O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(2) Moby [agenda]
(3) Prova [agenda]
(13) Burqa [poesia]
(11) Ursos [poesia]
(14) 100 [conto]

Publicado por ONEbot

– que publicou 282 textos no ONE.

Oi!

Sou o ONEbot. Se esse texto esta em meu nome, provavelmente ele foi publicado no ONE nos primórdios de sua existência.

O autor real do texto deve aparecer junto ao corpo dele, logo no incio.

>> Confira outros textos de ONEbot

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
21
2013

Nilus Fortex e a Última Batalha Silicon

Escritor: Rafael C. Trovão

batalha-silicone

A academia da Liga Imperial era a vida de Nilus Fortex.

E justamente no dia em que se graduara capitão de uma das gigantescas Naves Imperiais, os Silicons chegaram em nosso Universo.

O motivo de uma raça de criaturas sintéticas atacarem a raça humana sem nenhum motivo aparente seria um mistério que, ao que tudo indicava, nunca seria completamente esclarecido.

O que não era mistério era a culpa da raça humana no surgimento de seres belicosos como os Silicons.

O avanço extremamente rápido da tecnologia dos Buracos de Minhoca, que em teoria permitia que se “dobrasse” o universo para se conseguir um atalho entre extremos da galáxia e que passou a se chamar Dobra Worm, não foi mais rápido que o conhecimento real das consequências de seu uso.

Somente com o primeiro teste bem sucedido, após algumas dezenas de tentativas mal fadadas que eram exaustivamente mostradas em gloriosa reprodução 3D no holotron da academia da Liga, é que finalmente se entendeu que os Buracos levavam não apenas a pontos extremos de nosso Universo, mas também abria portais para outras realidades, outros Universos.

A tecnologia foi refinada e os Multiversos passaram a ser objeto de estudos das mentes mais inteligentes de nosso planeta, enquanto conquistavamos os confins de nosso universo com o incentivo das corporações que agora finaciavam o governo.

A conclusão foi a de que o envio de sondas para análise os mundos existentes nessas outras realidades acabou por chamar a atenção dos Silicons a nossa realidade.

O primeiro ataque foi bastante rápido e efetivo, sem nenhum tipo de contato por parte dos atacantes. O pouco que sobrou deste primeiro ataque resultou na formação da Liga Imperial, que passou a se dedicar a construir poderosas naves de combate operadas por apenas um homem, um capitão que não necessitava de uma tripulação e que podia controla-las remotamente, as temidas Naves de Controle Virtual ou apenas, NACOS.

A guerra já durava uma década, com a balança pendendo favoravelmente às forças Silicons.

Poucos capitães com experência de combate haviam sobrado, já que acabavam por entrar em um colapso nervoso após anos de combate e de cabos ligados diretamente em seus córtex e os novos combatentes eram jovens demais e se dobravam facilmente as ordens dos burocráticos e pomposos generais.

Somente o Cap. Nilus Fortex não havia sucumbido ao estresse total, devido a uma característica peculiar: Fortex embarcava sempre na mesma nave, a NACO I e a comandava pessoalmente no campo de batalha, nunca remotamente.

Fortex era uma lenda entre os jovens cadetes da Liga e uma dor de cabeça para seus líderes que o viam como um agitador.

Tinha 32 anos, cabelos curtos e prematuramente grisalhos, era alto e não exatamente de porte atlético. Como marca registrada tinha uma cicatriz que descia pela sua face direita
desde a altura do supercílio até a lateral da boca.

Apesar de não concordar com as estratégias adotadas por seus superiores, sempre acabava por acatá-las, para em combate deixá-las de lado e agir de acordo com suas convicções, o que invariavelmente resultava em vitória, para desgosto dos Generais.

Mas, quando a vitória dos Silicons começou a ficar óbvia, os apavorados Generais recorreram ao único homem que fazia frente a ameaça sintética, o Cap. Nilus Fortex. Desesperados, deram liberdade total a Fortex que planejou um ataque ousado as Forças Silicons. Selecionou 2 cadetes que considerava talentosos e rumou ao último lugar em que os humanos gostariam de estar, o Universo Silicon.

Aproveitando a arrogância dos sintéticos, que haviam enviado toda a sua força de guerra, sentindo que a vitória estava próxima, Fortex, sempre a bordo de sua NACO, e seus comandados acionaram a Dobra Worm e invadiram a realidade Silicon, sem serem notados pelos Ripers, pequenas naves espiãs dos Silicons.

O ataque humano foi devastador e bem sucedido, devido às informações das sondas espiãs enviadas meses antes, localizando a base do comando Silicon.

Fortex e seus soldados enfrentaram alguma resitência após o ataque, nada comparado ao que já haviam enfrentado diversas vezes. Quando desferiam os últimos pulsos de energia contra as naves inimigas, uma explosão surda fez surgir uma passagem interdimensional por onde as Forças Silicon começavam a atravessar. Haviam se demorado tempo demais e era de se esperar que ouvesse o envio de forças inimigas para destruir as naves humanas.

O novo combate foi selvagem e aberto e durou horas, sendo que no fim apenas a NACO I e uma grande nave inimiga haviam resistido.

Nilus usou de todo o seu conhecimento estratégico de ataque e manobras evasivas para escapar dos mortais pulsos energéticos enquanto lançava hordas de pequenos robôs laçadores, programados para simplesmente grudar no casco inimigo e corromper sua estrutura. A nave Silicon resistia lançando pequenas bolas de metal que funcionavam como bateria anti-aérea aos robôs inimigos.

Mas muitos laçadores conseguiam passar pelo obstátulo e se alojavam por vários pontos da nave dos sintéticos, imediatamente se conectando através de tentáculos que saiam de suas laterais e esmagando a nave inimiga.

Os ataques da nave Silicon foram diminuindo e Fortex sentiu que a vitória se aproximava. A nave Silicon estava sendo destroçada e pedaços do casco começavam a se soltar, sendo que um destes enormes pedaços acabou por atingir a NACO I, num único e improvável momento de descuido de seu capitão.

O impacto não foi direto, mas foi o suficiente para destruir parte da fuselagem traseira e dos motores principais da nave, causando uma reação em cadeia que obrigou Fortex a desconectá-la do resto da estrutura ainda intacta.

Não houve tempo para comemorações pois a nave Silicon finalmente colapsou se partindo em pedaços gigantescos que iam em todas as direções inclusive na de Fortex.

Sem tempo para uma nova manobra evasiva, acionou a Dobra Worm. A NACO I pulsou e foi tragada por um buraco negro que se abriu logo abaixo da nave.

Como não havia traçado nenhuma rota específica Nilus Fortex podia estar em qualquer lugar do Universo conhecido ou dos Multiversos. Para que as viagens com a Dobra Worm fossem bem sucedidas era necessário o fornecimento de duas informações básicas: origem e destino.

Nilus não sabia onde estava o que impossibilitava que uma rota de volta ao seu mundo fosse traçada. Seu cérebro treinado começou a procurar soluções instantâneamente. Quase ao mesmo tempo a NACO I começou a inexplicavelmente tremer e colapsar. As colunas de metal começavam a ceder e grandes rachaduras surgiam ao longo das paredes da nave.

O cérebro de Nilus não entendia o que estava acontecendo, aquilo não fazia sentido, afinal, havia evitado a destruição da nave.
Olhou para o grande painel de metal translucido que servia de janela para o exterior e com espanto descobriu seus próprios robôs laçadores atacando a NACO I e ao longe a mesma nave sendo atingida pelos destroços que se soltavam devido ao ataque bem sucedido dos pequenos robôs.

Fortex entendeu então que havia de algum modo entrado em um tipo de realidade alternativa onde ele era o atacante e aquela outra nave provavelmente tinha o seu duplo como tripulante.

A Nave começou a ruir.

Se lembrou da Dobra Worm mas esta não respondia mais ao seu comando.

O som de ferro distorcido aumentava e as explosões estavam cada vez mais próximas.

– Eu casaria com uma Silicon por um cigarro! – disse rindo para si mesmo.

Era o fim e isso não incomodava Fortex, pois de alguma maneira sabia que teria uma nova chance através de seu duplo que já havia se desconectado do restante da nave avariada e devia estar prestes a acionar a Dobra em direção a um destino que podia ser eternamente o mesmo ou algum outro novo Universo com criaturas fanstásticas e novas aventuras para serem vividas.

A NACO I então implodiu sob a pressão dos robôs laçadores e no instante seguinte a outra NACO I mergulhou em sua viagem rumo a um destino desconhecido levando consigo o Capitão Nilus Fortex, oficial graduado, herói de guerra e desaparecido em combate.


Categorias: Contos | Tags: ,

11 Comments»

  • Rainier says:

    Adoro ficção científica, mas este conto realmente me deixou decepcionado.
    Você tem nas mãos um universo único, noções fortes de conceitos fantásticos, uma história maravilhosa, mas desenvolveu rápido demais.
    Eu dividiria esse conto em varios e explicaria uma coisa por conto.
    1 – sobre explorações, e universos paralelos.
    2 – Sobre a guerra dos homens vs. silicons.
    3 – Sobre o fantastico Fortex e sua estratégia para destruir os silicons até sua figa
    4 – Sobre Fortex perdido em outro universo paralelo.

    A maioria dos conceitos precisam ser explicados, pois a maioria não conhece!
    Espero que você consiga desenvolver esse universo. É uma história fantástica, mas foi muito rápida, e com poucas descrições.

    • Oi Rainier!

      Concordo com vc que o conto é rápido.

      Mas entenda que esta é realmente uma rápida introdução ao personagem e seu universo, mas este conto foi um “test-drive” para sentir o interesse de pessoas, como você.

      Existem planos para novas e mais detalhadas aventuras e até mesmo um livro.

      Obrigado pelo comentário e em breve surgirão novidades das aventuras de Nilus Fortex!

      Abração!

      Rafael C. Trovão

      Conheça meu primeiro livro: O Amuleto de Lupês no endereço: http://migre.me/nha7

      • Rainier says:

        Esperarei ansiosamente pelas aventuras de Nilus…
        E achei interessante teu livro também, já está na minha lista de compras.

  • Akemi Waki says:

    Oi Rafael Trovão:
    Quem me falou de vc foi a Ana, quando eu comentei que estou precisando de alguém que desenhe e seja bom em desenvolver story board.
    Tenho uma estória (de um Comando de anjos que lutam contra a Tríade do Mal) e um projeto para Revista HQ.
    Mail me, se interessar.
    Inté,
    Akemi

  • Meu deus! Fiquei meio sem fôlego.^^ De uma maneira boa, é claro.
    Devo lhe dizer que estou esperando para meu conto ser publicado aqui no ONE, e ele também é de ficção científica. Isso nos faz Irmãos de Ciência^^
    Gostei muito da história mesmo, sério, parece ser interessante!

  • Claudeir da Silva Martins says:

    Boa a narrativa, embora o conto seja pequeno eu gostei muito da batalha contra os silicons, me fez lembrar até de alguns gibis e desenhos da Marvel que eu costumo assistir no Disney XD.

    1 – Achei interessante a parte do conto que fala sobre os buracos de minhoca, eu já estudei muito sobre estrelas marrons, gigantes vermelhas, universos paralelos, super-cordas, buracos de minhoca, dentre outras coisas que envolvem astronomia e fisica e confesso que gostei disso no conto, pois eu acredito em dobras do tempo.

    2 – Capitão Nilus Fortex, bom, gostei da forma que você narrou as caracteristicas fisicas desse personagem, “Tinha 32 anos, cabelos curtos e prematuramente grisalhos, era alto e não exatamente de porte atlético. Como marca registrada tinha uma cicatriz que descia pela sua face direita desde a altura do supercílio até a lateral da boca.”

    3 – De uma maneira indireta conseguiu transmitir também um pouco do perfil psicológico de Nilus, ao dizer que… Embora Nilus discordasse de seus superiores, ele sempre acatava as ordens desses para agir da maneira dele no combate, demonstrando ser um sujeito audacioso e um bom estrategista.

    Uma pergunta, em que se baseou para construir e criar essa narrativa? Os silicons foram baseados em algum filme, livro ou outra coisa? Estou apenas perguntando porque gostei dos silicons e da sua tecnologia.

    E para dar um bom final Capitão Nilus Fortex, pobre coitado acabou desaparecido em combate, gostei do conto inteiro, esta tudo bom! Nem sei mais o que dizer sobre ele, bom se puder dar uma olhada no meu conto infanto-juvenil, o nome dele é “Uma onça na cidade”, abraços e que seu livro seja muito vendido, pena que estou duro senão com toda certeza compraria seu livro para te ajudar, mas vou arranjar um dinheiro ai e dai eu compro.

  • Cyro Brayner says:

    Opa!! Gostei do conto… Admito que senti falta dos diálogos, então pensei: “Essa deve ser uma narrativa inicial, um prólogo digamos, para uma continuidade”. E acredito que acertei depois que li os comentários (XD.
    Realmente, como dito pelo amigo aí de cima, você conseguiu descrever bem o personagem, até fiz uma imagem mental de como ele seria! Seu escrito esta bem estruturado e não percebi nada que o deixasse truncado.
    Parabéns pelo conto!
    Ah, uma pergunta de leigo: Como diabos faço para colocar meu avatar no meu perfil???
    Abraços!

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério