O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(0) Ela [agenda]

Publicado por Maria Oliveira

– que publicou 36 textos no ONE.

Eu escrevo, porém prefiro declarar que faço um artesanato de palavras. Muito obrigada pela visita.

>> Confira outros textos de Maria Oliveira

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
06
2014

Incubus – Arcanjo Rafael

dali

Segurou-a nos braços até o último instante e deixou sua alma dormente partir para a Terra. A onipresença não foi um dom concedido a ele, então precisava constantemente deixá-la para cumprir suas missões angelicais. E parecia que ela crescia demais em suas ausências. Na primeira vez que conversaram, ela contava três anos de idade e era noite de Natal. Havia recebido como presente uma boneca-bebê e numa distração dos pais o Anjo da Morte teve tempo suficiente para surgir, encantando a pequena. Quando os pais voltaram a prestar atenção na filha, ela havia despido o vestido e os sapatinhos cor de rosa da boneca, vestido com um conjuntinho branco tamanho RN que já não cabia mais, sobrou apenas como uma lembrança guardada pela mamãe e para completar anunciou que o bebê se chamaria Rafael. Os pais a princípio ficaram estarrecidos, porém concluíram que deveria ser coisa de criança.

Percebendo o próprio erro, disse para si mesmo que evitaria materializar-se assim novamente, conhecia histórias de pessoas que enlouqueceram e a amava demais para permitir isso. Sua resolução foi fazer unicamente aparições durante o sono, e deu início aos sonhos recorrentes e sequenciais que a menina contava à mãe. Ele a ensinou como voar nos sonhos, o trajeto mais seguro para a escola, e a ter medo de quase tudo. “Criou” a menina excessivamente medrosa, acreditando que ajudaria a protegê-la. Essa foi uma fase feliz para ele, os anos mais serenos de sua existência resumiram-se na infância dela.

Mas as crianças crescem, e um pouco mais tarde que outras garotas da mesma idade, ela também passou a ter interesse nos rapazes, curiosidade por amor e relacionamentos. O Arcanjo quase enlouqueceu de ciúme, sem permissão superior invocou um gato preto, um ser que existia num tipo de condicional das sombras, enquanto prestasse serviço em causas dos Arcanjos, em geral, os gatos pretos consistiam em algum espírito humano pouco evoluído, com tendências obsessivas e más, essa foi a criatura que escolheu para vigiá-la. O Gato Preto encontrou uma brecha no apego inocente que a prendia a seu visitante noturno e instalou-se em sua vida. Tinha permissão para atormentar qualquer um que ousasse tentar conquistar a moça. Ela possuía um dono, mas na verdade, era dominada por um dono que não a possuía, fato que incomodava Rafael, pois desejava ser completo para Diná.

***

Entrou em seu quarto como sempre fazia e dispensou o Gato Preto. Ainda não planejara o que ou como fazer então postou as mãos sobre o corpo dela, separando-o do espírito, adorava vê- la assim, duplicada, ao mesmo tempo cheirosa entre os lençóis e flutuando a sua frente, olhos nos olhos, confiante de que ele é apenas um sonho bom. Considerou levá-la de volta a seu principado mas logo descartou a ideia infeliz, o incubus teria que acontecer no território dela, com corpo e espírito presentes. Julgando-se sem opções para aplacar sua cobiça, quebrou a palavra dada e materializou-se. Para agir como homem, precisaria dos estímulos sensoriais de um homem. Tantas vezes esteve deitado naquela cama, no entanto foi uma experiência diferente estar ali e ter uma pele para sentir o toque do mundinho da moça. Sentiu o vento fresco da noite, correu os dedos pelo papel de parede, aconchegou o corpo na cama confortável.  Sobretudo, maravilhou-se com outra perspectiva dela. Tocou seus cabelos e sentiu o cheiro da tinta que teimava usar, a textura das imperfeições na pele e novamente se apaixonou por ela, enquanto o espírito de Diná apenas os observava de cima. E invertendo os papéis, os pelos de Rafael se arrepiaram com a proximidade de um espírito. Diná beijou os lábios de seu próprio corpo adormecido e sorriu movendo-se para perto dele. Seduzido, decidiu que sim, faria o incubus, devolveu o espírito de Diná ao corpo e ela suspirou cansada, esse processo requer enorme gasto de energia e chegou a recorrer em algumas ocasiões ao Gato Preto para que fornecesse um pouco da sua energia para a garota. Naquele instante, ficou incomodado com traços de uma criatura vil dentro de alguém inocente, a atitude certa seria usar seu dom de cura para restaurar- lhe a pureza, mas para isso entraria em sintonia direta com a Origem e temia a interrupção divina daquilo que mantinha com Diná. Na situação em que estavam, valia a regra máxima do livre arbítrio: ela poderia neutralizá-lo a qualquer momento, só precisaria dizer não e nunca a teria de volta.

Aninhada em seu peito, a garota jamais pareceria próxima de um não. Pelo contrário, despertou sem estranhar sua presença, talvez julgando continuar sonhando. A esperança de Rafael era ter seu amor correspondido, enquanto ela admirava a perfeição física que só um anjo exibiria. Trouxe o rosto querido para perto do seu e sem saber como beijá-la ficaram apenas respirando com o lábio mais fino dela abaixo das narinas dele e o lábio carnudo entre os seus abertos, ela estava calma e o príncipe ofegante, isso o deixava nervoso. Ao movimentar a língua molhou um pouquinho a boca de Rafael que recuou num choque. A primeira parte daquele corpo a receber seus beijos foram as pequenas mãos em concha, finalmente a agitara e recebeu uma forte mordida no ombro apoiado na cama, sentiu o hálito humano  aquecer as fibras de algodão do lençol e sentou-se fugindo uma segunda vez. Apesar do medo insistente, sabia que não poderia escapar da própria vontade e manteve-se alisando as pernas de bailarina devagar o suficiente para alcançar um estado de serenidade e pensar no que fazer. Era a primeira vez de ambos e se deu conta que a garota nem ao menos se tocava, então ensinou o que as mulheres fazem, ela gostou, deslizou na cama jogando a cabeça para trás. Quando tornou a abrir os olhos tinha um brilho novo no olhar, a partir disso o anjo soube que teriam que ir até o final. Quem tomou a iniciativa do beijo foi ela, num salto de felina, e a sensação para o anjo foi ótima, experimentava um grande momento e voltando a ser suave, ela o abraçou com as pernas e tentou encaixar-se. Uma pontada de cólica a fez parar, então ele segurou sua cintura para que a moça não descesse demais, evitando assim dor excessiva. A natureza humana da moça agiu, fazendo com que ela guiasse os movimentos dos dois, e após um longo suspiro, ela prendeu a respiração alguns segundos e jogou-se sobre a cama. Estava satisfeita. E isso se repetiu toda noite que o Anjo da Morte pôde estar com o corpo de Diná.

***

Enquanto isso, o Gato Preto voltava a um principado feito de fogo, cujo príncipe o havia “emprestado” a Rafael. E a Voz escutou atentamente toda a narrativa daquele espírito.

Curtiu? Leia Incubus – Arcanjo Gabriel

http://www.onerdescritor.com.br/2014/03/incubus-arcanjo-gabriel/


Categorias: Agenda |

2 Comments»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério