O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Publicado por [email protected]

– que publicou 4 textos no ONE.

>> Confira outros textos de [email protected]

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jan
10
2014

Shadow: O Legado dos Imortais – Capítulo 1

o-legado-dos-imortais

O Início

No inicio dos tempos havia um ser que não podia ser descrito, tocado ou enxergado. Era apenas uma essência pairando no ar.

A essência nada mais é do que uma energia que pode criar qualquer coisa, ela pode ser sentida, mas não havia quem pudesse senti-la.

Ele vivia em um lugar escuro e infinito que parecia abandonado, nesse lugar existia uma enorme bola de fogo, que por nós é conhecida como Sol.

Então o tal ser resolveu criar…

 

Primeiramente ele pegou uma pequena parte de sua essência e criou três seres, o primeiro ele chamou Terra, o segundo de Água, e o terceiro de Fogo. Eram seres que ele achava imprescindíveis para sua obra final.

Após, ele pediu para que eles criassem um lugar que pudesse gerar vida ser que ele tivesse que intervir, também foi pedido para que o tal lugar se parecesse um pouco com os outros lugares que ele havia criado, mas os mesmos eram desabitados.

Algum tempo depois, o lugar estava pronto, mas por algum motivo a vida não florescia sozinha.

 

O lugar era gigantesco, tinha a forma de uma elipse, era maior parte coberta por água, abaixo uma espessa crosta de terra e rochas e no seu núcleo uma enorme bola de fogo.

O lugar era tomado por um vácuo enorme, frustrado por mais uma falha, o ser optou por uma ultima tentativa.

Então ele criou o Ar, um ser que dominaria o território acima da água e da terra.

 

 

A vida…

 

Depois de algum tempo, a vida começou a florescer, plantas começaram a tomar o território, novas espécies começavam a nascer.

Finalmente tudo estava dando certo, o seu mundo estava criado, mas os seres que ali habitavam não eram da forma que ele imaginou. Eles não pensavam, simplesmente agiam por extinto, eram burros.

Desolado, foi acalmado por seus filhos, pois ainda era cedo para desistir.

Um longo tempo depois. Duas espécies começaram a se destacar, os Homens, por sua inteligência e organização, e os Mitsojiks, por sua força e controle de essência.

Feliz por ver que tudo estava como ele imaginou, resolveu criar um ultimo ser antes de partir, esse ser ficaria no seu lugar, ele teria uma boa parte de sua essência.

A essência era metade boa, metade ruim, isso simbolizaria o equilíbrio no mundo, o nome do novo ser era Chinzu.

 

E então ele partiu, deixando o mundo na mão de seus filhos…

 

Após muito tempo depois ele retorna ao lugar que criou e vê um mundo totalmente diferente do que ele planejou.

Os homens chamavam seus filhos de deuses, Chinzu havia se voltado contra os homens e seus irmãos.

Chinzu liderou os mitsojiks em uma guerra contra os homens, que foi parada após a chegada do criador.

 

O criador decidiu que o melhor a se fazer era dividir as essências do equilíbrio, a essência Chinzu foi dividida em duas partes e renasceria em duas crianças daqui a setecentos anos. E após a morte deles renasceria novamente em setecentos anos, isso se repetiria eternamente. Os mitsojiks deveriam servir eternamente as famílias dos guerreiros que morreram em batalha.

Antes de partir novamente, ele pediu para que seus filhos ensinassem aos homens a controlar a essência e que eles deveriam escolher um homem cada, para dividir sua essência, esses homens seriam imunes a doenças e a velhice. Ele ordenou que após dividir as essências, eles deveriam partir.

Duzentos anos depois, Terra encontrou um homem que ele achava digno de receber a dádiva proposta pelo criador, seu nome era Ichiro, um camponês de 40 anos que perdeu a família em um incêndio, ele era forte e destemido.

Terra então partiu e deixou seus irmãos.

 

Cento e quinze anos depois de Terra partir. Água encontrou alguém que lhe parecia ter uma grande determinação, seu nome era Ália, uma jovem garota de 18 anos, filha única e de olhos azuis.

Foi a vez de Água partir.

 

Mais duzentos e cinquenta anos se passaram, Ar ainda confuso com a sua escolha, pois tinha vários alunos dignos, mas um se destacava, estava a beira da morte, com 70 anos, Quinn, um velho cheio de arrependimentos de um passado nada glorioso. Ar decidiu que ele seria melhor escolha.

Então ele se foi.

 

Desde a partida de Ar já havia se passado mais de cem anos, foi então que Fogo encontrou um garotinho, este parecia estar perdido, com lagrimas no rosto e a roupa suja ele chamou a atenção de Fogo.

 

– O que você esta fazendo aqui sozinho garoto?

– Meus pais sumiram –. Disse o garoto com a voz tremula.

– Qual o seu nome? –. Pergunta Fogo.

– Shaun. –. Responde o garoto.

 

Shaun, um garoto magrinho, de olhos arregalados, cabelo castanho e bagunçado.

 

“Esse garoto tem algo de especial, eu sei disso”, pensou Fogo.

 

Os pais de Shaun nunca foram encontrados, Fogo se tornou seu mestre e seu melhor amigo. Ele sabia que seria Shaun seu substituto, mas qual seria o momento certo, era uma duvida que estava deixando ele louco.

 

Quando Shaun completou 27 anos, Fogo decidiu que seria essa a hora certa, pois faltavam poucos anos para as crianças nascerem.

Fogo partiu e deixou Shaun no seu lugar, Shaun agora com 27 anos, não mais tão magro como antes, cabelo bagunçado e um chapéu de palha cônico que carrega nas costas.

Terei 27 anos pelo resto da vida, acho que o melhor a se fazer é beber para comemorar, pensou Shaun com um sorriso no rosto.

 

Alguns anos se passaram…

 

Um grito de dor ecoa no ar, vindo de uma cabana feita com bambu e palha, o grito era de uma mulher prestes a dar a luz, seu rosto era pálido, seus lábios estavam roxos, veias com um misto de roxo e verde, eram saltadas em seu rosto que um dia foi belo.

Viúva a menos de uma semana, seu marido morreu em meio a uma guerra entre dois vilarejos, ele era forte e destemido, era crente aos deuses e a única coisa que ele temia era o retorno de Chinzu, um deus que havia sido esquecido pelos homens a muito tempo.

A dor só vinha a aumentar, seus olhos estavam lacrimejando, os gritos cessaram, ela apenas abria a boca, mas os gritos não saiam mais.

A boca totalmente seca e rachada, seus olhos quase fechando, tudo estava embaçado e girando, ela não sentia mais dor, uma sensação boa tomou o seu corpo, uma sensação de alivio, seu corpo começa a adormecer.

Uma velha senhora tentava fazer o parto.

 

De repente o choro de uma criança recém nascida é escutado pela mãe que esta à beira da morte, ela olha para a criança no colo da senhora e abre um leve sorriso.

– É um menino. – Diz a senhora com uma expressão de felicidade e tristeza ao mesmo tempo.

– Ele vai se c-cha-a-mar… – Diz a mãe gaguejando totalmente sem forças.

– Kitai Akura! – Exclama ela com pouca força, quase sem som.

 

A dor volta pior do que antes, ela se agarra nos panos da cama com muita força, seus pés começam a se contorcer, a velha a olha espantada.

Ela tenta gritar, mas a voz parece não sair, apenas gemidos de dor, seus olhos já sem brilho veem a velha levantar outra criança.

– São gêmeos! Grita a velha com esperança de que a jovem não morresse ali.

– Yoku Akura. – Fala a jovem com suas ultimas forças, seus olhos sobem até aparecer apenas à parte branca do globo ocular, sua respiração fica fraca, seu coração bate fracamente até que para de vez.

 

Uma lagrima escorre da velha que vê a jovem mãe ali, sem vida.

 
confira em http://legadodosimortais.blogspot.com.br/

17 Comments»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério