vai acontecer.
    Sua estória esta muito boa,e só uma pergunta:são quantas partes????

    • Andre Alves says:

      Olha, não faço ideia! Faz um tempo q eu escrevi, ainda tem mais algumas partes, acho q menos de dez não dá xD

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério