O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Nov
13
2012

O Jogo da Verdade

Escritor: Jô Mendonça

o-jogo-da-verdade

Eles vagavam pela madrugada, volta e meia olhavam o insípido céu da meia-noite, enquanto eram apaziguados pela escuridão da rua triste e vazia de gente. Ouviam o estranho gemidos de gatos no cio e por mais que procurassem os tais bichanos, não conseguiam encontrá-los, os bichos pareciam se esconder para terem mais privacidade. Alguns carros passavam raspando pelo astato. Os três ali na rua, a vagar, se sentiam livres e desimpedidos. Caio, Paulo e Isabel, andando por andar, para esfriar a cabeça, ver o tempo passar e nada fazer naquele momento, parecia algo banal, mas era tão relaxante, tão aprazível que a banalidade estava valendo a pena.

Por que ser tão sério? Tão regrado? Tão rigoroso? Se isso era tão chato! Mais vale uma loucura feliz do que uma seriedade triste, pelo menos era assim que os três pensavam naquele momento. Pra que ter medo de ser ridículo? Às vezes é bom ser ridículo e para Caio, Paulo e Is abel aquele momento de loucura estava valendo a pena. Abraçados os três conversavam e riam, uma conversa fútil e banal, riam de tudo, riam de sua própria desgraça, riam de tudo que haviam feito, riam deles mesmo. Parecia tão algo tão insignificante! Mas era tão gostoso! Rir de qualquer coisa. Uma mulher abraçada a dois homens. As poucas pessoas que passavam e viam estranhavam, mas eles nem se importavam, já tinham bebido um pouco e a festa tinha sido boa. Caio, 24 anos de idade, era um cara durão, tinha pavio curto. No trabalho era contestador e crítico mas costumava ser amigável nos momentos lúdicos da vida com os amigos. Rapaz moreno, cabelos negros e lisos, estatura média e físico bem trabalhado, gostava de praticar esportes. Paulo, 29 anos, fumante inveterado, introvertido e intelectualizado, gostava de ler enquanto fumava e bebia um conhaque, era de sorrir pouco, também de pouca conversa. Alto e magro, pele muito branca, não gostava de pegar Sol, seus cabelos eram ondulados e desalinhados, tinha olhos castanhos e usava óculos, era míope. Era também escritor e tinha cerca de oito livros já publicados. Isabel, 25 anos, era do tipo que falava pelos cotovelos, costumava rir alto e era extremamente vaidosa. Tinha cabelos lisos e loiros, na verdade castanhos, mas descoloridos por luzes. Tinha pele branca, mas levemente bronzeada, olhos verdes. Como Paulo, também era fumante inveterada. Usava esmaltes vermelhos nas unhas, muitos anéis e pulseiras, sandálias de salto. Costumava também usar vestidos e calças justas. Os três eram jornalistas e trabalhavam juntos.

Continuavam a caminhar pela escuridão da noite, mais carros passavam, já fazia frio, ventava, algumas pessoas cruzavam o caminho deles. Resolveram parar para acender um cigarro, menos Caio, que não fumava há um ano e meio, mas não se importavam que os amigos fumassem perto dele. Os três sentaram num quiosque de uma pracinha próxima dali, em outros quiosques haviam grupos de adolescentes e casais de namorados.

_Nossa!Preciso parar de fumar, mas quem disse que consigo! _Disse Isabel.

_Já tem um ano e meio que não fumo. _Disse Caio. _Foi difícil parar. Paulo, e seu livro?

_Já terminei de escrever e vou publicar.

_Eu já li ?Um céu para todos?, aquele seu livro de crônicas.

_Ah sim, esse livro estava na Bienal do ano passado.

_Eu li ?Conflitos Urbanos e um Fulano? de contos que se passavam na cidade de São Paulo. _Comentou Isabel se referindo a outro livro escrito por Paulo.

_Esse livro não foi pra Bienal. _Lamentou-se Paulo.

_Tá aí, vou escrever um livro. _Disse Isabel.

Caio riu.

_E você lá tem idéias pra escrever alguma coisa! _Brincou Caio com certo sarcasmo.

_Esqueceu que sou redatora do jornal?

_Mas escrever uma matéria para um jornal é uma coisa, escrever um livro, são outros quinhentos.

_Não liga pra ele não, meu anjo, escreve seu livro! _Incentivou Paulo.

_Vou escrever contos eróticos. _Revelou Isabel.

_Hummmm! _Entusiasmaram-se Caio e Paulo.

_Puxa, vou gozar antes de terminar de ler. _Brincou Caio.

Os três riram.

_Ué, você vai querer leu meu livro? Não acabou de dizer que eu não tenho idéias? _Questionou Isabel.

_Mas se tratando de sexo, você tem idéias de sobra. _Revelou Caio.

_E você? Não pensa em sexo também?

_Claro que penso.

_Então? O que tem de errado eu pensar? No que somos diferentes afinal?

_Ah, você é mulher!

_Ah não! Machismo pra cima de mim não! Você é jornalista, um cara esclarecido, não deveria mais pensar assim.

_Concordo plenamente com a Isabel, sou homem mais sou contra o machismo e a misoginia. _Apoiou Paulo.

_Tudo bem, não está mais aqui quem falou. _Rendeu-se Caio.

Paulo e Isabel ainda fumavam bastante, o ar se impregnava com o cheiro de cigarro. Caio começou a se sentir incomodado.

_Pô! Vocês também! Por que não param de fumar!

_Ah Caio! Não vem com essa não, que você já foi fumante e nunca se preocupou se tava incomodando ou não, quem tava perto de você. _Disse Isabel.

_Agora ele é um ex-fumante. _Ironizou Paulo.

_De jeito nenhum! Sou um não fumante. _Respondeu Caio incomodado não só com a fumaça, mas também com os comentários.

_Ex-fumante ou não fumante você se tornou um tremendo de um chato! _Irritou-se Isabel.

Caio deu risada.

_Além de ex-fumante, sou ex-viciado também. _Revelou o rapaz.

_Ex-viciado? _Intrigou-se Paulo.

_Já fui dependente químico gente! Viciado em drogas.

_Não precisa de tantas explicações, nós já entendemos. _Disse Isabel.

_Não, continua! _Pediu Paulo. _Agora eu fiquei curioso.

_Comecei fumando maconha e bebendo muito na pré-adolescência. Depois passei a cheirar farinha.

_Farinha? _Intrigou-se Paulo.

_Pó, farinha, cocaína…

_Já entendemos. _Interrompeu Isabel. _Não precisa entrar em detalhes.

_Não, continua! _Insistiu Paulo.

_Fiz muita loucura, muita bobagem na vida por causa de droga.

_Que tipo de bobagem?

_Roubava meus pais, meus irmãos, já assaltei…

_Você já fez um assalto?_Assustou-se Isabel e interrompeu o colega.

_Ué, você disse que não queria saber de detalhes.

_Não pode falar! _Interessou-se a jovem.

_Um assalto não, vários. E o dinheiro dos roubos parecia sumir que nem vapor, não durava nada na minha mão.

Paulo e Isabel ficaram surpresos com a revelação do colega, jamais imaginaram que Caio tivesse passado por situações daquele tipo, eles mesmos jamais passaram e não faziam a menor idéia do que era viver daquela maneira. Caio agora estava sendo visto com outros olhos. As piadas cessaram, pois naquele momento o assunto era sério.

_Quase matei um policial e tive que fugir dele depois. _Continuou Caio.

_Você chegou a ser preso? _Perguntou Paulo.

_Não. Mas era como se eu estivesse, antes tivesse sido preso a ter que fugir de alguém que está te ameaçando de morte.

Um silêncio tomou conta daquele lugar. Caio, o típico rapaz de classe média, que teve de tudo e se meteu em encrencas. Os três se conheciam há pouco tempo e não sabiam muito da vida um do outro. Mas parecia que aquele era o momento de se quebrar o silêncio e falar de si mesmo.

_Foi a partir daí que decidi largar o vício, meus pais me internaram em uma clínica para dependentes químicos, freqüentei grupos de auto-ajuda e hoje eu tô limpo, quero andar certo.

Enquanto Caio queria ser correto, Paulo já estava cansado de ser daquele jeito, tão politicamente correto. Chegou a sentir-se incomodado com a frase ?Quero andar certo.? Mas como dizer aquilo sem parecer antiético ou ser visto como um canalha?

_Eu também já fiz minhas loucuras. _Revelou Isabel. _Não fui de usar drogas pesadas, o máximo que fiz foi fumar maconha, mas sempre bebi demais, ia pra festas com amigos e voltava bêbada pra casa. Eu e minha mãe nunca nos demos bem. _A voz da moça embargou, ia chorar. _A gente sempre brigava, se desrespeitava. Eu via as mães carinhosas das minhas amigas e aquilo me machucava tanto! Depois que meu pai faleceu a gente teve uma briga feia por que eu tinha roubado uma grana dela, foi aí que ela me botou pra fora de casa, fui morar com meus avós lá no sul de Minas, foi nesse período que eu entrei pra faculdade.

_E a sua relação com a sua mãe? Como é hoje? _Interessou-se Paulo.

_A gente se fala pouco.

Os três entreolharam-se.

_Só falta você Paulo. _Disse Isabel.

_Só falta eu o que? _Paulo deu uma de João sem braço.

_Falar da sua vida.

Paulo acendeu mais um cigarro, tragou e soltou a fumaça.

_Deixa pra uma outra oportunidade! _Pediu ele constrangido.

_Nada disso, a gente quer que você fale agora! _Cobrou Isabel.

_Fala aí cara! Pra que esconder o jogo? Eu e a Isa já falamos só falta você! _Cobrou Paulo.

_É uma forma da gente se conhecer melhor.

Mais uma tragada, Paulo resolveu falar.

_Eu sempre fui caladão, na minha, era sempre o quieto do grupo, o certinho. Meus dois irmãos sempre falantes, pediam sempre as coisas pros meus pais e eu, como não sabia pedir, ganhava poucos presentes. Meus pais se separaram e como eu era o mais velho, minha mãe sempre me encarregava de tomar conta do meu irmão e da minha irmã. Quando eu e meu irmão ganhávamos carrinhos, ele sempre queria o mais bonito, e eu como era mais velho, tinha que ceder pra ele. Tinha que ser o filho responsável, que abria mão para o irmão menor, ser o bonzinho e o certinho, por que minha mãe me cobrava isso o tempo todo. Passei a vida toda carregando essa cruz! _Lamentou o rapaz. _Na minha adolescência comecei a me interessar por meninos. Tive uma namorada e com vinte e dois anos tive meu primeiro relacionamento com homem.

Caio e Isabel ficaram surpresos com a revelação de Paulo. Nunca desconfiaram de sua orientação sexual, já que Paulo era discreto e fugia totalmente aos estereótipos gays.

_E a sua família sabia? _Indagou Caio.

_Minha mãe sempre desconfiou. Meu namoro com mulher foi praticamente por conveniência, ficamos juntos quase um ano.

_Chegaram a transar?_Quis saber Isabel?

_Sim.

_E como você contou pra sua família?

_Meu namorado passou a freqüentar a minha casa e minha mãe me encostou na parede, aí eu disse que era homossexual e que ele era meu namorado. No começo ela ficou chocada, mas depois ela foi aceitando. Meus irmãos sempre souberam e nunca me discriminaram, meu pai soube por último, não toca no assunto, mas me respeita.

_Eu já transei com uma mulher. _Revelou Isabel. _Uma vez só, não gostei muito, meu negócio é homem mesmo.

_Cara, depois dessa tô quase fumando um cigarro. _Brincou Caio passando a mão no rosto.

Os três riram.

_Você é tão discreto, foge dos estereótipos completamente. _Comentou Isabel.

_Você já foi naquela Parada Gay? _Quis saber Caio.

_Aquela da Paulista? Já sim, com meu ex-namorado e outras vezes com dois amigos meus. Vou a boates gls também.

_Nunca fui nesses lugares.

_Eu já. _Disse Isabel.

Já eram uma e quarenta da manhã, havia um pub bem freqüentado, Caio, Isabel e Paulo resolveram tomar um táxi e ir até lá. No caminho, os três riam e falavam bobagens, até o taxista entrou na conversa e se divertiu também.

O pub estava lotado, os três jornalistas tiveram dificuldade de encontrar uma mesa vazia, mas para a surpresa deles encontraram Jorge, Raquel e Júlia, também do jornal, juntaram-se a eles. O ambiente era estilo pub britânico, tocava rock alternativo, uma banda nacional e pouco conhecida. Todos pediram bebida, bebiam, fumavam e riam. Á medida que o tempo ia passando, a turma ia ficando mais bêbada e mais sincera, Jorge começou a falar de suas aventuras sexuais no tempo em que era solteiro.

_Já vi esse filme. _Comentou Isabel.

_Eu é que não vou repetir tudo de novo. _Brincou Paulo.


Categorias: Contos | Tags: ,

12 Comments»

  • Atreus says:

    Esta interessante. Mas muito desconexo. Cuidado com os erros. Vi um mais no lugar de mas.
    _
    Algumas frases estao meio teatrais tambem…
    Tipo – Puxa, vou gozar antes de terminar – nao foi engraçado para eles rirem.Pelo menos pra mim.
    _
    Entendi o seu proposito mas meu conselho é que vc deixe respirar um tempo e depois volte para editar. Apesar da estoria ser interessante com sentimentos humanos a forma termina prejudicando. Tenho impressao que tu escreveu tudo de uma vez, no elan da inspiraçao.Tou certo?
    _
    O que voce acha?

  • nelly says:

    e legal ter alguem para conversa mais tem muitos bandidos querendo pegar criancas eu estou de olho aberto .
    toma miuto cuidado voces que entram em bate papo
    TOMA CUIDADO GALERINHA BJOSSSSSSSSSSS

  • tamires de souza rangel says:

    Oi meu nome e Tamires tenho 15 anos de idade e gostaria muito de , participa do , jogo da verdade meu sonho e nconhece o Fiuk …
    BJUUUssss

    • Andrey Ximenez says:

      É mesmo?
      Bah, então vc ta com sorte, pq ele é meu brother!

      Aparece lá em casa pra gente jogar, eu tenho uma garrafa de Johnny Walker, da pra fazer um jogo bem legal viu?
      😉




      u.u”’

  • keila says:

    rsrsrsrsrsrsrsrsrsrs legal

  • miss spoiler says:

    Caramba!! Quanto erro ortográfico meu amigo!
    Um pouquinho menos de pressa….escreva e depois que terminar leia….procure os erros…conserte-os…e depois publique.

  • MilenoJanker says:

    Cuidado com alguns erros de ortografia, principalmente pontuação (Não que eu seja bom nisso, mas digo por ter notado esse tipo de erro em seu texto). Revise seu texto atentamente antes de publicar para evitar que erros como “Alguns carros passavam raspando pelo astato (Asfalto?)”.
    Achei os diálogos fraquinhos, creio que você seja capaz de melhorar. Usou palavras muito “Oral”, sei que é a intenção mostrar uma oralidade, mas poderia dizer o mesmo com outras palavras mais selecionadas (o que não obriga serem palavras cultas). Também achei que você apenas organizou as falas classificando que dizia o que. Ficou muito “E disse Paulo”, “Disse Isabel”, “Disse Caio”, “Disse Paulo para Caio”… entende?… acho que faltou demonstrar mais a cena, dizer se Paulo disse tal coisa para Caio olhando-o nos olhos, enfim ficou um pouco pobre os diálogos.
    Cuidado com as exclamações, evite os casuais “Ua!”, “Nossa”, “Pó” e “Ah não”, este tipo de coisa faz parecer um texto fraco.

    Se puderem leiam “A primeira vez que morreram”!!!

  • MilenoJanker says:

    Se puderem leiam meus textos: “A primeira vez em que morreram”

  • gilkar carvalho says:

    olá, achei bem legal. leitura fácil e “realista”.Acho q “algo” vai acontecer quando eles saírem do bar q entraram,(muitas revelações, né?). Se puder, dê uma olhada em “o estranho caso de raquel rose”. abraço

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério