O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Feb
03
2013

Assassin’s Creed;A cronica Pt 8

Éden.Jpg

Ei pessoas, Lav de Zmije, o irmão de Ugriz Zmije usa um florete, e em um de seus Pensamentos, Erelis acha que um florete é coisa de Homossexuais.

Eu não quis dizer que todos que usam ela são Gays.

Foi só uma ofensa contra este templário.

————————————————————————————————-

 

Ele baixou a machadinha em minha direção.

Antes que a machadinha pudesse matar-me, impedi que ele me tocasse erguendo minha mão, e lamina perfurou minha carne, e eu vi sangue jorrando e colorindo a roupa do templário.

A dor era enorme e latejante, fiquei semi inconsciente, vi ele erguendo o machado novamente, e tentei acreditar que ia morrer, a dor já havia se espalhado, e eu não conseguia me locomover, os braços dele já estavam se abaixando quando vi uma adaga de arremessar batendo no cabo, e fazendo o machado voar.

-Chegaram amigos seus…Na verdade, só um…-Tentei mover minha cabeça para ver quem era-Mas sangue em vão.

Lav pisoteou meu peito antes que eu visse uma capa branca pulando em direção dele, e tentando acertá-lo com uma lamina oculta, mas Lav desviou e a pessoa caiu no chão, era Bewonderaar.

-Novatos…Nunca aprendem a lição-Zombou.

-Então você é o Lavrado de Zmije?-Bewonderaar Vociferava.

-Sim, sim…Você é o pateta…

Bewonderaar em questão de segundos já havia partido para cima de Lav com sua Bastarda(A espada)E o golpeou com um soco na barriga, pois sua Lav desviou e sua lamina havia ficado presa no chão. Lav cambaleou e quase caiu do prédio, mas se recuperou e pegou seu florete.

-Vai lutar contra mim com um palito de dente?

-Não fale isso da minha espada, ela é muito melhor.E vou acabar com qualquer um que me humilha.

Ele correu em alta velocidade em direção de Bewonderaar, acertou o uma espada na barriga, com a mão direita ele estacou o ferimento, e com a esquerda, acertou uma espadada em seu ombro.Agora os dois estavam usando apenas uma mão para segurar o cabo das espadas.

Lav estava distraído contendo o sangramento, já Bewonderaar, estava inquieto e furioso.

Levantou a sua Bastarda no ar e desceu-a na direção do templário, que usando o seu “Palito-De-Dente” se defendeu.Ele chutou a barriga de Bwonderaar,que cambaleou, e quase caiu no telhado de outra casa, mas por sorte se recuperou.

Lançou sua Bastarda contra o telhado, e falou em seguida:

-Não preciso de truques para acabar com você-Tirou a mão do ombro ferido, que sangrava, e sua mão estava cheia de sangue.

-Muito menos eu-Lançou o florete no telhado, e continuou-Lixo não merece esse esforço.

Os dois correram um na direção do outro, e, para começar a porradaria, Lav desferiu um soco em sua cara, Bewonderaar tentou não cair, mas mesmo assim, suas pernas tremeram, Lav continuou pegando os ombros de Bewonderaar, e arremessando do lado de seu Florete, Bewonderaar se levantou dando um chute na virilha de seu adversário, deu dos socos em sua cara, o puxou contra si e deu mas um chute em sua virilha, O templário caiu.

Bewonderaar Olhou para o meu corpo, de costas para seu adversário.O Florete de Lav atravessou seu peito(Não o do coração, por sorte dele), Bewonderaar foi virado para o rosto do inimigo, acertou lhe um soco e o empurrou, ele caiu morto no telhado.

Não acreditei.

Lav ria um riso demoníaco.Enquanto nem sangue saia do peito de Bewonderaar.

-Assassinos Patetas-Começou Lav-Acharam mesmo que iam matar os Zmije, tolos, agora rendasse Erelis…E talvez terá espaço no meu reino…O Sol um dia será controlado por mim-Lav se virou em direção do sol, de costas para nossos corpos, enquanto pingos de sangue saiam da sua espada.

Metade do corpo de Bewonderaar se virou em direção de Lav, e uma adaga de arremesso voou em direção da mão do Templário, Lav deixou sua espada cair nas ruas de Kerch.

-Hugai-Gritou de dor-Droga, droga, droga!

-Qual…é-Gaguejou Bewonderaar-O c-coração?

-Maldito!

Bewonderaar se levantou e virou-se para mim.

-Me deve uma,”águia”-Falou O Meu Admirador.

-Vai ficar devendo-Uma lamina atravessou o pescoço de Bewonderaar…Era a sua própria adaga de arremesso. Bewonderaar tentou estacar o ferimento, mais já era tarde, ele caiu morto ao meu lado.Fiquei furioso.

-Agora já chega, morra Eleris-Lav sacou o seu machadinho segurando com força, olhei para o céu e vi uma águia, rapidamente tive uma sensação estranha-Hora de morrer.

Ele se aproximou de mim, levantou os braços, vi mais uma brecha.Chutei sua barriga e girei para o lado.A lamina do Machado ficou presa no chão, e me deu tempo para acertar uma porrada no rosto de Lav.  Ele cambaleou , mas eu peguei-o pelo colarinho  e o joguei contra o telhado, mantendo ele preso com meu pé.

-Você não irá me matar, ninguém nunca me mata, Esta é a verdade!

-Nada é verdade…tudo é permitido-Ativo minha lamina oculta.

-Guardas!

Dois guardas fortes Correm em minha direção, Um com uma Cimitarra, outro as mãos livres.Me defendo de várias espadadas usando o punhal, e uma vez o outra usando a mãos no ferida, até ela também sangrar.O sem espada me agarra enquanto o outro mira a espada em meu coração.Em uma volta perfeita em torno da cabeça do que me agarrava, estava atrás dele.E a espadada atravessou o peito do guarda, ele caiu no chão, e com a lamina oculta acertei o pescoço do outro, ele foi dando passos para trás, em direção ao fim do teto, quando chegamos lá, chutei ele para chão.Fui em direção de Lav de Zmije.

-Acho que agora você não tem direito nem de palavras finais-Ativei minha Lamina Oculta novamente.

-Dopomozhy meni boh-Disse ele em preses Ucranianas- Sokorro !(Em Ucraniano, é assim que se fala socorro, não confundam!)

-Adeus-A última coisa que eu lembro foi eu cravar a lamina em sua cabeça, e depois desmaiar.

Acordei deitado em uma espécie de cama, ao meu lado, vi o já morto Bewonderaar, naquele momento, tive a sensação de que teria de ser um assassino mais sério.

-Nyugodj békében, barátom-Cutuquei sua testa-Te mindig jó gyilkos, nem is hívott egy.

Minha cabeça doía.

-Stor Vän…O que aconte…

Uma bela moça de cabelos negros, curtos, olhos verdes e lábios carnudos entra na sala, com um capuz sobre a cabeça, ela me fala:

-Ele está vivo, um deles está-Reconheci o abrigo assassino de Kerch. Mas ainda não entendia o que havia acontecido comigo-Por favor, não se mexa.

-Preciso matar…Ugriz…Zmije.

-Ainda não, Erelis.

-Todo mundo sabe meu maldito nome?

-Pensei que pudesse contar-Vi o corpo de Stor Vän entrando na sala-Como está, Erelis?

-Furioso…E pronto para matar!

-Mas não pode sair ainda…

-Bewonderaar não pode morrer em vão!

-A morte dele já foi vingada

-Ainda não…Todos os templários devem morrer pela morte de Bewonderaar

-É melhor você ficar de recuperação, Erelis-Disse a moça que antes estava quieta.

-Por favor, me diga seu nome.

-Esta é Pirma Žudikas, Erelis-Stor Vän olhou rapidamente para ela, ergueu sua mão esquerda e pois na minha testa.

-Tira isso dai-Bati em sua mão e a empurrei-Quem acha que é?

-Está febril…Pirma…Pegue algo para ele comer, e prepare a água fria.

-Sim senhor…-A moça saiu da sala.

-Már mondtam, hogy ilyen jól!

-Ainda não, Erelis, Nyugi, majd a munkaer?!

Logo a moça chega de novo, com uma maçã na mão, me dá ela para almoçar, comi a maçã, depois, fui para um banho gelado.


Categorias: Agenda |

No Comments»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério