O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Publicado por Guilherme Pedrosa Lima

– que publicou 2 textos no ONE.

>> Confira outros textos de Guilherme Pedrosa Lima

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jan
10
2012

Apenas respire

“Apenas respire” dizia-me ele. Aquele com certeza era o último rosto que eu ia ver. O instante derradeiro. O desfecho de uma curta história de alguém que já nasceu para ser defunto. Pois todos nascemos assim, como futuros defuntos. A terra chacoalhava. As granadas estouravam mas eu podia ainda me ater àquele rosto. Pesado e sujo, as pálpebras se debatiam, os traços eram rijos, as lágrimas nos olhos teimavam em se acumular lá. Estavam prestes a explodir como as granadas.

Apertava a minha mão, e eu sentia seus ossos me pressionando. Podia escutar outros corpos caindo, alguns mutilados, outros enlouquecidos de pavor, os gritos, os medos. O sangue que tingia os uniformes. Não estava desesperado, apenas contemplava aquele olhar de adeus. Adormecia vagarosamente. O frio fazia-me tremer o queixo. A chuva não me deixava fixar, piscava os olhos. O rosto não desistia, estava lá, firme, inabalável. O clarões dos relâmpagos na trincheira iluminavam um cenário de matança. Os vivos não podia suportar e alguns abandonavam seus corpos durante uma corrida em direção aos inimigos, recebendo cada bala, cada golpe. Amontoavam-se aqui e ali como se fossem pasto de abutres. Vomitavam rubro e se arrastavam contra seus destinos. Alvos fáceis! Pobres alvos fáceis!

Berravam ordens de “abaixem-se!”. Se houvesse uma só alma que antes de se levantar com seu fuzil para correr já não estivesse morta, já não estivesse purgando, esta alma seria santa. Aqueles que jazem no meio do nada, no deserto da morte, a estes a alma já havia sido levada há muito tempo.

Aqui não se vive, aqui “apenas se respira”. Enquanto mais um gatilho é apertado e mais um crânio é estourado. A lição está dada, a lição desta que já os condena desde a eternidade. Não pude mais encontrar o ar. Me faltou. Me faltou também e ainda me falta aquele rosto. Aquele último rosto que me ofereceu abrigo na guerra. Pereci assim, agarrado àquela imagem. A chuva, o cheiro de morte. As faces sujas do homem que acompanhou-me nas suas últimas lágrimas. Pois não tardou a ser chicoteado por um projétil que feriu-lhe o pescoço. Tombou ao meu lado. Enfim.

Meu caso foi aos tropeços, as gotas da chuva ainda tentavam perfurar meu rosto, eu permaneci um longo tempo deitado, observando meu herói cadáver.

Os ruídos da artilharia cessaram, o dia estava amanhecendo e o sol declarava-se forte, imperador. A tempestade passou e o reforço chegava. Escutei os aviões, os tanques se aproximando. Terminada a batalha, terminou minha vida, num suspiro. E a cicatriz na minha alma agora é aquele quadro: o rosto negro de lama e profundo de doação.


Categorias: Agenda |

No Comments»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério