O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

conto da noiteO Conto da Noite
Rituais
As pessoas trabalhavam felizes em meio aos limoeiros. Homens e mulheres contentes colhiam os frutos que surgiam abundantemente naquele lugar.

Em meio ao tumulto, um casal arrumava tempo para brincar.


Publicado por Evandro Furtado

– que publicou 95 textos no ONE.

Ocupações: Estudante de Letras (sim, isto é ocupação) e escritor amador em tempo vago.

Base de operações: Lavras/MG (por mais que eu duvide que esteja realmente aqui, às vezes).

Interesses: Cinema, música, literatura, professional wrestling e uma boa pizza se for possível.

Autores Influentes: Stephen King, Dan Brown, Agatha Christie, Paulo Coelho, Tolkien.

Objetivos: Parafraseando o Coringa de Heath Ledger: “I just do things!”

>> Confira outros textos de Evandro Furtado

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Oct
02
2012

A Máquina Diferencial

Um romance histórico de um passado que nunca existiu

maquina_diferencial

Capa do livro, muito bonita em minha opinião

William Gibson e Bruce Sterling são conhecidos principalmente pelo mérito de definir o que seria o Cyberpunk na literatura, com trabalhos como Neuromancer e a antologia Mirrorshades. No entanto, A Máquina Diferencial (Editora Aleph, 2012; 456 páginas; R$ 55,00)  não leva o leitor até um futuro distópico. O livro, escrito simultaneamente pelos dois autores durante um período de sete anos, traz à tona uma Era Vitoriana onde vapor e computadores fazem parte do cotidiano. Além de serem os precursores do Cyberpunk, os dois autores acabaram escrevendo uma das maiores referências do Steampunk.

No universo de A Máquina Diferencial, a ciência evoluiu de forma muito mais acelerada que a versão histórica da Era Vitoriana. Conseguindo finalizar o projeto que nomeia o livro, o matemático Charles Babbage acaba trazendo uma série de mudanças não só para a ciência como para o mundo.

Adquirindo cada vez mais influencia devido às conseqüências da revolução industrial e da Máquina, e conseguindo frustrar o golpe de estado realizado pelo Duque de Wellington, Lorde Byron e o Partido Radical – os rads – conseguem chegar ao poder. Logo a influência da Inglaterra começa a aumentar, os portos do Japão são abertos pelos ingleses e os Estados Unidos se dividem e enfraquecem antes mesmo de haver uma Guerra de Secessão. A velha aristocracia inglesa perde seus direitos hereditários e uma meritocracia científica, sob o olhar do primeiro ministro, Byron, domina o panorama político.

Com o tempo, carruagens a vapor trafegam por Londres; inúmeras máquinas são automatizadas por programação usando cartões perfurados; cinétropos – cinemas feitos com a tecnologia da Máquina – atingem a grande população e uma vasta rede de quilômetros de engrenagens processa as informações da maioria das agências inglesas.

O Babbage histórico pode não ter conseguido montar a máquina dele no séc. XIX por questões de grana e material, mas em 1991 ela foi terminada pelo Museu de Ciência de Londres… E funcionava.

Em meio a isso, Sybil Gerard, uma prostituta, filha de um finado líder ludita, se vê em meio às politicagens que envolvem Sam Houston, Presidente da República do Texas, que fora deportado; Edward Mallory, paleontólogo que descobriu o Brontossauro enquanto lutava com índios e texanos, vê sua carreira em ascensão ser ameaçada por um criminoso; e Oliphant, um jornalista, diplomata e espião, tenta juntar as peças que consegue encontrar. Histórias que à primeira vista parecem desconexas, mas em que uma série de curiosos cartões de clacking – ferramentas usadas para programação da Máquina –, um bandido texano e a própria Rainha das Máquinas, Ada Byron, parecem sempre estar envolvidos, em uma conspiração que ameaça todo o Partido Radical.

O livro tem uma história cativante, que prende a atenção do leitor e mais do que cumpre seu papel. No entanto, está longe de ser um dos únicos atrativos. A Era Vitoriana re-inventada por Gibson e Sterling é uma maravilha à parte. É possível ver todo o espírito vitoriano numa Inglaterra que nunca existiu, com suas mudanças que começam a partir da criação da Máquina e pouco antes do golpe de estado de Wellington, que também nunca existiu.

Personagens históricos e fictícios (estes, bem poucos, na verdade), se misturam na Londres que nunca existiu, cada qual vivendo vidas alteradas pela tecnologia e mudanças culturais. Benjamin Disraeli, que nesta época deveria ser o primeiro ministro ao invés de Lorde Byron, não passa de um jornalista e escritor um pouco mau afamado em seus círculos. Nem mesmo The Two Nations, romance escrito pelo Disraeli histórico, escapa das mudanças, pois Sybil, a prostituta que figura entre os personagens principais, na obra original se casaria com Charles Egremont, homem que no Steampunk destruiu sua vida.

É notável ver toda a comunidade científica desvelada pelo olhar de Edward Mallory. A salada de referências históricas afetadas pelo surgimento da Máquina é um dos pontos mais bem construídos do livro. Das discussões científicas que o paleontólogo fictício mostra à situação da ciência na sociedade tecnocrática e em como um homem que nunca existiu interagia com personalidades históricas. Em especial, as passagens onde se discute o Catastrofismo e sobre a natureza dos dinossauros mostram muito bem a cultura científica que se formou na Inglaterra (embora muitos leitores possam preferir momentos como quando Mallory, seus irmãos e o policial Fraser vão à caça do “líder” da nova revolução ludita, o capitão Swing).

Othniel Charles Marsh descobriu o Brontossauro em nossa realidade… Ainda prefiro Mallory.

Em A Máquina Diferencial, William Gibson e Bruce Sterling mostram que escrever em pareceria, embora traga o dobro do trabalho, como eles mesmos dizem, podem trazer uma obra memorável. Todos os sete anos de pesquisa e escrita parecem ter valido a pena, pois realmente construíram um romance histórico de um passado que nunca existiu, e as referências a mais de trinta personalidades que realmente existiram em nossa história mostram o quão bem arranjado foi o romance. O palavreado e a postura dos personagens também foram de muita eficácia, pois remetem muito bem o sabor da Era Vitoriana.

A edição brasileira da Editora Aleph, apesar de carregar um atraso de mais de vinte anos – a obra foi lançada em 1990 –, é de altíssima qualidade. As páginas são melhores que a maioria das publicações brasileiras, fisicamente o livro também é de altíssima qualidade. A tradução, feita por Ludimila Hashimoto, é muito esmerada, conseguindo passar muito bem o clima e o palavreado de uma época antiga. No fim do livro, glossários com termos da época e breve histórico das várias personalidades históricas situam qualquer leitor. Um posfácio escrito pelos autores para a edição comemorativa de vinte anos e um mapa completam o volume.

A Máquina Diferencial é um prato cheio não só para os amantes do Steampunk, mas também para aqueles que gostam da Era Vitoriana. Toda a arrogância burguesa, os cavalheiros, as damas, o palavreado rebuscado, espartilhos, cartolas e anáguas, bem como o panorama de uma Londres tão semelhante – mas ainda assim tão diferente – podem ser encontrados. Cultura, política e ciência especuladas, bem como máquinas a vapor e o punk em forma de revolta social são coisas que um leitor pode ter certeza de que irá encontrar.

Fonte:  Steamlesspunkless e Outros Cenários

2 Comments»

  • Willian Gibson é muito bom. Tenho aqui em casa Neuromance e Monalisa Overdrive. Plus: um neuromancer versão americana.

    • Renan Barcellos says:

      Eu tenho a trilogia dos sprawl toda, só que ainda não li o monalisa overdrive. Mas até agora o que mais gostei dele foi o máquina diferencial. Preciso ler algo só do cruce sterling pra saber o quanto dele tem no livro 😛

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério